abril 2011


MCLAREN 9 – Como principal adversária da Red Bull, não precisou de mais do que três corridas para aproveitar uma adversidade e transformá-la em sucesso. Lewis Hamilton se aproveitou do ótimo estado de seus pneus para arrancar em direção a uma bela vitória. Menos hábil no trato com a borracha nesta corrida, Jenson Button perdeu o pódio no final. Ainda assim, uma excelente corrida. A cada bobeada da Red Bull, a sombra da equipe inglesa aparecerá com mais força.

RED BULL8,5 – Ainda tem o melhor carro de longe, mas já provou que não é completamente imune a problemas. Sem o KERS, os pilotos apresentam dificuldades em momentos cruciais, como a largada. Não por acaso, Sebastian Vettel começou a perder a corrida na péssima largada, na qual perdeu duas posições. Depois, com problemas de pneus, perdeu a vitória no fim. Já Mark Webber se deu bem com os pneus macios no final e se desembestou a ganhar posições. Pela primeira vez, os dois chegaram ao pódio. Muito pouco pra uma equipe que tem um carro para dobradinhas.

MERCEDES8,5 – Tinha um carro muito bom para essa etapa, e os dois pilotos se deram muito bem. Nico Rosberg andou bem nos treinos e chegou a liderar a corrida, só ficando para trás por uma série de problemas. Michael Schumacher também esteve bem e terminou em oitavo. A equipe parece avançar aos poucos, mas ainda precisa dar um salto maior se quiser desafiar a Ferrari.

FERRARI6,5 – A imprensa italiana está desolada. Os fãs choram afogados em vinho e molho ao sugo. Os dois carros da Ferrari ficaram distantes da vitória e a equipe começa a se desesperar. Felipe Massa, pela segunda vez seguida, se saiu melhor, esteve combativo e chegou a liderar. Fernando Alonso não fez nada de muito relevante. Apesar da melhora do brasileiro, ninguém na equipe está satisfeito. E quando a crise bate à porta de Maranello, as coisas desandam ainda mais.

RENAULT3 – A equipe insiste, por algum motivo escuso, na estupidez de mandar os pilotos para a pista nos últimos minutos de cada sessão do treino oficial. Com isso, os dois pilotos se dão mal. Para piorar, Vitaly Petrov quebrou o Renault no Q2, estacionou o carro no meio da pista e causou uma bandeira vermelha. Na corrida, nem ele e nem Nick Heidfeld fizeram nada de relevante, apesar da qualidade do carro. Petrov ainda marcou dois pontos, mas ninguém ficou muito feliz.

SAUBER4,5 – Os dois pilotos se envolveram nas pequenas bobagens de sempre e prejudicaram suas corridas devido a isso. Kamui Kobayashi abriu um buraco no bico de seu carro após um toque e Sergio Perez acertou o pobre Adrian Sutil. Foram os pontos baixos de um fim de semana que não foi brilhante, mas também esteve longe de ser ruim. E a equipe marcou um ponto com o décimo lugar de Kobayashi. Nada digno de aplausos.

FORCE INDIA4 – Esteve melhor nos treinos do que na corrida, e não marcou pontos por pouco. O novato Paul di Resta voltou a andar melhor que Adrian Sutil, o que complica um pouco a imagem do alemão. O carro esteve aquela coisa mediana de sempre, mas os pneus não facilitaram a vida de nenhum dos dois. Sutil ainda foi acertado por Sergio Perez, o que o derrubou ainda mais. Enfim, mais um fim de semana como outros.

WILLIAMS1 – O buraco é bem fundo, mas nada que não pode ser piorado. O carro não melhora e o avanço dos adversários ameaça mandar a Williams para o fundão do grid definitivamente. Rubens Barrichello e Pastor Maldonado conseguiram terminar a corrida pela primeira vez no ano, mas, fora isso, nada mais deu certo. Maldonado até ficou atrás do Lotus de Kovalainen. É o pior ano da equipe desde que Frank Williams saiu do fundo do grid nos anos 70.

TORO ROSSO1,5 – A equipe jogou no lixo sua melhor oportunidade ao não colocar corretamente o pneu traseiro direito no carro de Jaime Alguersuari em sua primeira parada. O espanhol acabou abandonando a prova com um pneu a menos, caso único de abandono na corrida. Sebastien Buemi terminou bem longe dos pontos. Péssima corrida para uma dupla que havia conseguido largar entre os dez primeiros.

LOTUS6,5 -A equipe anglomalaia avança lentamente, mas avança. Heikki Kovalainen fez uma ótima prova e terminou à frente de um Sauber e de um Williams. Jarno Trulli também terminou a corrida, feito notável para alguém que sempre está abandonando. E o finlandês ainda conseguiu colocar uma volta nos adversários da Virgin e da Hispania. Se as coisas continuarem avançando dessa forma, a Williams que se cuide.

VIRGIN3,5 – Não sai daquele patamar, de equipe que apanha da Lotus mas que não tem grandes dificuldades para bater a Hispania. A novidade foi a ótima atuação de Jerôme d’Ambrosio, que andou melhor que Timo Glock no treino oficial e na corrida. O alemão está desmotivado com um carro tão ruim. De fato, o VR02 é lamentável. Se não houver alguma mudança, a Hispania tenderá a se aproximar mais.

HISPANIA 4,5 – Pela primeira vez, os dois carros terminaram. E Narain Karthikeyan conseguiu o feito de completar a corrida com uma única parada, o que mostra que o carro pode ser uma carroça, mas pelo menos não gasta muito pneu. Vitantonio Liuzzi tentou o mesmo, mas não teve sucesso. Ainda assim, os dois chegaram ao fim. Se as novidades prometidas para a corrida turca realmente derem certo, a equipe poderá até dar um enorme salto… à 11ª fila do grid.

CORRIDALEGAL, MAS O HORÁRIO… – Fiquei acordado até tarde esperando esta porcaria começar. Quando começou, o sono até que não estava forte. Na vigésima volta, eu estava piscando e torcendo para que aquela corrida acabasse logo. Na trigésima, já estava quase em coma. Daí para frente, sono REM de ótima qualidade. Pena, pois perdi um ótimo final de corrida. A primeira metade foi boa, mas a segunda parece ter sido melhor, com carros com pneus em bom estado deixando impiedosamente para trás carros com pneus em estado de petição. As ultrapassagens foram várias e nada menos que seis pilotos ocuparam a liderança em algum momento. Enfim, foi ótimo. Mas ver corrida às cinco da matina do domingo não dá…

TRANSMISSÃOALGO ACONTECEU? – Não vi o treino oficial e vi apenas metade da corrida. Logo, não dá pra comentar muito sobre a atuação do trio global. Dizem que Galvão Bueno estava muito mais impressionado com o sexto lugar aguerrido de Massa do que com a vitória de Hamilton. Vindo de quem vem, normal. No mais, realmente não tenho como comentar muito sobre o que aconteceu. Estou começando a achar que a Globo faria melhor se transmitisse um VT na íntegra das corridas asiáticas às nove da manhã. Duvido que ela teria menos audiência por isso.

LEWIS HAMILTON 9,5 – Começou comendo quieto pelas beiradas, largando atrás do companheiro e ficando atrás dele no começo. Seu carro havia apresentado um indesejabilíssimo vazamento de combustível e ninguém lá na McLaren acreditava que ele pudesse chegar até o final. Mas chegou, e voando. Com pneus em melhores condições na segunda metade da corrida, Lewis passou um bocado de gente e partiu para sua primeira vitória desde Spa no ano passado.

SEBASTIAN VETTEL8 – Humilhou os colegas ao fazer sua pole-position em apenas uma volta no Q3, mas sua felicidade acabou por aí. Largou mal e, com isso, decidiu reduzir o número de paradas para duas de modo a não perder tempo. A princípio, a mudança até funcionou, mas o alemão se encontrou sem pneus na parte final. Com isso, foi engolido por Hamilton a cinco voltas do fim e teve de se contentar com o segundo lugar.

MARK WEBBER6 – Da água da privada para um Château Petrus, o australiano foi a vergonha do fim de semana até a primeira metade da corrida e a grande atração da segunda metade. No treino oficial, saiu coberto de paus e pedras após conseguir a proeza de sobrar no Q1 com um RB7. Na corrida, ficou preso no tráfego logo no começo, tomou uma ultrapassagem humilhante de Sergio Perez e desgastou demais os pneus duros. Com os macios, as coisas se inverteram e Webber saiu ganhando posições feito um louco no final. Terminou em terceiro, mas poderia ter vencido se houvesse mais umas três ou quatro voltas. Ainda assim, só ganhou nota acima da média pelo final espetacular.

JENSON BUTTON7 – Com a segunda posição obtida no treino classificatório, poderia sonhar com um grande resultado. Jenson largou bem e tomou a liderança na primeira curva, ficando por lá nas primeiras voltas. Depois, as coisas começaram a desandar. Primeiramente, ele conseguiu o feito de quase parar nos boxes da Red Bull, perdendo um bom tempo e uma posição para Vettel. Depois, teve problemas para administrar o consumo de pneus e perdeu o pódio para Webber no final da corrida. Ao contrário do australiano, ganha a nota pelo início do fim de semana.

NICO ROSBERG8,5 – Sem dúvida, um dos grandes destaques no fim de semana. Muito bem nos treinos, conseguiu uma ótima quarta posição no grid de largada. Na corrida, após quase tomar o terceiro lugar de Vettel na primeira curva, apostou em parar mais cedo para não pegar tráfego no retorno e assumiu a liderança de maneira notável. Após a segunda parada, no entanto, seu carro começou a ter problemas nos pneus, nos freios e no consumo de combustível. E ele acabou terminando em quinto. Injusto, pra dizer a verdade.

FELIPE MASSA 7,5 – Outra boa corrida, talvez até melhor que a prova malaia. Largou imediatamente atrás de Alonso, mas ultrapassou o espanhol na primeira curva. Depois, manteve um bom desempenho, chegando a ultrapassar Hamilton e a assumir a liderança por alguns instantes. Mas a estratégia de fazer uma parada a menos deu errado e o brasileiro perdeu várias posições no final. Ainda assim, saldo positivo.

FERNANDO ALONSO5,5 – Para alguém que se supõe candidato ao título, fim de semana de bosta, acompanhando a mediocridade de seu carro. Razoável no treino oficial, perdeu uma posição para o companheiro Massa e ficou preso atrás dele no começo. Depois de sua primeira parada, ainda perdeu mais tempo atrás de Schumacher. E como sua estratégia também era a de duas paradas, o asturiano ainda perdeu mais tempo com os pneus desgastados no final da corrida. Sétimo lugar magérrimo.

MICHAEL SCHUMACHER6,5 – Aproveitando o bom de fim de semana da Mercedes na China, o heptacampeão também foi bem. No treino oficial, vacilou ao demorar para marcar um tempo competitivo no Q2 e se ferrou com a bandeira vermelha de Petrov, tendo de largar em 14º. Na corrida, ganhou cinco posições na largada e esteve sempre competitivo no meio do pelotão. Segurou Alonso por um bom tempo e conseguiu terminar em um bom oitavo lugar. Para o novo Schumacher, muito bom.

VITALY PETROV5 – Foi o malandrão dos treinos ao estacionar o carro no meio da pista no Q2, o que causou a interrupção do treino e prejudicou muitos adversários diretos seus. Na corrida, largou mal e não brilhou em momento algum. De quebra, ainda errou ao escolher a estratégia de duas paradas. Sabe-se lá como, terminou em nono.

KAMUI KOBAYASHI 5 – Fim de semana praticamente normal para um cara sempre fora dos padrões. No treino oficial, ficou uma posição atrás de Perez. Na corrida, foi prejudicado por um toque que abriu um pequeno rombo no bico de seu Sauber. No final, estava sem pneus, mas conseguiu ultrapassar Paul di Resta para pegar o último ponto da corrida.

PAUL DI RESTA7 – Um dos destaque do treino oficial, obteve um ótimo oitavo lugar no grid de largada. Largou bem e tinha boas chances de conseguir terminar em sétimo ou oitavo, mas a estratégia de parar apenas duas vezes o deixou em maus lençóis no final da prova. Uma pena ter deixado de marcar pontos pela terceira vez seguida.

NICK HEIDFELD 1,5 – Fez tudo errado e ainda não teve sorte, assim como em Melbourne. Na classificação, deixou para fazer sua volta nos últimos minutos e se deu muito mal com a bandeira vermelha de Petrov, ficando de fora do Q3. Na corrida, largou mal e ficou preso no meio do grid. Com o KERS quebrado, não conseguiu se recuperar. De quebra, ainda escolheu a errônea estratégia de duas paradas e ficou de fora dos pontos. Péssimo fim de semana.

RUBENS BARRICHELLO4 – O FW33 está ruim demais, e Rubens se desdobra para conseguir extrair algo a mais, mas está sendo quase impossível. Mal nos treinos novamente, o brasileiro se arrastou na corrida com um carro lento e uma equivocada estratégia de duas paradas. Seu 13º até lhe surpreendeu positivamente, já que a expectativa era terminar duas posições abaixo.

SEBASTIEN BUEMI3,5 – Só não leva menos por ter ido bem no treino oficial – embora tenha ficado atrás de Alguersuari. Na corrida, largou mal e não conseguiu se recuperar. De quebra, além de ter escolhido erradamente fazer duas paradas, teve de parar para uma terceira para trocar o bico. Como consolação, se é que isso vale alguma coisa, foi o único piloto de sua equipe a chegar ao final.

ADRIAN SUTIL4 – E o Sutil, cadê ele? Levou do novato Di Resta pela terceira vez consecutiva, e dessa vez a distância entre eles foi até maior. Não foi mal no treino oficial e até largou bem, mas teve problemas com os pneus e ainda foi atingido por Perez. Não fosse tudo isso e ele até poderia ter terminado entre os dez primeiros, mas está na hora de começar a acelerar um pouco mais. A surra que o alemão deu em Christijan Albers em 2007 poderá se voltar contra ele próprio nesse ano.

HEIKKI KOVALAINEN8 – Certamente, o grande destaque entre os pilotos de trás. Além de ter sido o mais rápido entre as nanicas no treino oficial, o finlandês deu show na corrida. Largou bem, deixou o Williams de Pastor Maldonado para trás e ganhou mais uma posição do punido Perez. Terminou à frente de sete carros, algo inédito em sua passagem pela Lotus.

SERGIO PÉREZ3,5 – Ando tendo a impressão de que será um ímã de problemas nessa temporada. Na corrida chinesa, o mexicano bateu em Sutil, arranjou problemas para os dois pilotos e tomou uma punição pela gracinha. Até então, não vinha fazendo um grande fim de semana, embora tenha superado Kobayashi na classificação e tenha optado pela boa estratégia de três paradas. Terminar atrás da Lotus não estava nos planos.

PASTOR MALDONADO2,5 – Outro fim de semana terrível. Acompanhando o péssimo ritmo de seu carro, foi muito mal nos treinos. Na corrida, mesmo fazendo três paradas, nunca teve carro para sequer sonhar em avançar algumas posições. Tomou ultrapassagem da Lotus do Kovalainen e não conseguiu se recuperar. De bom, apenas o fato de ter terminado sua primeira corrida. É o único estreante que não conseguiu fazer nada de interessante até aqui.

JARNO TRULLI4,5 – Não foi mal, mas esteve longe de brilhar como seu companheiro. Largou na costumeira 20º posição, se envolveu em algumas boas brigas no meio do pelotão e chegou a passar Maldonado no começo da corrida. Teve problemas em uma de suas duas paradas, mas conseguiu voltar incólume e terminou à frente dos adversários das demais equipes pequenas.

JERÔME D’AMBROSIO7 – Ótimo fim de semana, talvez o estreante mais expressivo desta etapa. Meteu seis décimos em Timo Glock no treino oficial, envolveu-se em boas brigas com o experiente companheiro e terminou a corrida à sua frente, mesmo fazendo uma parada a menos que ele. Sinto dizer isto aos fãs de Lucas di Grassi, mas o subestimado belga parece estar dando mais dor de cabeça a Glock do que o brasileiro jamais fez.

TIMO GLOCK 2,5 – Tudo bem que seu carro é um lixo e que sua motivação está zerada. Mas não pegou bem ter levado a surra que levou de seu companheiro estreante. Timo largou atrás dele, teve algumas disputas e tinha tudo para ter ficado à frente, já que sua estratégia de três paradas era a mais correta. Mas não ficou. Um de seus piores fins de semana na carreira.

NARAIN KARTHIKEYAN6 – Um herói. Além de ter andado à frente do companheiro Liuzzi em algumas sessões livres de treinamentos, o indiano conseguiu a proeza de fazer apenas uma parada nos boxes e ganhou a batalha interna da Hispania. Para quem era visto com muita desconfiança pelo tempo fora da categoria, uma bela resposta aos incrédulos.

VITANTONIO LIUZZI3 – Tinha tudo para ter feito melhor que o companheiro, mas não fez. Chamou a atenção por ter ultrapassado os dois Virgin no início, mas a realidade veio à tona quando foi anunciada uma punição por queima de largada. Depois, tentou executar a estratégia de uma única parada, mas não foi bem sucedido como seu companheiro e teve de fazer uma segunda. Esperava um pouco mais dele em Shanghai.

JAIME ALGUERSUARI4,5 – Sétimo no grid de largada, era o nome da Toro Rosso para conseguir um bom resultado na China. Mas a própria equipe jogou o fim de semana no lixo ao não colocar direito a roda traseira direita na primeira parada do espanhol. A roda se soltou algumas centenas de metros depois e o espanhol foi o único gaiato a abandonar a corrida.

O retorno mais aguardado nesse momento não é o de Paul McCartney no Brasil, mas o do Calendário do Verde. E não pensem que essa seção acabou! Após quatro meses, volto a falar sobre as melhores pistas do mundo. Só que há uma novidade.

No ano passado, eu carregava amargos e desonrosos sentimentos ditatoriais dentro de mim e impus aos leitores as minhas pistas preferidas. E vocês acabaram tendo de engolir Hungaroring e Valência. Nesse ano, como estou bem mais democrático e simpático, lavo minhas mãos e deixo pra vocês decidirem as pistas que farão parte do calendário. Não escolham Barrabás, por favor!

Muita calma nessa hora. Vocês não vão decidir todas, é claro. A menos que todos os nossos gostos batam, ainda escolherei algumas. Mas a maior parte é de vocês. Portanto, se querem conhecer alguma pista ou ler um relato sobre seu circuito preferido, é só pedir aqui. Na terça-feira, anuncio o calendário 2011.

Não vale postar pistas que eu já postei, obviamente. A lista de 2010 é esta daqui.  Nada de pedir coisas esquisitas demais. Se você acha o circuito croata de Rijeka a coisa mais legal do mundo, o problema é seu. E também não adianta pedir coisas muito ruins, como Aida ou Velopark (!). Bom senso vale aqui.

Na terça-feira, os organizadores do mais novo circuito misto de primeira linha dos Estados Unidos vieram a público para anunciar algumas novidades. Quando todo mundo já tinha em mente que o circuito receberia o nome de Austin, referente à cidade texana onde ele será construído, fomos surpreendidos novamente com o pomposo nome de “Circuito das Américas”. Pomposo a ponto de ser brega. Mas fazer o quê? Se nome significasse algo, Magny-Cours seria muito melhor que Zandvoort.

O circuito receberá dois dos principais esportes a motor do mundo, a Fórmula 1 e o Mundial de Motovelocidade. As motos já correm nos Estados Unidos há muito tempo, e com bastante sucesso. O problema maior é a Fórmula 1, que nunca foi aceita de braços abertos pelos americanos. E isso incomoda demais gente como Bernie Ecclestone, que não se conforma em não conseguir conquistar o mais poderoso mercado consumidor do planeta.

Bernie já tentou de tudo. Nos anos 80, chegou ao absurdo de realizar três corridas no país em um mesmo ano, caso único na história da categoria. O que ele não sabe – ou prefere ignorar – é que os nativos gostam de velocidade e de entretenimento, duas coisas encontradas com mais abundância na Indy (velocidade) ou na NASCAR (entretenimento) do que na categoria europeia. E as pistas que já sediaram corridas, vou te contar uma coisa… Dá pra entender perfeitamente o motivo do rechaço. Apresento cinco delas. Nenhuma durou muito tempo no calendário. Detalhe: gosto muito de três delas, tirando apenas as duas primeiras colocadas.

5- WATKINS GLEN


Localizada no elegante estado de Nova Iorque, The Glen foi uma das pistas mais desafiadoras do calendário da Fórmula 1. Já falei dela mais detalhadamente antes. Não preciso me alongar demais. Parece evidente que Watkins Glen foi a pista de maior sucesso dos Estados Unidos na Fórmula 1.

Os motivos são claros. Watkins Glen é localizada em uma região de pessoas com cabeça mais aberta, gente que fuma maconha, participa de ONGs ecológicas, compra produtos da Apple e anda de metrô com um copo de cappuccino da Starbucks na mão. Como Nova Iorque é um lugar onde pessoas do mundo inteiro se reúnem para construir suas vidas e se divertir um pouco, não dá para ser muito nacionalista e conservador. A Fórmula 1, portanto, seria recebida com muito mais boa vontade na Nova Inglaterra do que em um rincão perdido no meio do  Arkansas.

O outro motivo é esportivo. Watkins Glen é uma pista veloz, bonita e perigosa, lugar onde se pratica um automobilismo mais próximo das origens. Portanto, é possível apreciar a beleza e a velocidade de um carro de corrida sem moderação. E isso, obviamente, atraía o povão. Não por acaso, esta foi a única pista que conseguia atrair multidões apaixonadas de todos os lugares.

The Glen permaneceu no calendário da Fórmula 1 entre 1961 e 1980. Os pilotos adoravam correr por lá por vários motivos: pista legal, premiação mais alta do que a média, fãs interessados, estrutura de primeiro nível. Mas havia também alguns problemas graves. Perigosíssima, Watkins Glen ceifou as vidas de Helmuth Koinigg e François Cevert na primeira metade da década de 70. Após a morte do austríaco Koinigg, os organizadores decidiram reformar a pista para diminuir a velocidade e aumentar a segurança. A reforma foi feita, mas deixou enormes dívidas para trás. Para piorar, a farta premiação não estava sendo paga às equipes, e a dívida com elas chegou a 800 mil dólares no fim dos anos 70. Praticamente falido, o circuito deixou o calendário após 1980. E os EUA nunca mais conseguiram atingir o mesmo nível de sucesso.

4- INDIANÁPOLIS


Desse circuito, eu me lembro muito bem, até porque foi um dos meus favoritos da década passada. O Indianápolis Motor Speedway, que já havia aparecido nos calendários da Fórmula 1 entre 1950 e 1960 por meio das 500 Milhas, retornava após 40 anos com uma proposta bem interessante de traçado. Assim como ocorre em Homestead e Daytona, seria construído um setor misto dentro do espaço rodeado pelo oval do estado de Indiana, e as duas partes seriam conectadas. Portanto, os pilotos teriam de enfrentar um trecho sinuoso e um outro que aproveita a reta dos boxes e o curvão 1, só que no sentido contrário. Achei legal pacas.

E muita gente concordou comigo, tanto que nada menos que 250.000 pessoas (sim, um quarto de um milhão de pessoas!) compareceram à primeira corrida da história desse novo circuito. Mika Hakkinen tinha tudo para vencer com seu McLaren, mas o motor Mercedes estourou e Michael Schumacher acabou herdando a vitória. Choveu um pouco e a corrida foi bem movimentada em seu início. Não poderia ter havido estreia melhor.

O problema é que Indianapolis deu o azar de sediar alguns dos eventos mais infelizes da história recente da categoria. Em 2002, Rubens Barrichello foi considerado o vencedor após tomar a vitória de Michael Schumacher na linha de chegada, ato ridículo que foi justificado como uma retribuição ao escândalo austríaco. No ano seguinte, o mesmo Barrichello se envolveu em um polêmico acidente com Juan Pablo Montoya, que acabou perdendo a chance de disputar o título com Schumacher e Kimi Räikkönen.

Mas o pior aconteceu em 2005. A Michelin, uma das fornecedoras de pneus da época, estava morrendo de medo dos seus pneus se deteriorarem a ponto de causar um acidente na curva do oval. Esse temor surgiu após o acidente de Ralf Schumacher na sexta-feira, causado pelo estouro do pneu traseiro esquerdo. Então, a fornecedora sugeriu às suas clientes para que não participassem da corrida. Obedientes, as sete equipes que utilizavam a marca recolheram seus carros após a volta de apresentação. E a corrida teve apenas seis carros! Os fãs ficaram revoltadíssimos, muitos abandonaram o autódromo após a largada e todo o dinheiro da bilheteria teve de ser devolvido. E a Fórmula 1 nunca mais recuperou sua imagem no país, saindo de lá em 2007.

3- PHOENIX


Essa é uma dessas pistas que só eu e mais 13 gostamos. O circuito de rua de Phoenix, localizado no coração do cruel deserto do Arizona, sediou apenas três corridas de Fórmula 1 entre 1989 e 1991 e saiu sem deixar muitas saudades à maioria dos fãs da velocidade.

Phoenix entrou meio que de paraquedas no calendário, após o tal projeto de construção de um circuito permanente em Belle Isle, Detroit, ter falhado. Bernie Ecclestone não queria perder a corrida americana e até pensou em levá-la para o consagrado circuito de Laguna Seca, mas preferiu deixar a corrida na cidade de Phoenix por questões logísticas. O circuito nem era tão ruim, mas o fato de haver nove curvas feitas em segunda marcha não agradou a muitos. No mais, era um típico circuito de rua americano, com muros altos, retões largos, esquinas de 90° e uma paisagem completamente urbana, com placas e prédios escapando pelo ladrão. Em 1989, primeiro ano da corrida, os organizadores esperavam receber 100.000 pessoas. Apareceram pouco mais de 36 mil, e esse número só foi atingido porque os portões foram abertos no dia da corrida. Veja só o interesse do povo…

Ainda assim, as três corridas sediadas em Phoenix foram muito divertidas. Em 1989, o calor excessivo, a falta de aderência da pista e os acidentes solaparam nada menos que 19 pilotos. Em 1990, Ayrton Senna e o novato Jean Alesi protagonizaram uma das disputas mais bonitas da década. Em 1991, outra corrida cheia de abandonos e vitória magistral de Senna. No mais, os telespectadores eram os únicos que se divertiam. Os pilotos odiavam ter de correr sob o calor infernal do deserto por duas horas (o limite de tempo sempre estourava), os carros quebravam demais e os espectadores locais eram pouquíssimos. A saída de Phoenix não surpreendeu ninguém.

2- DETROIT


Se Phoenix não conquistou os corações de muitos, o que dizer de Detroit? Incansavelmente execrado pelos medalhões Nelson Piquet e Alain Prost, o circuito de rua de Detroit foi uma das piores pistas pelas quais a Fórmula 1 já correu. E considerando que a categoria já realizou corridas em muita porcaria nesses 60 anos, dá pra sentir o drama.

Detroit entrou no calendário como a terceira pista americana a compor o calendário de 1982. Eram tempos em que Bernie Ecclestone acreditava que bastava apenas lotear a temporada com corridas em cidades americanas para que os locais passassem a amar a categoria de uma hora para outra. E o começo foi terrível: na sexta-feira anterior à primeira corrida, os operários ainda não tinham fixado todas as lâminas do guard-rail. Graças a isso, os treinos foram todos adiados. E a população de Detroit gostou tanto da ideia de ter uma corrida que organizou uma passeata contra sua realização, alegando excesso de gastos públicos e caos urbano. Boa, Bernie!

E o circuito, localizado em frente ao Renaissance Center e às margens do Rio Detroit, era um lixo. Extremamente ondulado e cheio de bueiros, conseguiu desagradar a todos. Os organizadores esperavam ao menos ter uma corrida razoavelmente veloz, mas a velocidade média conseguiu ser mais baixa que a de Mônaco. E a corrida quase terminou em desastre, quando Riccardo Patrese bateu com tudo no carro estacionário de Roberto Guerrero. Seu Brabham pegou fogo e os bandeirinhas não sabiam sequer manejar um extintor. John Watson acabou vencendo aquele que foi considerado, até então, “o pior GP de Fórmula 1 de todos os tempos”.

As coisas melhoraram nos anos seguintes? Não. O circuito de Detroit continuou insuportavelmente lento, perigoso, travado e ondulado. As ultrapassagens tendiam à impossibilidade e os pilotos só ganhavam posições com os muitos abandonos que costumavam ocorrer. Só Ayrton Senna conseguia alguma felicidade por lá, com as três vitórias consecutivas entre 1986 e 1988. Após esta última edição, Bernie arrancou a corrida de lá e procurou incessantemente um outro lugar que pudesse fazer todo mundo esquecer daquele infelicíssimo circuito de rua que desagradou a todos em uníssono.

1- CAESAR’S PALACE


Detroit só não pegou o primeiro lugar porque houve duas corridas em Caesar’s Palace, eleito por muitos o pior circuito de todos os tempos. Tão ruim que deve ser a única coisa que conseguiu aparecer, pela terceira vez, na seção Top Cinq desse blog. Para os puristas, o circuito localizado no pátio do estacionamento de um dos cassinos mais badalados de Las Vegas simplesmente representava o avesso do automobilismo. Pista lenta e travada que só chama a atenção pelo ambiente altamente cafona e por todo aquele show de marketing típico dos promotores americanos. Pior até mesmo que Abu Dhabi.

Caesar’s Palace foi talvez um dos devaneios mais ridículos já saídos da mente asquenaze de Bernie Ecclestone. Em tempos nos quais ele queria fazer a população americana gostar paulatinamente de seu esporte, Bernie achou que sediar uma corrida no lugar mais libertário e surreal dos Estados Unidos atrairia os americanos em massa. Já que essa gente gosta tanto de dinheiro, de cassinos, de putaria e de néons, por que não levar uma corrida para um dos locais mais conhecidos de Las Vegas, o cassino Caesar’s Palace?

Péssima ideia. Embora o dinheiro jorrasse e a organização fosse esforçada, tudo lá era ruim ou bizarro. O traçado era basicamente uma mão com três dedos, uma coisa repetitiva e não muito atraente. Para piorar, o sentido era anti-horário, o que contrariava a tendência europeia de correr apenas no sentido horário. Os boxes eram apertadíssimos e os mecânicos tinham enorme dificuldade para montar e acertar os carros. E o calor era desgraçado. Detroit poderia ser tão ruim quanto, mas aquele maldito palacete em estilo romano e toda aquela fanfarronice de transformar tudo em uma festa, com direito a Diana Ross no pódio, só tornava as coisas piores.

E é brochante saber que Caesar’s Palace sediou duas decisões de título, em 1981 e em 1982. No primeiro ano, Nelson Piquet terminou em um morno quinto lugar após o argentino Carlos Reutemann cair da primeira posição para a oitava e ganhou seu primeiro título. Mas o brasileiro não pode comemorar, já que o calor era tão forte que ele estava quase desmaiado no Brabham. No ano seguinte, Michele Alboreto ganhou de forma surpreendente uma corrida que definiu o título em favor de Keke Rosberg. E o circuito de Las Vegas teve uma primazia que Silverstone, Nürburgring e Spa-Francorchamps nunca tiveram: o de fazer dois novos campeões. O mundo é mesmo uma merda.

GP DA CHINA: Sou sinófobo. Não existe essa palavra, né? Pois agora passa a existir, inclusive no vocabulário do Microsoft Word. Não gosto da China, tenho aversão a basicamente tudo o que existe por lá. Por mim, ela poderia ter se tornado uma província do Quirguistão imediatamente após lançar ao mundo o macarrão e o sorvete. Se você é chinês ou fanático pelo país e ficou aí irritado, pode seguir esperneando. E seu circuito de Shanghai só torna meu desgosto ainda maior. Pista mediana em tudo, não chama a atenção por nada. OK, não serei tão radical. O Caracol e a curva 13 são legais, mas nada que deixe o saldo final positivo. E a corrida nunca é grandes coisas. Nos dois últimos anos, a chuva veio de grande ajuda e tivemos boas disputas. Mas se o sol bater forte, a possibilidade de ter uma das piores corridas da temporada é grande.

SILLY SEASON: E a tal da temporada boba (nunca entendi esse nome) já começou. O alvo da vez é o segundo carro da Red Bull. Como Sebastian Vettel é elemento pétreo na equipe, muita gente anda secando o australiano Mark Webber, que não está em boa fase e pode ser sumariamente dispensado no final do ano. A equipe da SporTV divulgou que Nicolas Todt, empresário de Felipe Massa, esteve conversando recentemente com o pessoal da equipe rubrotaurina. Difícil de acreditar, mas um boato sempre pode acender uma faísca. Por outro lado, o noticiário alemão Bild afirmou que Nico Rosberg, o andrógino de Wiesbaden, seria um bom candidato à vaga. Não sei o motivo de tanto oba-oba. Quem quer que entre na equipe, só estará lá para comboiar o atual campeão.

WEBBER: E o australiano realmente anda em uma fase dos diabos. Na Red Bull, todos só têm olhos para Vettel. Nas duas primeiras corridas do ano, Mark não obteve nenhum pódio mesmo pilotando um RB7 impecável. A mídia já anda palpitando sobre possíveis substitutos seus para o ano que vem. E para terminar, até mesmo a calma já foi embora. Na entrevista coletiva oficial, Webber se irritou profundamente com uma pergunta que o comparava a Eddie Irvine, notório escudeiro de Michael Schumacher na Ferrari. Ele respondeu energicamente que se tratava de uma pergunta ridícula, que todos o conheciam e que Vettel ganhou de todo mundo e não só dele. Mais do que qualquer um no grid, Mark Webber precisa de um bom resultado na China. Para afastar essa nuvem negra que não sai de cima dele.

WILLIAMS: Se Webber é a bola um entre os pilotos do grid atual, a Williams é a mais problemática entre as doze equipes. Nesse momento, seu lamentável FW33 só anda mais que os carros das três nanicas. E além de lerdo, ele também não é confiável: quatro abandonos nas duas corridas. Na Austrália, a revolucionária transmissão compactada quebrou nos dois carros. Na Malásia, o motor de Pastor Maldonado foi pro saco, enquanto que Rubens Barrichello abandonou devido a gremlins apelidados de “problemas hidráulicos”. Enfim, tá tudo errado. E não há sequer dinheiro para consertar esse desastre. Se seguir assim, não há como enxergar viabilidade nisso aí.

RICHARD BRANSON: Lembram-se daquela disputa entre os magnatas Tony Fernandes e Richard Branson para ver qual das suas equipes terminaria a temporada de 2010 à frente? O perdedor, no caso, faria o papel de aeromoça na companhia do outro. A Virgin levou um nabo da Lotus e Branson, resignado, aceitou a derrota. O excêntrico inglês servirá suquinho de laranja, Butter Toffees e Club Social desejando uma boa viagem a todos no dia 1 de maio em um voo especial de Londres a Kuala Lumpur. Enquanto Richard Branson, que não leva nada a sério, se diverte, por que ele não toma essa derrota como algo preocupante e não investe um pouco mais em sua equipe, que corre o risco de perder para a Hispania a qualquer momento?

Na Austrália sem ultrapassagens, tava tudo chato

Na Austrália, deu errado. Na Malásia, deu certo. O pacotão que inclui o mecanismo da asa móvel, o famigerado KERS e a inépcia dos pneus Pirelli era o maior motivo de expectativa para esta temporada de Fórmula 1. Nos últimos tempos, sempre insatisfeitos com a temporada anterior, estamos sempre entrando em um novo ano cheios de expectativas por uma reviravolta, por alguma coisa que desse dor de cabeça a engenheiros, por uma novidade que pudesse inverter o establishment. Com o pacotão, não havia erro: as coisas seriam diferentes em 2011.

Na Austrália, deu errado. A corrida foi até mais chata do que a média, e a asa móvel se mostrou incapaz de permitir mais ultrapassagens lá no meio do pelotão. Na Malásia, deu certo. Até demais. Era um samba pra lá, samba pra cá, neguinho se colocando atrás do colega, pegando o vácuo do carro da frente, esterçando para o lado e partindo para o abraço na primeira curva. Segundo estatísticas nem um pouco oficiais, foram 56 ultrapassagens na corrida, média de uma por volta. O GP da Malásia de 2011 foi, de longe, a corrida com mais ultrapassagens da história do circuito na Fórmula 1. Imediatamente atrás, temos a edição de 2001, com doze a menos. O que uma asinha que se mexe, um pneuzinho que não aguenta o ritmo e um trambolho que não serve para nada fazem em uma corrida, hein?

Engraçado é ler o que as pessoas acharam disso. Gente grande da Fórmula 1, como o piloto espanhol Fernando Alonso e o poderoso chefão ferrarista Stefano Domenicali, enalteceu as mudanças. Muitos fãs, no entanto, tiveram opiniões bem críticas quanto ao resultado final. E não bastando serem críticas, elas também foram basicamente contraditórias. Esse é o cuore do texto de hoje.

Após a corrida australiana, todos ficaram indignados com o tédio proporcionado pela total falta de ação. Ultrapassagens, cadê vocês? E a indignação, nesse caso, foi ainda maior porque a etapa de Melbourne sempre proporciona boa diversão noturna. Até aí, tudo bem, eu também fiquei puto da cara por ter jogado duas valiosíssimas horas de sono no lixo para ver um troço chato pacas. Duas semanas depois, a corrida malaia.

E na Malásia com ultrapassagens... tava tudo chato também!

A situação foi basicamente inversa à da corrida anterior. Como apresentei lá em cima, as ultrapassagens eram muitas, eram fáceis e tal. E não é que boa parte das pessoas não gostou? Se a corrida de Melbourne pecou pela falta de ação e de ultrapassagens, a de Sepang foi ruim por ter tido muita ação e muitas ultrapassagens, o que banalizaria o esporte! Pode?

Em tempos nos quais exigimos a perfeição de tudo o que nos ronda, estamos sempre prontos para criticar algo, nem que cheguemos ao ponto de reclamar que o branco é muito claro, o preto é muito escuro e o cinza é deveras intermediário. Se a corrida não teve ultrapassagens, foi obviamente péssima. Se ela teve muitas ultrapassagens, foi artificial e banalizada. Se ela teve algumas ultrapassagens, poderia ter tido um pouco mais. Ou um pouco menos, diriam alguns patológicos. Se o grid está cheio, é ruim porque permite a entrada de pilotos de baixa qualidade. Se está vazio, é ruim porque poucos pilotos bons encontram vagas. Se o piloto fala demais, é um idiota. Se o piloto não fala nada, é um autista. Se o piloto fala coisas normais, é um normalzinho previsível. O copo está sempre meio vazio, portanto.

Antes que você aponte o dedo no meu nariz dizendo que eu sou um dos maiores implicantes dessa blogosfera automobilística, reconheço que critico demais e que reclamo sobre coisas bem insignificantes. O que não dá pra admitir é crítica sem fundamento. E sem coerência. Se me meto a falar mal de algo, devo pesquisar a respeito e expor claramente as opiniões, independente do fato delas valerem algo ou não. Não tenho nada contra gente reclamona. Na verdade, dependendo da pessoa, até gosto, pois a reclamação pode ser uma bela arte retórica. O problema é sair por aí disparando besteiras por emotividade ou pelo simples prazer do destrutivismo gratuito. Destrutivismo, gostei da palavra.

Quer saber de uma coisa? Os fãs de automobilismo, no geral, não têm a menor ideia sobre o que querem e sobre o que não querem. A esmagadora maioria. Não acredita? Jogo uns exemplos.

Lá pelos idos de 2003 ou 2004, era socialmente aceitável dizer que as montadoras haviam tornado a Fórmula 1 um negócio extremamente caro e as equipes garageiras não tinham vez. “Ah, que saudade da Tyrrell, da Lotus e da Brabham, dos tempos em que um engenheiro cheio da boa vontade poderia abrir uma equipezinha com seus dez amigos sem ter de enfrentar balancetes trilionários”, diziam. A Minardi acabou se tornando o xodó dessa gente. Era pobrezinha, gastava anualmente os mesmos 30 milhões de dólares da Hispania, não incomodava ninguém, não tinha perspectiva nenhuma de crescimento e representava a luta de Davi contra Golias. Ah, os bons tempos das garageiras!

Jaguar, Toyota e Honda (BAR) - execradas em sua época, desejadas hoje em dia

Quase dez anos depois, o que temos aí? Das doze equipes da temporada, apenas três representam montadoras diretamente. Ou melhor, nem isso, já que a Renault é comandada por um grupo financeiro de sei lá o quê. Temos aí um monte de equipes independentes, algumas garageiras (Williams, Sauber) e outras até abaixo disso, como a chineleira Hispania. E aí? “Esse monte de equipezinha emporcalha o grid”. “Ah, como era bom o tempo em que só havia montadora”. Como é que é?

Outro bom exemplo é o das pistas. Em tempos não tão remotos, alguns circuitos eram tão rejeitados quanto órfão gago. O antigo Hockenheim era um deles: “um oval travestido de misto, não demanda talento, é só seguir acelerando nos intermináveis retões”. A versão mista de Indianápolis: “aquele trecho misto é pavoroso, e a curva oval é muito perigosa”. A versão remodelada de Imola: “depois do acidente do Senna, destruiram o circuito”.  Ou o circuito franco de Magny-Cours: “travadíssimo, não permite ultrapassagens e é muito estreito”.

Hoje em dia, não é necessário muito esforço pra encontrar em fóruns e locais onde qualquer um fala o que quer opiniões um tanto quanto distintas do parágrafo anterior. “Hockenheim faz muita falta, é um circuito muito bonito e muito veloz”. “Indianápolis era bem legal, os engenheiros tinham de escolher entre fazer um carro veloz no trecho oval ou um carro estável no trecho misto”.

As opiniões relacionadas a Magny-Cours e à última versão de Imola são as mais absurdas. “Magny-Cours era muito legal, o tempo sempre pregava uma peça”. “Gostaria muito de ver Imola de volta”. “Sinto falta da pista francesa, pois ela era seletiva e permitia haver boas corridas”. Não me conformo em ver gente elogiando estas duas últimas pistas. No tempo em que elas estiveram no calendário, todo mundo reclamava. O que explica? É um eurocentrismo medroso da expansão asiática?

Magny-Cours, que é relembrada com carinho por muitos. PORRA! Na minha época, era uma das pistas mais odiadas do calendário!

Em 2006, em uma coluna da revista F1 Racing, o ex-dirigente Max Mosley proferiu que as reclamações daqueles que pediam por mais ultrapassagens poderiam ser perigosas, pois tudo aquilo que é desejado pode ocorrer, e aí ficaria muito difícil voltar atrás. Na época, cobri Mosley de pensamentos negativos, cobras e lagartos. Hoje em dia, vejo que ele estava rigorosamente certo nesse sentido. Ninguém sabe bem o que deseja para o automobilismo. E exatamente por isso, uma mesma pessoa pode ter duas reações completamente distintas a uma única coisa.

E creio ser por isso que a Fórmula 1, de alguma forma, ignora os anseios dos espectadores. Por mais que pensemos o contrário, Bernie Ecclestone e companhia sabem mais das deficiências de seu esporte do que qualquer outro. Bernie tem consciência de que a Fórmula 1 é caríssima, que as corridas são chatas, que lidar com a burguesia asiática é uma merda, que a audiência vem caindo e que todo mundo está insatisfeito. Mas até quando ceder às voláteis opiniões externas fará com que o esporte melhore?  Se depender da maioria das opiniões que leio por aí, a tendência seria piorar muito.

Portanto, se você acha que está tudo errado, pondere um pouco. Se você quer palpitar sobre alguma coisa, estude um pouco sobre a história dessa coisa. Busque entender o porquê dessa coisa ser de tal maneira e não de outra. E não saia por aí mudando de lado e deixando a racionalidade de lado, porque você pode se encontrar como um pateta falando mal de algo que, teoricamente, corresponde ao que você defendia, e vice-versa. Que nem está acontecendo com esse negócio de “excesso de ultrapassagens”.

Quer dizer que critico demais? E que reclamo de coisas insignificantes? Pois reclamo mesmo. E eu reclamo mais ainda de gente que não sabe criticar. Mas não vou chegar lá na frente e reclamar dos que criticam bem. É a coerência, meu amigo.

RED BULL9 – Quem precisa de KERS quando se tem um RB7 insuperável? Nesse momento, a única coisa que falta à equipe rubrotaurina é um segundo piloto. Mark Webber não fez nada novamente e nem pódio conseguiu. Por outro lado, Sebastian Vettel fez tudo direitinho e ganhou a corrida sem adversários. Nesse momento, as equipes adversárias vão precisar trabalhar muito pra conseguir uma aproximação.

MCLAREN8 – Em uma corrida atípica, é mais negócio confiar em Jenson Button do que em Lewis Hamilton. O campeão de 2009 salvou as honras de Woking ao finalizar em segundo após fazer uma corrida discreta e absolutamente eficiente. Hamilton, ao contrário, se meteu em brigas, teve problemas com os pneus e até punição de 20 segundos levou. Ainda assim, a equipe não tem motivos para reclamar. Só a infalível Red Bull está à sua frente.

RENAULT8,5 – Tirando a questão da briga com a Lotus do Fernandes, tudo corre bem lá pelos lados da equipe da Genii Capital. O carro é realmente bom e os pilotos conseguiram aparecer bem em Sepang, o que traz um pouco de conforto a quem apostava tudo em Robert Kubica. Nick Heidfeld reverteu o revés australiano e fez uma prova inspiradíssima, que o premiou com um pódio. Vitaly Petrov também vinha bem, mas saiu da pista no final, voou e aterrissou no fracasso. O sistema de largada da equipe é sensacional.

FERRARI6,5 – Ao contrário do que vinha acontecendo nos últimos tempos, Felipe Massa foi o maior motivo de orgulho dos italianos. O brasileiro fez uma corrida aguerrida e terminou em um bom quinto lugar. De ruim, apenas o trabalho dos mecânicos na sua primeira parada. Já Fernando Alonso teve um fim de semana daqueles e ficou apenas com o sexto lugar. O carro estava mais para Renault do que para McLaren ou Red Bull e os mecânicos já não são tão eficientes como outrora. Pelo visto, outro ano difícil vem por aí.

SAUBER7,5 – É a Renault do meio do grid: carro ajeitadinho, dupla eficiente, ótima aceitação por parte dos fãs. O sempre combativo Kamui Kobayashi se envolveu em boas brigas e cruzou a linha de chegada em um oitavo que se transformou em sétimo após a punição de Hamilton. Sergio Perez, por outro lado, não foi tão bem e abandonou tão cedo. Ainda assim, é uma das duplas mais empolgantes do grid. E o carro vem se mostrando o maior amigo dos pneus entre todos do grid.

MERCEDES3,5 – Definitivamente, não está em boa fase. Embora não tenha passado vergonha nos treinos, o desempenho na corrida foi bem pior do que o esperado. Nico Rosberg largou mal e ficou preso lá no meio da turma. Michael Schumacher só aparecia na transmissão sendo ultrapassado por Kamui Kobayashi. Ainda assim, o velho heptacampeão marcou dois pontos. Muito pouco para uma equipe que se supõe grande.

FORCE INDIA6 – Vem tendo mais alegrias com o novato Paul di Resta do que com o experiente Adrian Sutil. Em Sepang, o escocês andou melhor no treino oficial e sempre esteve muito à frente do alemão na corrida, desempenho este que resultou em mais um ponto nas tabelas. Sutil bateu na largada e prejudicou sua corrida a partir daí, mas se aproveitou do relativo baixo consumo de pneus do seu carro para fazer uma parada a menos. A equipe precisa melhorar um pouco nos treinos.

TORO ROSSO3 – A velha Toro Rosso de sempre. Embora o carro tenha andado muito bem na pré-temporada, ele simplesmente não disse a que veio até aqui. Sébastien Buemi andou melhor que Jaime Alguersuari, mas nenhum dos dois fez pontos. E como solta peças esse carro! Um pedaço do carro do Buemi caído no meio da pista chegou a interromper o Q2 do treino oficial.

LOTUS3,5 – Outra equipe que parece não sair da mesmice. Assim como em 2010, Heikki Kovalainen liderou a tropa verde em sua corrida caseira. O finlandês terminou, ao contrário de Jarno Trulli, vítima de mais um dos inúmeros problemas do T128. Falta confiabilidade. E também um pouco mais de velocidade.

VIRGIN2,5 – No treino oficial, seu piloto mais rápido foi apenas um segundo mais rápido do que a circense Hispania, o que não é um bom sinal para uma equipe que fez toda a pré-temporada. Na corrida, Jerôme d’Ambrosio abandonou com problemas eletrônicos. Apenas Timo Glock chegou ao final.

HISPANIA 3 – Todos ficaram surpresos com o fato da equipe espanhola ter se qualificado com os dois carros – e com tanta facilidade. Infelizmente, problemas estruturais fizeram com que os dois pilotos se retirassem voluntariamente da prova. Vitantonio Liuzzi parou o carro temendo uma quebra na asa traseira. E Narain Karthikeyan estacionou após perceber um anormal aumento de temperatura da água do radiador. O indiano, aliás, padeceu com os problemas do carro desde a sexta, quando o motor Cosworth fumou duas vezes nas duas sessões livres.

WILLIAMS0 – Não me lembro de um fim de semana tão ruim para a tradicional equipe de Frank Williams. Os dois pilotos apanharam da falta de velocidade e confiabilidade do FW33 desde os treinos de sexta e foram os últimos colocados entre as equipes estabelecidas no treino oficial de sábado. Na corrida, nenhum dos dois pilotos andou muito. Rubens Barrichello, com problemas hidráulicos. Pastor Maldonado, com o motor quebrado. Trágico, trágico.

TRANSMISSÃOPUTA BARBEIRAGEM, HEIN? – Por mais que os palavrões já não sejam mais um tabu na televisão aberta, é sempre engraçado ouvir um em uma transmissão ao vivo, ainda mais quando a referida transmissão é feita pela organizada e profissionalizada Rede Globo. Durante a briga entre Lewis Hamilton e Fernando Alonso, o convidado Bruno Senna soltou o comentário mais espontâneo que eu já vi em uma transmissão esportiva da emissora: “puta barbeiragem isso aí!”. Até mesmo o sempre irreverente Galvão Bueno deu risada. Mesmo sempre sendo crítico com relação ao piloto Bruno, o sujeito parece ser muito mais aberto e divertido que seu tio jamais foi. No mais, a transmissão foi apenas média. As câmeras perderam alguns momentos decisivos de maneira meio infantil. E a turma global cometeu alguns erros, mas não me lembro de nenhum muito expressivo. Aliás, a pronúncia dos nomes dos novatos está bem feia. Qual é a dificuldade em falar “Diwresta”, “Sêrrio Pêres” e “Dambrrôsiô”? “Dirrésta”, “Sérjo Péris” e “Dambrósio” não dá.

CORRIDASEPANG, EU TE AMO – Muita gente acha que Sepang é uma pista chata e tipicamente tilkeana. Calúnia! A corrida malaia não precisou da chuva, dos acidentes e do imponderável para ser divertida. As ultrapassagens aconteceram a rodo, muito mais pelo desgaste dos pneus do que pela dispensável asa móvel. E o KERS é ainda mais dispensável.  Quem se interessa apenas pelo vencedor deve ter bocejado com o domínio de Sebastian Vettel. Da segunda posição para trás, no entanto, o pau comeu solto. E os nomes que sempre costumam alegrar as corridas (Hamilton, Alonso, Petrov, Kobayashi) chamaram bastante a atenção. Para mim, que sou fã de Nick Heidfeld, só faltou a vitória.

« Página anteriorPróxima Página »