Robin Frijns, o mais novo campeão da World Series by Renault e um dos grandes prospectos do automobilismo para o futuro. Mas o que será de 2013 para ele?

Oi, patota. Lembram-se deste blog? Pois é, ele ficou em coma durante um bom tempo, respirando por aparelhos e provavelmente continuará assim até o fim de novembro. Mas quando houver uma fresta de tempo disponível, lá estarei eu à frente de um PC construído em Guangdong escrevendo bobagens. Fecha parênteses.

Ontem, acabou a temporada da World Series by Renault, aquela que quase ninguém presta atenção. Três brigavam pelo título: dois medalhões da GP2, Jules Bianchi e Sam Bird, e um baita de um piloto holandês que ainda fará a terra dos moinhos muito feliz na Fórmula 1, Robin Frijns.

Rodada dupla em Barcelona, pista ruim de doer para ultrapassagens. Na segunda e última corrida, Bianchi e Frijns, nesta ordem, disputavam diretamente uma posição qualquer. O holandês tentou uma ultrapassagem na Repsol (curva com nome de empresa só pode ser coisa do demônio) num momento em que pouco espaço havia. Bianchi fechou a porta. Os dois carros se aproximaram e deram um beijo apaixonado. Jules levou a pior, saiu da pista e terminou esbarrando na barreira de pneus. Fim de prova. Fim de campeonato. Frijns seguiu em frente e cruzou a linha de chegada em sétimo, garantindo o título. Horas depois, pelo desastre com Bianchi, foi punido com o acréscimo de 25 segundos no tempo final, mas ainda ficou com o troféu do campeonato. Fim de prova. Fim de campeonato. Robin Frijns wins.

Depois do título, o roteiro de sempre. Equipes de Fórmula 1, Indy e GP2 abarrotando sua caixa de e-mails com convites ingênuos para um cafezinho. Jornalistas implorando por entrevistas. Pais de família oferecendo a mão da filha para casamento. Bajuladores brotando às dezenas, incluindo aqueles amigos-da-onça que nem mandavam um “feliz aniversário” antes do sucesso. Até mesmo uma ou outra empresa propondo algum tipo de acordo leonino de patrocínio. OK, nem sempre as coisas acontecem desta forma para um campeão da World Series by Renault – Mikhail Aleshin está aí para nos provar. Mas é bem provável que tudo isso ocorra com Frijns, um cara que parece ter a grana e o talento no lugar.

Hoje cedo, a Red Bull Racing anunciou que o piloto holandês participará da semana de testes de pilotos novatos que a Fórmula 1 sempre realiza em Abu Dhabi. Ele e o lusitano António Félix da Costa, outro tremendo bota, dividirão o lustroso RB8 entre os dias 6 e 8 de novembro. Frijns não é apoiado pela Red Bull, talvez nunca sequer tenha experimentado o energético, mas ganhou o direito de pilotar o carro de Fórmula 1 da marca por ter vencido o título da World Series by Renault. Ele também já tinha conseguido agendar um teste com a Sauber para esta mesma semana. Numa dessas, quem sabe ele não arranja um emprego bacana em algum lugar?

Quem sabe? Mas isso provavelmente não ocorrerá.

Há um mês, a GP2 Series realizou sua derradeira rodada dupla desta temporada no circuito cingapurenho de Marina Bay. Os veteranos Davide Valsecchi e Luiz Razia disputaram o título palmo a palmo. Ganhou o italiano, que já contabilizava cinco mil anos na categoria. Pouca gente deu bola. As equipes de Fórmula 1 podem até ter se aproximado do italiano, mas muito mais por causa da bolada que ele carrega na carteira do que pelo talento pulsante que ele provavelmente não tem. A verdade é que Valsecchi só aparecerá no GP da Austrália do ano que vem se for pra pagar a conta do bar para uma HRT da vida.

A mais provável solução para Frijns: seguir os passos de Valtteri Bottas, atual terceiro piloto da Williams

Olhe para as doze equipes da Fórmula 1. Quais tem bala na agulha para contratar quem quiser? Resposta difícil. A Ferrari sempre teve e sempre terá. Red Bull e Toro Rosso não estão nem um pouco preocupadas com isso. Pelo que foi oferecido a Lewis Hamilton, os caras da Mercedes também não devem estar com maiores problemas financeiros. A McLaren é a que parece ter um futuro mais incerto, mas nada que assuste ninguém neste instante. A bonança acaba aí. As demais, incluindo a sempre elogiada Lotus, não têm segurança financeira alguma. Algumas não sabem nem se sobreviverão à próxima primavera.

As quatro grandes já têm seus pilotos definidos. A Lotus, que também tem seus traços de grandeza, deverá continuar com Kimi Räikkönen e Romain Grosjean. Dali para baixo, somente os heroicos Timo Glock e Pedro de la Rosa têm contratos garantidos. Mesmo correndo de charrete, ambos continuarão recebendo salários e não precisarão passar o Natal implorando por emprego. E quanto ao resto, dureza. Neste momento, alguns parcos pedaços de carne de segunda estão sendo disputados por dezenas de cachorros.

Aí você olha para um cara como Robin Frijns. O holandês não precisa provar seu talento a mais ninguém: mesmo tendo apenas 21 anos de idade, já ganhou títulos na Fórmula BMW, na Fórmula Renault e agora na World Series by Renault. Para ele, não há muito mais o que fazer fora da Fórmula 1. A GP2 seria uma solução arriscada, que poderia colocar toda sua carreira em xeque com apenas uma temporada ruim. Não tem jeito. Como disse Ben Evans, comentarista da ESPN, “qualquer coisa que não seja uma vaga na Fórmula 1 no ano que vem seria considerada um ultraje”.

A frase é certamente bonita, mas como botar um cara como Robin Frijns numa Fórmula 1 onde pessoas como Nico Hülkenberg, Paul di Resta, Kamui Kobayashi, Bruno Senna, Heikki Kovalainen e Charles Pic conversam aqui e acolá em busca de um emprego? O que fazer quando nomes como Jérôme D’Ambrosio, Jaime Alguersuari, Sébastien Buemi e Adrian Sutil assediam as equipes médias e metem medo nos pilotos que estão em atividade nesta temporada? E o que dizer daqueles brações endinheirados que seduzem os departamentos financeiros de equipes médias e pequenas, como Davide Valsecchi, Max Chilton, Dani Clos, Giedo van der Garde e até o tal do Ma Qing Hua?

O decadente automobilismo europeu chegou a um ponto em que há pilotos em excesso, empregos em falta e as vagas que estão disponíveis também não conseguem encontrar candidatos ricos e competentes o suficiente. Veja, por exemplo, a enorme dificuldade que a GP2 e a GP3 tiveram para preencher seus grids nesta temporada. As equipes menores das duas categorias tiveram de recorrer a assombrações como Giancarlo Serenelli, Ricardo Teixeira, John Wartique e Jakub Klasterka para não morrer à míngua.

Em tempos remotos, Frijns já teria assinado um contrato para ser piloto de testes de alguma equipe grande da Fórmula 1. Não é a solução ideal, mas ainda é muito melhor fazer 10 mil quilômetros em testes solitários em vários circuitos europeus do que passar a maior parte do tempo fingindo estar pilotando em simuladores e esperar um ano inteiro apenas para fazer uns dois ou três dias de testes naquela coisa ridícula que é Yas Marina. Porém, a Fórmula 1 estupidamente acabou com os testes privados e virtualmente acabou com a utilidade do piloto de testes. Na melhor das hipóteses, ele só poderia matar o gostinho de pilotar um Fórmula 1 naquela mirrada horinha e meia da sexta-feira anterior aos GPs. Uma esmola.

Frijns e caterva poderão ficar sem lugar na Fórmula 1 graças a fantasmas como o chinês Ma Qing Hua

Com isso, Robin Frijns entra em uma espécie de limbo na carreira. Dificilmente conseguirá uma vaga de titular na Fórmula 1 e terá de optar entre uma temporada na ingrata GP2 ou um emprego de aspone em uma equipe como a Sauber. Qualquer outra escolha representaria um grande retrocesso para sua meteórica carreira. E ele obviamente não pode ficar parado. As vozes da sensatez dirão para ele seguir os passos de Valtteri Bottas: passar ao menos um ano andando pelo paddock com o fone de ouvido de uma equipe média e rezar para que abra uma vaga de titular em 2014.

A coisa fica até pior para o pessoal que está saindo da GP2. O campeão Valsecchi e o vice Razia não têm qualquer indicação de que arranjarão algo bom na Fórmula 1 em 2013. Quiçá, nem sequer uma vaga de terceiro piloto. E não poderão ficar mais uma temporada na categoria de base. No automobilismo de monopostos europeu, é Fórmula 1 ou casa. O negócio, neste momento, é sentar e rezar. Ou olhar para outros horizontes. Nessa altura, a Indy, a DTM e até mesmo a ALMS se tornam coisas bonitas.

A GP2 está apreensiva com isso. Se Valsecchi e Razia não conseguirem nada, a categoria sofrerá um grande golpe em sua já combalida credibilidade. Afinal, como é que ela se dá ao luxo de cobrar até 2,5 milhões de euros por uma vaga se não consegue sequer colocar seu campeão num carro de Fórmula 1 no ano seguinte? Mas não tem jeito. Se não há muitas vagas e se há gente disponível com muito mais talento do que Davide e Luiz (e certamente há), o que resta é torcer para que as coisas melhores no ano que vem tanto para a Fórmula 1 como para a própria GP2, que teve uma temporada abaixo da crítica em 2012.

Enquanto isso, a própria Fórmula 1 rói as unhas quando vê gente como Max Chilton e Ma Qing Hua ameaçando se juntar a Vettel, Alonso e companhia. O piloto inglês foi um dos destaques desta temporada da GP2, mas todo mundo sabe que ele não é de nada e só andou bem neste ano por correr por uma equipe cuja grande fonte de renda é o bolso do papai. No ano que vem, Max provavelmente subirá para a Fórmula 1 com a equipe Marussia, que já teria vendido um bom punhado de suas ações para a família Chilton. O patriarca Graheme Chilton é um dos diretores da AON, uma das maiores seguradoras do planeta e patrocinadora do Manchester United.

Quanto ao chinês, ele andou pilotando o carro da HRT em treinos livres de alguns GPs desta temporada. Aos 24 anos, Ma Qing Hua tem como grande conquista na carreira o relevantíssimo título no campeonato chinês de carros de turismo de 2011. Antes disso, ele fez corridas na Superleague Formula, na Fórmula 3 espanhola, na Fórmula 3000 italiana, na Fórmula 3 britânica e na Fórmula Renault norte-europeia. Sabe o que Qing Hua conseguiu em todas estas categorias? Dois pódios. Mas e daí? Ele é tão chinês como o atacante do Corinthians ou o celular da Motorola. E o mercado chinês dispensa maiores apresentações.

O caso é que rico ou não, chinês ou panamenho, campeão da GP2 ou do campeonato marciano de carros de turismo, tá todo mundo entalado no gargalo do automobilismo europeu. Para Robin Frijns, por enquanto, ser o campeão da World Series by Renault significa apenas receber ligações de pais desesperados querendo arranjar um bom marido pra filha.

No próximo fim de semana, a World Series by Renault fará sua rodada de estreia nesta temporada de 2012. Já não era sem tempo. Não que eu estivesse esperando sentado pelo seu início, para ser honesto. Não sou como Bruno Giacomelli, do World of Motorsport, que deixa de sair com os amigos para torcer pelo Daniil Move em lugares inviáveis como Motorland Aragón. Acho a World Series by Renault uma categoria superestimada que pena para conseguir realizar corridas interessantes. Neste ano, ela precisou implantar a malfadada asa móvel da Fórmula 1 para ver se as coisas melhoravam. É a única categoria de base no planeta que apostou nesta polêmica solução.

Vinte e seis pilotos largarão nas duas corridas a serem realizadas em Motorland, uma pista sem graça que inauguraram há não muito tempo lá na região espanhola de Aragón. Devo reconhecer que o grid está melhor do que nunca. As equipes exigem orçamentos que raramente ultrapassam o milhão de euros, menos da metade do que o que algumas estruturas de ponta da GP2 estão pedindo. Com isso, muita gente boa preferiu desembarcar na World Series by Renault neste ano.

Outra coisa que propulsionou o interesse súbito na categoria foi a presença maciça da Red Bull. Ela deixou a GP2 de lado no fim de 2008 e preferiu levar todos os seus novos talentos para passar algum tempo aprendendo na World Series sem os holofotes cruéis da Fórmula 1. Jaime Alguersuari, Daniel Ricciardo e Jean-Eric Vergne acabaram criando a impressão de que, sim, dava para fazer uma boa carreira por lá antes de ir direto para a Fórmula 1. Com isso, a GP2 perdeu uma parte de sua aura de estágio obrigatório para um jovem piloto.

Entre os vinte e seis, há de tudo. Desistentes da GP2, como Jules Bianchi e Sam Bird. Pilotos brasileiros que veem na World Series a solução para todos os problemas, como Lucas Foresti e André Negrão. Veteraníssimos, como Daniil Move e Anton Nebylitsky. Picaretas, como Carlos Huertas e Jake Rosenzweig. Até mesmo um antigo campeão da categoria está de volta, Mikhail Aleshin. E, claro, há muitos novatos que poderão aparecer na Fórmula 1 um dia. Conheça aqui os estreantes mais talentosos:

5- NICO MÜLLER

Tico mia na sala, Tico mia no chão. Toda vez que vejo o nome deste cidadão suíço de apenas 20 anos de idade penso neste clássico da música brasileira. Questão de pronúncia. Não importa. Nico Müller é um destes pilotos de carreira discreta porém bastante eficiente. É o sujeito que você raramente irá ouvir falar em sua vida, talvez nem chegue à Fórmula 1, mas estará sempre entre os primeiros colocados.

Müller meio que apareceu ao mundo automobilístico em 2010, quando foi um dos trinta pilotos que iniciaram a primeira temporada da história da GP3. Competiu contra nomes como Stefano Coletti, Mirko Bortolotti, Roberto Mehri, Alexander Rossi, Josef Newgarden e Rio Haryanto. Bateu todos. Terminou o ano numa surpreendente terceira posição, atrás apenas dos imbatíveis Esteban Gutiérrez e Robert Wickens. Foi o grande responsável pelo terceiro lugar de sua equipe, a Jenzer.

No ano passado, Müller permaneceu na GP3 visando ganhar o título. Permaneceu na Jenzer e foi um dos grandes destaques da pré-temporada. Mas os resultados não vieram como se esperava. Nico venceu uma corrida em Silverstone e só, finalizando o ano em quarto lugar, posição ainda longe de ser ruim. Nesta pré-temporada, ele fez testes na GP2 e planejava ir para lá. No entanto, um convite para correr na tradicional Draco Racing o fez voltar suas atenções para a World Series by Renault. Nesta enorme leva de pilotos suíços que surgiu nos últimos anos, “Tico mia” é um dos mais promissores. Só precisa arranjar mais dinheiro ou costas quentes para realizar o sonho da Fórmula 1.

4- MARCO SORENSEN

A primeira coisa que deve ser dita sobre este cara é a impossibilidade de escrever seu nome corretamente. O sobrenome Sørensen exige uma porcaria de letra “o” com um traço passando por cima que eu não tenho em meu teclado, não sei digitar, não quero saber e tenho profunda raiva de quem sabe. Fiquemos com Sorensen, pois. Este dinamarquês de apenas 21 anos é uma das poucas esperanças de seu país, que nunca produziu nada melhor que Jan Magnussen.

Marco Sorensen foi um dos pilotos do Renault Driver Development em 2009, embora nunca tenha sequer encostado a mão no volante de um carro de Fórmula 1. Sua carreira é recente, mas já tem resultados bem interessantes. Estreou em 2007 no campeonato dinamarquês de Fórmula Ford e não teve dificuldades para ganhar quatro corridas, marcar sete poles e quebrar o recorde de pista de absolutamente todos os circuitos da Dinamarca. No ano seguinte, subiu para a Fórmula Ford britânica e terminou a temporada em oitavo, tendo vencido uma corrida. Fez também algumas corridas de Fórmula Masters e ganhou quatro delas. Meteórico.

Seu resultado mais impressionante foi obtido no ano passado, quando Sorensen sagrou-se vice-campeão da Fórmula 3 alemã, obtendo duas vitórias e nada menos que quinze pódios. Sempre foi do tipo que preferiu investir esforços em categorias menos badaladas, talvez por falta de dinheiro ou por pura opção de carreira. Passou longe dos campeonatos mais conhecidos de Fórmula 3 e também não quis saber de GP3, Fórmula 2 ou cacarecos do tipo. Neste ano, estreia na World Series by Renault pela Lotus e tem como companheiro de equipe o cara que o derrotou na Fórmula 3 alemã, Richie Stanaway. Pedreira daquelas para o nórdico.

3- KEVIN MAGNUSSEN

Mas Marco Sorensen não é o único piloto dinamarquês que aparecerá na World Series neste ano. Há um moleque, de sobrenome bastante conhecido, que poderá ser o principal nome de seu país no automobilismo mundial em breve. Kevin Magnussen, de apenas 19 anos, é o filho do ex-piloto de Fórmula 1 Jan Magnussen. Nasceu num acidente sexual do pai, que engravidou a namorada quando tinha os mesmos 19 anos de idade e sem sequer haver chegado à Fórmula 3. Mas Jan, fã de cigarros e fast-food, garante que o filho é bem mais centrado. Neste caso, não faz mais do que a obrigação.

Magnussen filho foi o principal adversário de Felipe Nasr na Fórmula 3 britânica no ano passado. Chamou muito a atenção de todos pela pilotagem até mais agressiva do que a do brasileiro, pela rápida adaptação à categoria e pelas sete vitórias obtidas em trinta corridas. Deve ter algo a ver com a genética: o pai conseguiu a proeza de vencer 14 das 18 corridas disputadas na temporada de 1994.

Antes disso, Kevin já havia dado o ar da graça em outras categorias. Foi terceiro colocado na Fórmula 3 alemã em 2010 e ainda ganhou de brinde uma corrida da Fórmula 3 Euroseries em Valência. Antes disso, ele havia sido vice-campeão da Fórmula Renault NEC em 2009 e campeão da Fórmula Ford dinamarquesa em 2008, tendo vencido 11 das 15 corridas. É, realmente, um legítimo Magnussen em categorias de base. Só esperamos que ele não seja um Magnussen na Fórmula 1.

Neste ano, Kevin Magnussen debutará pela poderosa Carlin Motorsport, que fez o campeão e o vice da World Series em 2011. Primeiro piloto da equipe, ele entra na categoria com a tremenda responsabilidade de ter de mostrar resultados logo de cara. Para aumentar ainda mais a pressão, Kevin foi integrado ao McLaren Driver Development e fará um teste com o carro de Fórmula 1 da equipe prateada no final do ano. Que o garoto não perca a cabeça como o pai. Lembre-se: use camisinha.

2- ROBIN FRIJNS

O que dizer de um cara que tem dois títulos importantes em apenas três anos de carreira? Alguém vai se atrever a criticar? A única ressalva que poderia ser feita é o fato de nenhum dos títulos ter sido obtido em uma categoria maior que a Fórmula 3. Mas, caramba, existem campeonatos muito competitivos lá no chão de fábrica. E o holandês Robin Frijns tão somente se sagrou campeão nos dois maiores e mais concorridos.

Frijns, 20 anos, passou quase dez anos no kartismo europeu e coletou uma série de bons resultados. Sua estreia no automobilismo ocorreu em 2009 lá na extinta Fórmula BMW europeia. No meio de nomes como Felipe Nasr, Daniel Juncadella, Jack Harvey e Will Buller, o holandês conseguiu vencer uma corrida em Silverstone diante de todo o paddock da Fórmula 1 e da GP2. Terminou a temporada de estreia em terceiro e deixou excelente impressão.

No ano seguinte, Frijns permaneceu na Fórmula BMW e ganhou o título num extremo lapso de sorte, quando o então líder do campeonato Jack Harvey foi tirado da última corrida do ano por um adversário. Mas não dá para dizer que um sujeito que ganha seis corridas e marca 143 pontos a mais que o terceiro colocado teve lá muitas dificuldades.

Em 2011, Robin Frijns estreou na Fórmula Renault europeia, a competição de monopostos mais concorrida do mundo. Não é exagero: o holandês teve de enfrentar quase 40 concorrentes jovens e ansiosos como ele, sendo alguns deles garotos diretamente apoiados por equipes de Fórmula 1. Mesmo assim, não se intimidou, venceu cinco corridas e levou o título para casa com 45 pontos de vantagem sobre Carlos Sainz Jr., filho do famoso piloto de rali e pupilo da Red Bull.

Em 2012, Robin seguirá a tendência dos campeões mais recentes da Fórmula Renault europeia. Assim como fizeram Albert Costa e Kevin Korjus, ele decidiu deixar de lado este negócio de correr em Fórmula 3 ou GP3 e se bandeou diretamente para a World Series by Renault. Assinou com a competente Fortec e surge, desde já, como um dos azarões na briga pelo título. Embora necessite de um pouco mais de experiência, não seria absurdo vê-lo andando nas cabeças desde já.

1- RICHIE STANAWAY

Se eu fosse tão rico quanto nunca fui e tão abilolado como sempre quis deixar de ser, apostaria metade da minha fortuna em Richie Stanaway. O neozelandês que completou duas décadas de vida em novembro do ano passado é talvez o piloto de melhor currículo atualmente em atividade no automobilismo de base. Podemos até falar dos títulos de Robin Frijns, mas os números de Stanaway, que também tem nome de campeão, são impressionantes. O que falar de um cara que acumula nada menos que 51 vitórias em apenas cinco temporadas de automobilismo?

Richie Stanaway é talvez o melhor produto de uma Nova Zelândia que anda produzindo talentos a granel. O chato da história é que gente como Chris van der Drift, Brendon Hartley e Earl Bamber não puderam fazer suas carreiras internacionais avançarem muito, mesmo que nenhum deles tenha problemas com falta de talento. Atualmente, além de Stanaway, fala-se muito dos moleques Mitch Evans e Nick Cassidy, que ainda precisam mostrar na Europa o que foram capazes de fazer na Oceania. Diante deles, Richie é a mais segura das apostas.

Em cinco temporadas, ele somou três títulos. Nos dois primeiros anos, disputou as categorias de base na Oceania e reinou, ganhando o título neozelandês de Fórmula Ford na temporada 2008/2009. Na Fórmula Ford australiana, conseguiu vencer sua corrida de estreia. Na Toyota Racing Series, a categoria de monopostos mais importante da Oceania, Richie ganhou as duas provas que disputou. Certamente, era um piloto para disputar corridas lá na Europa.

Em 2009, ele fez um teste na Fórmula Master alemã e surpreendeu a todos. Stanaway não tinha dinheiro, mas conseguiu o apoio de investidores neozelandeses e pôde levar adiante sua carreira na Europa. Fez a temporada completa da Fórmula Master alemã em 2010, ganhou doze corridas e levou seu segundo título para casa.

No ano passado, Stanaway foi ainda melhor. Estreando na Fórmula 3 alemã, ele ganhou 13 das 18 corridas e ganhou o campeonato com extrema folga. De quebra, ainda foi convidado para substituir Pedro Nunes na equipe ART da GP3 Series. Logo em seu primeiro fim de semana, mesmo pilotando um carro novo em um circuito desconhecido, ganhou a segunda corrida de Spa-Francorchamps. O que dizer de um cara desses?

Stanaway estreia na World Series by Renault pela poderosa Lotus, que assumiu a estrutura da Charouz Racing System no fim do ano passado. É, desde já, um dos grandes favoritos ao título. Apoiado pela Gravity, dona da equipe Lotus na Fórmula 1, tem grandes chances de ser convidado para testar um carro da categoria no fim do ano. Não costumo fazer este tipo de previsão e as que eu faço sempre dão errado, mas dane-se: Richie Stanaway chegará logo à Fórmula 1 e será um dos melhores.