Gregor Foitek passeando por Hungaroring: problemas até mesmo com Ayrton Senna

Gregor Foitek passeando por Hungaroring: problemas até mesmo com Ayrton Senna

Quase um ano e meio após a primeira parte desse especial que certamente merecia um espaço no Guinness Book pela absoluta falta de celeridade, parece que dezembro de 2014 será o tão esperado mês do fim desse trambolho aqui. Pelas minhas contas, cuja margem de erro pode ser igual àquela das eleições presidenciais, é possível que em dois ou três capítulos seja possível finalizar definitivamente a história da Onyx Grand Prix, a melhor equipe de automobilismo de todos os tempos.

Sim, amigos, o fim dessa epopeia não será como o último episódio de Caverna do Dragão. Haverá um ponto final que satisfará a todos. Ou não, mas que se dane.

A 23ª parte dessa série foi escrita em agosto, quando Papai Noel ainda não havia terminado de montar todos os presentes. Falei do Grande Prêmio da Alemanha de 1990, nona etapa da temporada, corrida em que os dois carros da Monteverdi (lembrem-se, não existe mais o nome “Onyx” nessa história) milagrosamente conseguiram largar e infelizmente não conseguiram cruzar a linha de chegada. Os jovens Gregor Foitek e JJ Lehto já estavam por aqui de tantos problemas, tantas frustrações, tantas dores de cabeça. A ótima temporada de 1989 já havia ficado para trás fazia muito.

A etapa seguinte seria o Grande Prêmio da Hungria, a ser realizado em 12 de agosto de 1990, auge do verão europeu.

Lá nas primeiras posições, a briga estava legal às pampas. Ayrton Senna e Alain Prost protagonizavam uma luta praticamente fratricida em que um apenas queria ver o outro morto e devidamente enterrado. A McLaren ainda era a equipe mais forte do mundial, mas somente graças ao imbatível motor Honda: a Ferrari já tinha um chassi melhor e o tão sonhado câmbio semiautomático. As demais equipes de ponta, Williams e Benetton, haviam conseguido se aproximar da ponta em 1990 e às vezes davam algum trabalho para os dois postulantes ao título. Porém, o que nos interessa aqui é o fim do pelotão.

A Monteverdi desembarcou em Hungaroring sem grandes expectativas. A recente transferência da sede da equipe do sul da Inglaterra para a Suíça havia sido um desastre do ponto de vista técnico, pois os bons engenheiros e mecânicos britânicos não quiseram sair da terra da Rainha e resolveram pedir as contas. O dinheiro estava curtíssimo e as perspectivas futuras eram basicamente as piores possíveis. Caso uma revolução das marmotas não acontecesse na escuderia azulada, o sonho acabaria antes mesmo do fim da temporada.

O belo, mas ao mesmo tempo horrendo, carro da Monteverdi Grand Prix

O belo, mas ao mesmo tempo horrendo, carro da Monteverdi Grand Prix

A situação da esquadra de Peter Monteverdi não era muito diferente daquela que, por exemplo, a Caterham enfrentou nesse final de 2014. A turma foi à Hungria com um único motorhome, dois carros de competição, nenhum bólido de reserva, o mesmíssimo acerto utilizado na corrida de 1989 e poucas peças sobressalentes. Caso Gregor Foitek fizesse uma das suas e se arrebentasse em uma barreira de pneus, não haveria como reparar seu carro e ele ficaria de fora do GP de qualquer jeito.

Então comecemos falando da sexta-feira. Coisas (ruins) aconteceram aos montes.

Gregor Foitek teve um dia movimentadíssimo e, pela segunda vez no ano, arranjou problemas com ninguém menos que Ayrton Senna. No treino livre realizado pela manhã, o suíço sofreu uma rodada sem grandes consequências após passar por cima do óleo deixado pela Ferrari de Nigel Mansell. Sem grandes objetivos, só conseguiu o 26º melhor tempo entre trinta carros. A volta em 1m23s810 não era de todo ruim, mas o fato de um AGS ter conseguido ser mais rápido provava que a concorrência não facilitaria o trabalho da Monteverdi.

Após essa sessão, a equipe descobriu que a relação de marchas do carro de Foitek estava toda errada e precisava ser ajustada urgentemente. Porém, essa tarefa costumava tomar umas três horas e os mecânicos não tinham todo esse tempo livre. Então, sabendo que isso não faria muita diferença no fim das contas, o pessoal optou por deixar as coisas do jeito que estavam. Gregor Foitek que se vire para conseguir algum milagre.

No treino classificatório do período da tarde, o grande feito de Foitek foi aborrecer Ayrton Senna novamente. Em Mônaco, o helvético havia trancado o caminho de Senna quando este estava em volta rápida. Dessa vez, o incidente não foi captado em vídeo.

Gregor estava passeando pela pista com os pneus bem desgastados, sem condições de fazer uma volta rápida ou qualquer coisa do tipo. Restava apenas voltar aos boxes para colocar um jogo novo de pneus, se é que a Monteverdi ainda tinha algum disponível. De repente, surge em sua traseira a ameaçadora figura de Ayrton Senna, que vinha em uma daquelas suas voltas diabólicas típicas. Nessa situação, tudo o que o humilde Foitek deveria fazer era sair da frente e deixar o mestre passar, certo?

JJ Lehto também não teve um fim de semana fácil.  Os mecânicos não ajudaram

JJ Lehto também não teve um fim de semana fácil. Os mecânicos não ajudaram

Errado. Ele permaneceu no meio do caminho, pisou no acelerador e segurou Senna por alguns irritantes segundos. Ayrton conseguiu ultrapassá-lo na marra, mas chegou a fritar o pneu dianteiro direito para evitar um acidente e perdeu ali a chance de fazer algo melhor que o desastroso oitavo tempo daquela sessão. Após o fim dos treinamentos, o campeão de 1988 não perdeu a oportunidade para falar um monte sobre Gregor Foitek. “Eu não faço a menor ideia do que ele estava fazendo ali naquele horário”, descascou Senna.

Só para lembrar, essa foi a terceira vez que Ayrton Senna teve problemas com um carro da Onyx/Monteverdi. Um ano antes, no GP húngaro de 1989, ele se assustou com a presença do bólido lento de Stefan Johansson em seu caminho, tirou o pé e acabou sofrendo uma ultrapassagem fenomenal de Nigel Mansell. Em 1990, Gregor Foitek foi o seu algoz nos treinamentos dos GPs de Mônaco e da Hungria. Garanto que ninguém tinha mais medo da Onyx do que o falecido tricampeão mundial.

Para quem ficou revoltado com o comportamento amador de Gregor Foitek em relação a Ayrton Senna, posso dizer que ele pagou seus pecados ainda na sexta-feira. Com um carro completamente desajustado, o suíço só conseguiu uma volta em 1m24s361, suficiente apenas para a 29ª e penúltima posição no grid provisório. Como havia apenas 26 vagas no grid oficial, podemos dizer que Foitek foi dormir sem o direito de largar no GP húngaro.

Vamos agora falar de JJ Lehto, que não teve uma sexta-feira muito melhor.

No último capítulo, comentei que o finlandês descobriu lá na Alemanha, de um jeito meio patético, que sua equipe estava montando o diferencial de seu carro numa posição completamente errada desde a corrida de Montreal. Por conta disso, ele vinha andando muito menos do que o companheiro Gregor Foitek. Os mecânicos ficaram estupefatos com a cagada que haviam cometido, resolveram o problema e Lehto conseguiu se classificar para a prova de Hockenheim.

Errar uma vez, ainda que o erro seja crasso, é humano. Repetir o erro…

No treino livre da manhã, Lehto penou com um carro totalmente instável e lento. Completou algumas poucas voltas e fez a melhor delas em 1m25s516, a pior de toda a sessão. Só para sentir o drama, o penúltimo colocado, David Brabham, ainda conseguiu um tempo 1s1 mais rápido. JJ não entendia o que estava acontecendo. Os mecânicos desmontaram o Monteverdi nº 36 e fizeram uma incrível descoberta.

Pois é, e a série está chegando ao fim...

Pois é, e a série está chegando ao fim…

Os gênios conseguiram a façanha de repetir a mesma burrada de Montreal e montaram o diferencial na mesmíssima posição errada de antes. Com isso, o motor não conseguia passar força total para as rodas e o resultado era um carro vagaroso e um piloto puto da vida. Lehto ficou embasbacado com a total inépcia de seus mecânicos. A Monteverdi havia deixado de ser uma tragédia grega para se tornar apenas uma piada das mais escatológicas.

Para consertar a bobagem, os mecânicos teriam de trabalhar por várias horas. Com isso, não daria tempo para aprontar o carro de JJ Lehto para o treino classificatório do período da tarde. Sendo assim, o finlandês passou toda a sessão nos boxes, assistindo de forma desolada ao trabalho frenético e inútil que estava sendo feito em seu bólido. Logicamente não marcou tempo algum e terminou a sexta-feira sem sequer saber se teria uma chance de tentar a milagrosa classificação no dia seguinte.

Vamos então ao sábado. Por questão de andamento da história que vocês entenderão depois, começo falando do próprio JJ Lehto.

O segundo treino livre foi a primeira vez em que o nórdico conseguiu andar com alguma dignidade. Competente, ainda conseguiu uma razoável 27ª posição nas tabelas com o tempo de 1m23s231, ficando à frente de Michele Alboreto e Jean Alesi.

No segundo e último treino classificatório, Lehto teve duas oportunidades de volta rápida. Na primeira delas, quando seus pneus ainda estavam novos, ele escapou para fora da pista após passar por cima dos detritos deixados pelo Lotus de Derek Warwick. Retornou aos boxes, fez algumas pequenas mudanças e voltou à pista para sua tentativa final. O problema é que o motor já estava no fim de sua vida útil (ele era exatamente o mesmo utilizado na corrida de Hockenheim) e os pneus haviam passado do seu ponto ideal ainda na primeira tentativa. O melhor que conseguiu fazer foi 1m22s647, que lhe garantiu apenas a 29ª e penúltima posição no acumulado das duas sessões classificatórias. JJ, portanto, estava fora do GP da Hungria.

Agora, falemos um pouco de Gregor Foitek. Aquele sábado basicamente definiu para sempre o destino de sua carreira e da equipe Monteverdi como um todo.

De manhã, Foitek fez apenas o último tempo no treino livre. Ele estava bem chateado, mas mal imaginava o que aconteceria com ele na sessão classificatória vespertina.

Máquina mortífera?

Máquina mortífera?

Em sua primeira tentativa de volta rápida, o suíço fez apenas 1m24s863 e retornou aos boxes para tentar algumas mudanças de acerto, pois esse tempo aí havia sido meio segundo mais lento do que o obtido no dia anterior. Voltou à pista esperando ao menos se aproximar do penúltimo colocado, mas seu objetivo não pôde ser cumprido.

Num trecho mais veloz no circuito de Hungaroring, um dos braços da suspensão dianteira esquerda se rompeu de forma abrupta e o carro de Gregor Foitek saiu a rodopiar violentamente até parar na caixa de brita. O Monteverdi de número 35 não chegou a bater em lugar algum, mas Foitek saiu do carro desnorteado e assustadíssimo, querendo respostas para aquela quebra em alta velocidade.

Sem carro-reserva ou peças sobressalentes, o dia de trabalho de Gregor Foitek obviamente acabou ali, no meio do cascalho. A volta feita anteriormente em 1m24s863 foi ainda mais lenta do que a obtida no dia anterior, que já era a pior entre os trinta pilotos, e o suíço ficou na lanterna na classificação geral. Assim como Lehto, ele também ficou de fora do Grande Prêmio da Hungria.

Mas isso pouco importava. Nos boxes, Gregor e Karl Foitek queriam esclarecer a causa, motivo, razão ou circunstância do absurdo problema com a suspensão dianteira que quase resultou em uma tragédia. Os mecânicos, envergonhados, admitiram que a falta de recursos os obrigou a recauchutar componentes que já tinham passado de sua vida útil. Ou seja, JJ Lehto e Gregor Foitek estavam pilotando dois amontoados de peças velhas que poderiam, a qualquer momento, arrebentar a mais de 200km/h. Imagine se um deles morresse por causa de um acidente causado por um braço de suspensão ou uma asa traseira que já deveria estar no lixo há muito tempo? Pois as chances disso acontecer eram reais.

Karl Foitek, que era um dos sócios da Monteverdi Grand Prix, achou aquilo o fim da picada e tomou uma decisão drástica: pegou suas coisas, abandonou a sociedade e ainda impediu que seu filho Gregor continuasse arriscando sua vida com aquela verdadeira máquina mortífera. “Após ter visto o acidente que meu filho sofreu com a Rial na Espanha no ano passado, eu não estaria preparado para deixa-lo pilotar um carro que não considero minimamente seguro. A situação estava ficando inaceitavelmente perigosa”, admitiu o pai-coruja. Ele tem toda a razão. Em um esporte profissional e perigoso como a Fórmula 1, não dava mesmo para admitir que uma equipe reutilizasse peças vencidas a ponto de comprometer a integridade de seus pilotos.

Com a saída da família Foitek, sobraram apenas Peter Monteverdi e Bruno Frei no comando da Monteverdi Grand Prix. Os dois não teriam como resolver todos os inúmeros problemas da equipe sem a ajuda de outrem. Só que ninguém mais queria fazer parte daquilo lá. A escuderia criada a partir do sonho de Mike Earle estava afundando e mal havia botes salva-vidas para todos. Todos se perguntavam: até quando esse embuste vai durar?

Você ficará sabendo no próximo capítulo.

Anúncios