17 de agosto de 2002 foi, provavelmente, um dos melhores dias da vida do tcheco Tomas Enge. O que dizer de um cara que havia acabado de vencer a etapa de Hungaroring da Fórmula 3000 Internacional, estava a um passo do título e a dois de uma vaga de titular na Fórmula 1? Ele pilotava pela melhor equipe da temporada, a Arden International, e tinha muito mais experiência do que os seus concorrentes. Mesmo vindo de um país sem tradição nenhuma nas corridas e estando acima do peso, Enge dificilmente perderia o título. Sua vida não poderia estar melhor. Piorou e muito.

Curiosamente, o inferno astral de Enge começou no mesmo 17 de agosto. Naquele dia, algumas horas antes da corrida de Fórmula 3000, ele e outros pilotos da categoria foram convocados para o temido exame antidoping. Ele funciona da seguinte forma: o sujeito recebe uma cartinha simpática pedindo caridosamente um potinho de urina fresquinha para análise química. Então, ele vai ao boteco, amarra o rabo de cerveja e volta para casa doido para mijar. Preenche o potinho com o líquido amarelado e o envia às autoridades competentes, que o remeterão a especialistas. Lá no laboratório, aquela pequena amostra de urina revelará os maus hábitos dos esportistas.

Na grande maioria das vezes, este exame não dá em nada. Os atletas em geral são pessoas saudáveis e idôneas que levam uma vida praticamente monástica. Não comem gordura, evitam o fumo, bebericam apenas de vez em quando e alguns até deixam de fazer sexo antes de algum evento esportivo. É óbvio que tudo isso o que acabei de falar é um cenário totalmente inocente. Assim como qualquer pessoa normal, esportistas fumam, bebem, cheiram, injetam e comem Doritos. Eles só não são pegos com a boca na botija porque usam as coisas certas na hora certa.

Atletas e seus médicos e conselheiros sempre consultam a lista da WADA (Agência Mundial de Antidoping) para ver se aquele suplemento ou aquela pilulazinha colorida que turbina seus músculos possui algum princípio ativo ilegal. Se não tiver nada que conste na relação, o sinal está verde e o cara pode utilizar à vontade. Não importa se o negócio faz mal ou não. Basta não estar na lista da WADA que tudo está certo.

Muito de vez em quando, alguém é pego. Rubens Barrichello, por exemplo, já foi surpreendido com um resultado que deu positivo para cloridrato de oximetazolina, uma das substâncias banidas pela WADA. Mas o que diabos é cloridrato de sei lá o quê? Ele é o princípio ativo do Afrin, uma solução nasal descongestionante. Em meados de 1995, Rubens estava meio resfriado e precisava encontrar um remédio que o ajudasse a respirar melhor. Ao invés de se aconselhar com o médico da equipe Jordan, o brasileiro ligou para a mãe, que sugeriu o tal do Afrin. Descoberta a realidade, a Jordan ficou puta da vida com ele. Como é que um piloto de Fórmula 1 põe a carreira em risco tomando remédios sem consultar um médico?

Barrichello só foi pego porque foi bobo, verdade seja dita. No mesmo exame, o resultado do italiano Massimiliano Papis também deu positivo para uma substância qualquer, nada de grave. Os dois foram perdoados, mas ouviram uma bela bronca e tiveram de jurar por todos os deuses que jamais usariam alguma coisa errada. Fora da Fórmula 1, há outras histórias. Na NASCAR, o ex-piloto Shane Hmiel conseguiu ser pego no antidoping em nada menos que três ocasiões. O que os exames conseguiram detectar? Maconha, cocaína e heroína. É o Pete Doherty do automobilismo.

Mas o que aconteceu com Tomas Enge?

A última etapa da temporada 2002 da Fórmula 3000 seria realizada em Monza no dia 14 de setembro. O campeonato chegou à Itália pegando fogo. Sébastien Bourdais, ele mesmo, liderava a tabela com 55 pontos. O vice-líder Enge tinha apenas um ponto a menos. Na terceira posição, vinha o italiano Giorgio Pantano, com 48 pontos. Os três tinham chances totais de título. Todo mundo estava esperando por uma daquelas corridas inesquecíveis.

No dia 12, quinta-feira anterior à corrida, a FIA anunciou os resultados do exame antidoping realizado lá em Hungaroring. Ninguém estava prestando muita atenção, pois até então nunca houve um caso de algum piloto de uma categoria sancionada pela FIA ter sido pego no exame. Dessa vez, as coisas foram diferentes. A federação afirmou peremptoriamente que a urina de um dos pilotos havia apontado a presença de uma substância ilegal. Portanto, pela primeira vez desde a segunda metade dos anos 80, quando a entidade passou a realizar exames antidoping, houve um resultado positivo.

O piloto em questão era ninguém menos que o vice-líder Tomas Enge. O paddock da Fórmula 3000 ficou estarrecido. O da Fórmula 1 também. Como pode? O cara que tinha talvez as maiores chances de título na categoria-escola corria o sério risco de ser até mesmo banido das competições automobilísticas. Os menos pessimistas logo se preocuparam em abafar o burburinho e deram ao piloto tcheco o benefício da dúvida. Talvez a substância em questão seja um Afrin da vida, sei lá.

Mas o empresário de Enge, o compatriota Antonin Charouz, abriu a boca e explicou que a substância encontrada no exame era tetraidrocanabinol, ou simplesmente THC. Uma pessoa mais avisada sabe que isso aí é a substância psicoativa da Cannabis sativa, conhecida pelos nóias simplesmente como maconha. Em outras palavras, Tomas Enge havia fumado um beque, ficado malucão e a urina acusou o deslize.

Maconha não podia, segundo a lista da WADA. A organização tinha uma nomenclatura estranha para seu caso: doping social. Segundo ela, uma substância como a THC não costuma ser utilizada para aumentar a performance, mas seu efeito entorpecente não seria admitido dentro daquelas convenções sociais que, de maneira ingênua e hipócrita, são exigidas de um esportista, teoricamente um exemplo a ser seguido. Eu penso que não faz sentido enquadrar a maconha dentro de um exame antidoping, visto que o objetivo original da averiguação é flagrar quem utiliza substâncias perigosas ou desleais que turbinam o atleta. Se o sujeito é um maconheiro nas horas vagas ou não, isso daí deveria ser deliberado por outra competência, se é que isso realmente tem de ser deliberado.

Enquanto isso, Enge e seu empresário buscavam uma desculpa idiota qualquer para justificar o injustificável. Encontraram uma, que não convencia sequer a Velhinha de Taubaté. “Tomas pode ter respirado a fumaça da maconha numa discoteca. Ou alguém pode ter colocado alguma coisa em sua bebida ou comida”, tentou argumentar o empresário. Era melhor ter ficado quieto. Na universidade, eu já respirei toneladas de Cannabis sativa. Por causa disso, meu resultado num antidoping daria positivo para maconha? Fala sério.

De um lado, um exame que insiste em querer policiar os hábitos pessoais que não afetam diretamente o desempenho do atleta. Do outro, um piloto e um empresário que pensam que todo mundo é tonto. Nesta guerra onde os dois lados parecem errados, quem saiu perdendo foi a Fórmula 3000. Graças ao resultado do antidoping, a vitória de Hungaroring passou a estar sob júdice e seria avaliada após o fim do campeonato. Ou seja, o piloto campeão na pista não poderia comemorar o triunfo logo após a prova. Ridículo.

Se Bourdais terminasse a corrida à frente, o francês levaria o título e ninguém precisaria ficar preocupado sobre o fato do título não estar definido, ser levado ao tapetão, patati e patatá. Mas o francês teve um problema no motor e acabou abandonando durante um período de safety-car. Enquanto isso, Tomas Enge terminou em segundo e finalizou o domingo com mais pontos do que qualquer um. Ou seja, ele foi o campeão da Fórmula 3000 na pista. Porém, nada estava certo. Só saberíamos o verdadeiro resultado final lá na frente.

Enge foi convocado para dar explicações sobre o que havia acontecido: a quantidade de maconha utilizada, o nome da balada, quantas mulheres ele comeu e informações desse tipo. Após alguns dias de julgamento, o veredito final saiu no primeiro dia de outubro. O piloto tcheco Tomas Enge, então com 26 anos, havia sido desclassificado do GP da Hungria de Fórmula 3000, onde havia sido o vencedor. Sem os dez pontos da vitória, Tomas acabaria perdendo o título para Sébastien Bourdais. Aconteceu o que todos temiam: a temporada acabou decidida no tapetão.

Mas não acabou aí. Enge teria de fazer novos exames de antidoping e caso algum destes voltasse a dar resultado positivo nos próximos doze meses, o piloto seria banido para sempre do automobilismo. O que aconteceu desde então?

Em tese, Tomas parou com seus hábitos jamaicanos. Limpou o pulmão e a alma, fez mais uma temporada na Fórmula 3000 em 2004, disputou corridas da Indy em 2005 e 2006 e passou os últimos anos sossegado no FIA GT1. Tudo parecia correr tranquilamente na sua vida. Até ontem.

Parecia piada. A FIA divulgou uma nota confirmando a suspensão aplicada a Tomas Enge, pego novamente em um exame antidoping. Aos 35 anos, o piloto tcheco teria sido reprovado numa averiguação feita após a etapa da FIA GT1 realizada em Navarra no mês de maio. Dessa vez, Tomas garante que o que foi encontrado em sua urina não é nada de absurdo. “Desde o ocorrido em 2002, tenho sido muito cuidadoso com este negócio de doping. Eu sofro com problemas de saúde há algum tempo e pedi recentemente à FIA uma dispensa que me permite tomar remédios proibidos pela lista”, afirmou Enge.

Não posso fazer julgamento prévio algum. No Brasil, há um caso parecidíssimo. O piloto Alceu Feldmann, da Stock Car, foi suspenso por trinta dias após ter se recusado a fazer um exame antidoping. O próprio afirmou que não o fez por ter uma autorização verbal do médico Dino Altmann para utilizar um remédio de reposição hormonal, proibido na lista da WADA. Há uma explicação oficial, portanto. Logo, o benefício da dúvida está concedido.

No caso de Enge, acharia interessante se ele desse maiores explicações a respeito do tipo de doença que tem e as medicações que toma. Falar simplesmente que “minha saúde está fodida e preciso me entupir de Vicodin” não soa totalmente convincente. Espero, sinceramente, que Tomas faça isso e acerte suas contas. Ele tem apenas 35 anos, talento e uma longa carreira pela frente.

O problema com a maconha claramente atrapalhou um bocado sua carreira, que vinha numa ascendente notável. Em 2001, Enge substituiu o lesionado Luciano Burti nas três últimas etapas da temporada de Fórmula 1. Se tivesse sido campeão da Fórmula 3000, teria chances ótimas de ter arranjado uma vaga de titular na categoria principal em 2003. Poderia estar lá até hoje. Após ter sido pego, os patrocinadores ficaram meio ressabiados de associar sua imagem com a de um maconheiro. Em 2004, Tomas teve de recomeçar sua carreira praticamente do zero ao aceitar uma vaga meia-boca numa equipe novata de Fórmula 3000.

Fiquemos com uma imagem que antecedeu os dias turbulentos. A foto aí em questão é de Spa-Francorchamps, penúltima etapa da temporada de 2002. Enge chegou à Bélgica todo cheio da moral, mas teve um fim de semana difícil. No treino oficial, não muito depois de fazer o segundo melhor tempo, estampou o carro na barreira de pneus e destruiu todo o lado direito. Os mecânicos adoraram, mas não.

Ainda assim, Enge estava de boa e até foi cumprimentar o pole e rival Sébastien Bourdais no grid de largada. O francês não retribuiu bem a gentileza. Após tracionar mal, Bourdais perdeu a liderança para Enge, mas resolveu não frear na ingrata primeira curva e acertou a traseira do carro vermelho do piloto tcheco. A lateral do aerofólio traseiro de Tomas Enge ficou danificada e boa parte da aderência de seu Lola-Zytek foi para o saco no ato. No decorrer da corrida, ele perdeu posições e só conseguiu terminar em quarto. Mesmo assim, manteve-se dentro da briga direta pelo título. Até Monza.

Não faço a menor ideia do que será de Tomas Enge, mas sei que ele poderia ter sido um grande piloto de Fórmula 1 se tivesse tomado cuidado com a questão da maconha. No caso atual, prefiro esperar que ele realmente esteja certo e a substância em questão seja um inofensivo medicamento. Só que vocês conhecem a história do gato escaldado. Enge está marcado para sempre na história do automobilismo. Como um peixe que caiu na rede do antidoping duas vezes.

Um último recado: Rubinho, apertar uma narina e soltar o ar com a outra também serve pra tirar meleca do nariz e descongestionar as vias.

Anúncios