RED BULL9,5 – Em uma temporada onde todas as equipes têm seu fim de semana dos sonhos, Mônaco pertenceu aos touros avermelhados: Mark Webber foi o grande vencedor e Sebastian Vettel foi um dos grandes nomes da corrida. O australiano herdou a pole-position a partir da punição de Michael Schumacher e permaneceu na liderança até o fim. Já Vettel brilhou com uma excelente estratégia de fazer um primeiro stint bem longo com pneus macios. Beneficiado pelo excelente trabalho da Red Bull nos pits, conseguiu ganhar duas posições e terminou em quarto. Mesmo sem ter o melhor carro do ano, a Red Bull já lidera o campeonato de construtores com facilidade.

MERCEDES8 – O velho pode até ser heptacampeão, tirar seus coelhos da cartola e arrancar uma pole-position do nada, mas quem anda pondo comida à mesa é Nico Rosberg, segundo colocado na prova. O alemão mais menininha do grid largou da segunda posição e tão somente escoltou o vencedor Mark Webber, sendo bastante conservador e consciente. Sem sua pole-position, Michael Schumacher teve um domingo do cão. Foi tocado por Romain Grosjean na largada e voltou a ter problemas no carro, desta vez relacionados à bomba de combustível. Em compensação, o trabalho nos pits anda muito bom. Com Schumacher, seus mecânicos fizeram o melhor pit-stop do ano: 3s2.

FERRARI8,5 – Estou vendo que esse negócio de carro vermelho ruim é o maior mito do ano até aqui. Se o F2012 é tão desastroso assim, como é que Fernando Alonso chega ao pódio e assume a liderança isolada do campeonato? E como Felipe Massa obtém um sexto lugar após uma corrida razoavelmente forte? O brasileiro chegou a dar calor a Alonso na primeira metade da corrida, mas acabou perdendo uma posição para Vettel após o pit-stop. Fernando das Astúrias, por outro lado, foi o oportunista rabudo de sempre. Os cavalos rampantes definitivamente já tiveram dias piores.

MCLAREN2 – Quem teve um fim de semana daqueles foi a McLaren. Dessa vez, não teve pole-position de Lewis Hamilton, que não anda lá em uma grande fase. Para piorar, seu companheiro parece estar mergulhado num inferno astral ainda pior. Hamilton ao menos largou em terceiro e terminou em quinto, embora tenha penado novamente com o precário serviço de boxes da equipe. Button sequer avançou ao Q3 da classificação e perdeu uma corrida inteira atrás do Caterham de Heikki Kovalainen. No fim das contas, foi até bom ter abandonado a corrida com um pneu furado, pois o vexame acabou sendo menor. Para quem tinha o melhor carro nas primeiras etapas, a McLaren é uma das decepções do ano.

FORCE INDIA7,5 – Melhor atuação dos indianos até aqui. Nico Hülkenberg foi o melhor piloto da equipe nos dias de treinos, mas Paul di Resta simplesmente brilhou no domingo. Um dos poucos que largaram com pneus macios, o escocês se aproveitou dos imprevistos ocorridos à sua frente e do fato de ter um carro em ótimas condições na metade da corrida para assumir a sétima posição. Hülkenberg, discreto como sempre, também fez seu trabalho corretamente e terminou logo atrás. Seria a Force India uma equipe boa para pistas de rua?

LOTUS4 – Ouvi aqui e acolá que a equipe preta e dourada seria a favorita para o GP de Mônaco. Teria um carro ótimo, dois pilotos excelentes e ainda haveria aquela macumba de ter uma equipe vitoriosa para cada corrida até então. Mas a Lotus decepcionou a todos. Kimi Räikkönen largou apenas em oitavo, arrastou-se durante todo o tempo e terminou em nono. O homenageado James Hunt não poderia ter se sentido mais ultrajado. Romain Grosjean fez o de sempre: andou muitíssimo bem no treino oficial e bateu logo na primeira volta. Chega a ser incrível a incapacidade da equipe de Eric Boullier em fazer um fim de semana totalmente perfeito. Bahrein e Espanha foram dois pontos fora da reta, pelo visto.

WILLIAMS3,5 – A equipe vencedora do GP da Espanha não conseguiu nada além de um mísero ponto, obtido pelo sensato Bruno Senna. O brasileiro não foi brilhante em momento algum, mas ao menos não se envolveu em celeumas, sobreviveu aos vários abandonos, herdou uma posição a partir da estratégia infeliz de Jean-Eric Vergne e terminou grudado em Kimi Räikkönen. Pastor Maldonado, o fodão de Barcelona, fez tanta merda que não dá nem para apontar todas aqui. A equipe afirmou que tinha carro para fazer um amontoado de pontos. Não há como discordar.

SAUBER2,5 – Outra equipe que tinha boas chances de ter marcado vários pontos. Mas não marcou nenhum. Kamui Kobayashi era a maior esperança da equipe, já que largava em 11º. Porém, foi pego de bobo no acidente da largada e ficou de fora. Sergio Pérez se envolveu em tantos problemas durante todo o fim de semana que até pode se considerar um sortudo por ter finalizado a corrida. Não há como avaliar corretamente a equipe quando os dois pilotos se metem em confusões.

TORO ROSSO2 – Em uma corrida sem grandes pegadinhas na hora de desenvolver uma estratégia, a Toro Rosso conseguiu a proeza de se embananar com os dois carros. Jean-Eric Vergne vinha numa sétima posição confortável nas últimas voltas, mas algum abençoado de sua equipe achou que iria chover e obrigou o francês a entrar nos pits para colocar pneus intermediários. Não choveu e Vergne perdeu os pontos de bobeira. Menos brilhante, Daniel Ricciardo também se deu mal com os pneus: teve de fazer um stint longo demais com pneus supermacios no início da corrida e se afastou de qualquer chance de pontos. Boa, Toro!

CATERHAM4 – Em termos de velocidade, aparenta já ter tido fins de semanas melhores: Vitaly Petrov ficou no mesmo segundo da Marussia de Timo Glock e da HRT de Pedro de la Rosa. A graça maior ficou reservada ao domingo. Heikki Kovalainen pulou para 13º na primeira volta e passou o dia inteiro segurando um feroz Jenson Button. Mesmo após o pit-stop, Heikki retornou à frente – e ainda se meteu num duelo complicado com Sergio Pérez. Esquecido no outro carro, Petrov não fez muita coisa e abandonou com problemas na bateria. Noto também que a equipe precisa melhorar um pouco no trabalho de boxes.

MARUSSIA3,5 – Por incrível que pareça, estou em dúvida se o fim de semana da equipe anglo-russa foi bom ou não. No treino oficial, os dois carros tiveram problemas para duelar com a tristonha dupla da HRT e Charles Pic chegou a largar atrás de Pedro de la Rosa. Por saírem tão lá no fundão, escaparam da meleca da primeira volta e subiram lá para o meio do pelotão sem problemas. Charles Pic teve problemas elétricos, mas Timo Glock conseguiu terminar em 14º, sua melhor posição no ano até aqui.

HRT3,5 – Pedro de la Rosa mandou muito bem ao superar Charles Pic e quase deixar Timo Glock para trás também. Pena que sua corrida não durou uma volta, graças ao desequilibrado do Maldonado. Narain Karthikeyan continuou na mesma de sempre, mas tomou apenas duas voltas e terminou em 15º. Era triste vê-lo tentando comandar aquele touro desgovernado pelas estreitas ruas monegascas.

TRANSMISSÃOSKY SPORTS BRASILEIRA – Geralmente, os fãs brasileiros de Fórmula 1 invejam os britânicos porque a cobertura televisiva da categoria no Reino Unido é fora de série. Reportagens detalhadas ao extremo, transmissão que se inicia dezoito horas antes, atenção maior aos detalhes técnicos e menos ao nacionalismo porco, companhia de gentes como Martin Brundle e Eddie Jordan e mimos afins. Neste fim de semana, talvez preocupada com a acentuada queda na audiência, a emissora brasileira decidiu fazer sua primeira transmissão caprichada na história. Iniciou a geração de imagens uns vinte minutos antes, colocou sua repórter loira para fazer matérias diretamente lá no grid de largada e até fez questão de mostrar os rostinhos dispensáveis do trio que faz os comentários. É óbvio que uma novidade sempre vem acompanhada de alguns deslizes, mas isso acontece nas melhores e principalmente nas piores famílias. Fora isso, o que há para ser dito? Que bullying é uma coisa muito feia, senhor narrador. “Do jeito que você anda batendo na Stock Car, é melhor ficar só comentando a Fórmula 1“. “Você trocou de capacetes com o Alain Prost. Digo que você saiu no lucro, hein?”. E, por fim, uma pequena curiosidade: não, a Red Bull não é sediada na Suíça.

CORRIDAFILA MONEGASCA – Quem gosta de Mônaco, gosta. Quem não gosta, não gosta. Estas duas frases geniais clarificam qual é o estado de espírito dos que assistiram ao GP deste último fim de semana. Os apreciadores não se importam com a impossibilidade de ultrapassagens, a estreiteza indecorosa de alguns trechos e as filas que se formam no decorrer da prova. Os detratores ignoram a beleza do cenário, a história do grande prêmio, algumas das curvas mais desafiadoras do calendário e o fato do circuito monegasco ser um árduo teste para carros e pilotos. Eu estou no segundo grupo, é claro. Mas convenhamos que a corrida esteve muito longe da animação das etapas anteriores. Mark Uéba largou na pole-position e ganhou. Nico Rosbife largou em segundo e chegou em segundo. Quem veio atrás pouco pode fazer. De destaque, apenas os dois ex-rivais de Fórmula 3 Euroseries, Sebastian Vettel e Paul di Resta, que se aproveitaram da estratégia para ganhar posições. Somente os imprevisíveis Pastor Maldonado, Romain Grosjean, Sergio Pérez e Michael Schumacher puderam animar um pouco a festança, se bem que as fechadas de Heikki Kovalainen entram para os anais desta temporada como um dos melhores momentos até aqui.

GP2PAIS E FILHOS – Não é bonito quando o filho continua a obra do pai? Não que Jonathan Palmer e Johnny Cecotto tenham lá deixado um grande legado no automobilismo. O negócio de Cecotto era andar de motos, enquanto que Palmer é médico de formação. Mas os dois tiveram totais motivos para sorrir em Mônaco. Na sexta-feira, Johnny Amadeus Cecotto Jr. ganhou sua primeira na GP2 após ter largado da pole-position, liderado quase todas as voltas e resistido aos ataques de Marcus Ericsson. Corrida mediana, sem grandes apelos. No dia seguinte, a piração ficou reservada para a primeira volta. O pole-position Stéphane Richelmi (outro filho de piloto) foi tocado por James Calado na largada e rodou na Saint Devote, sendo acompanhado pelo compatriota Stefano Coletti. Os dois monegascos, a propósito – que tristeza para os pachecos do principado. Alguns metros depois, nosso querido Cecotto Jr. acabou rodando em plena Beau Rivage em decorrência de um pneu furado, atrapalhando o caminho de quem vinha atrás. A partir daí, carnificina. Felipe Nasr voou por cima de Victor Guerin e não saiu do circuito por pouco. Outros cinco pilotos se envolveram na bagunça e não houve mortos ou feridos. Jolyon Palmer, que assumiu a ponta na primeira curva, aproveitou-se da lerdeza de James Calado para abrir enorme distância e vencer pela primeira vez na GP2. Um verdadeiro Dia dos Pais adiantado.

GP3TODOS DOIDOS – Nunca antes na história deste blog eu tinha comentado sobre a GP3 neste meio. Pois falo dela hoje. A categoria imediatamente anterior à GP2 realizou sua primeira corrida em Mônaco acreditando que tudo daria certo. Mais ou menos. A primeira corrida, mais longa e tranquila, foi vencida pelo finlandês Aaro Vainio, que não teve trabalho para conter a sanha do húngaro Tamas P’al Kiss (SIC!). Loucura, loucura, loucura mesmo foi a segunda corrida, realizada no pôr-do-sol do sábado. Na largada, William Buller foi tocado pelos compatriotas Alice Powell e Alex Brundle e terminou de ponta-cabeça na Saint Devote. Mas incrível mesmo foi a presepada entre o bielorrusso Dmitry Suranovich e o americano Conor Daly. Após um toque entre os dois, o carro preto e vermelho de Suranovich ficou sem a asa traseira, mas o diabo do soviético decidiu seguir em frente por mais algumas voltas. Impaciente, Daly tentou ultrapassá-lo na saída do túnel. Suranovich não facilitou e fechou a porta, o que acabou causando um dos maiores acidentes do ano até aqui. Conor decolou, bateu no alambrado e caiu de volta à pista para se arrastar por alguns metros. Ninguém se machucou, mas Dmitry brigou com a equipe e com a organização da prova, aparentando ser um cara de cabeça quente. Dizem que perdeu o emprego. A ver. Quem ganhou foi o filipino Marlon Stöckinger, que resistiu à forte pressão de Antônio Felix da Costa. Foi a primeira vitória de um piloto das Filipinas na Europa, exatos vinte anos após a morte de Jovy Marcelo em Indianápolis. Muito legal!

Anúncios