RED BULL8 – Do que adianta ter o melhor carro se os dois pilotos se encontram em rota de colisão? Além do mais, como de costume, apenas um carro da equipe chegou ao pódio, o de Webber. Existem sérias dificuldades de expertise em administrar o ego de seus dois pupilos, e isso pôde ser visto na choradeira do australiano ao não receber uma nova asa dianteira como seu companheiro e na briga interna antes da primeira curva. Só dou uma nota alta pela vitória.

MCLAREN 8,5 – Ao contrário da Red Bull, a equipe parece viver em uma longa lua de mel. Tendo aprendido com os erros de 2007, Hamilton e Button mantêm um aparente bom relacionamento e buscam não atrapalhar um ao outro. Com isso, mesmo tendo um carro inferior ao da Red Bull, conseguiu um segundo e um quarto lugares que a mantiveram na frente tanto no campeonato de pilotos como no de construtores.

MERCEDES8 – Fazia um bom tempo que não obtinha um bom resultado. Rosberg fez uma boa corrida e levou a estrela de três pontas ao pódio pela primeira vez desde Shanghai. Já Schumacher teve mais um fim de semana infeliz. As alterações no carro parecem ter surtido efeito.

WILLIAMS 8,5 – Colocou dois carros na zona de pontos pela primeira vez desde há dois séculos. Rubens andou lá na frente o tempo todo e até Hülkenberg mostrou competitividade. Ótima fase.

SAUBER 8,5 – Outra equipe que está em excelente fase. No entanto, apenas Kobayashi conseguiu fazer uma ótima corrida e marcar pontos. De La Rosa vinha razoavelmente bem, mas foi atingido por Sutil e teve de abandonar. De qualquer maneira, os tempos de abandonos sucessivos e turbilhões de má sorte estão, ao menos, dando uma trégua.

FORCE INDIA 6,5 – Fez mais uma corrida típica, com Sutil terminando nas posições pontuáveis mais baixas e Liuzzi sequer aparecendo. O momento da equipe é tão bom que marcar quatro pontos já não é mais considerado algo notável.

TORO ROSSO 4 – Nem Buemi e nem Alguersuari marcaram pontos. O espanhol ainda abandonou no final da corrida. Fim de semana típico, sem graça.

RENAULT 3,5 – Os dois pilotos tinham carro para marcar pontos. Os dois pilotos acabaram tendo problemas. O polonês narigudo, que vinha para brigar pelo pódio, teve um problema em um eixo traseiro. O russo, que vinha para marcar pontos, teve um pneu furado. Um fim de semana bem ruim dos amarelados.

FERRARI 2 – Fim de semana vermelho, mas de vergonha. Alonso e Massa, que tinham ido razoavelmente bem nos treinos, se tocaram na primeira curva, o que comprometeu a corrida do brasileiro. O asturiano ainda tomaria uma punição por fazer uma ultrapassagem irregular sobre Kubica. No fim, terminaram em 14º e 15º, algo terrível para uma equipe com tamanha história e a prepotência.

LOTUS 5 – Distorcendo a matemática, a equipe ficou logo atrás da Ferrari dispondo de um orçamento seis ou sete vezes menor. Trulli e Kovalainen fizeram aquela corrida isolada, sem poder ameaçar as equipes estabelecidas e sem ser ameaçada pelas equipes menores. Dessa vez, a Virgin até que tentou, mas não conseguiu.

VIRGIN 4 – Avançou um bocado em Silverstone, mas ainda precisa comer mais arroz e feijão para chegar de vez na Lotus. De qualquer jeito, Glock largou à frente de Trulli e andou um bom tempo à frente de Kovalainen. Di Grassi abandonou logo.

HISPANIA 2 – Colin Kolles afastou Bruno Senna por este descer o cacete no seu carro por e-mail enviado por engano ao chefe. No lugar, os ienes de Sakon Yamamoto, que não comprometeu. Chandhok também não fez nada de muito feio e os dois carros terminaram a corrida. Mas a equipe se mostra bastante frágil quando se trata de resolver assuntos internos.

TRANSMISSÃOIMPRESSIONANTE! – E o Sr. Impressionante voltou às transmissões globais de Fórmula 1. O mais impressionante é que eu só ouvi o dito cujo falando esta palavra apenas uma vez, lá no final da corrida. Reginaldo Leme, ao ver Sebastian Vettel entrando nos pits com o pneu furado, disse que tinha certeza de que o alemão encostaria o carro e iria para casa. Segundos depois, lá estava Vettel deixando os pits com quatro pneus novinhos em folha. Luciano Burti não falou nada de muito memorável, ou é a minha memória que é falha. De qualquer jeito, provavelmente teremos de nos acostumar com o Sr. Impressionante, já que Galvão Bueno anunciou que a aposentadoria está próxima.

CORRIDA NÃO TÃO IMPRESSIONANTE! – Todos, incluindo eu, diziam que a pista ficaria bem mais veloz e mais propícia para ultrapassagens. Nada disso aconteceu. A pista ficou cerca de 3km/h mais veloz, o que não quer dizer nada na prática. E aquele novo trecho permite qualquer coisa a não ser ultrapassagens. Enfim, não foi a melhor das corridas. Webber e Hamilton sumiram na liderança enquanto Kubica segurava um enorme pelotão atrás. No final da corrida, como vem acontecendo nas últimas etapas, houve algumas ultrapassagens, mas nada que salvasse a corrida. O leitor pode argumentar que a corrida não foi tão ruim assim e que sou eu que pego no pé de Silverstone. Pode até ser, mas o fato é que a corrida esteve longe de ser sensacional.

GP2 DOMÍNIO HISPANOHABLANTE – Pastor Maldonado, do jeito que vai, será o campeão da GP2 neste ano. Em Silverstone, o venezuelano venceu a terceira corrida Feature consecutiva, e disparou na liderança do campeonato. A vitória veio de maneira absolutamente fácil, o que mostra que o cara está em ponto de bala para ganhar o título. A corrida dominical, bem mais interessante, assistiu à vitória do mexicano Sergio Perez, que ultrapassou os dois pilotos da iSport, Oliver Turvey e Davide Valsecchi, para vencer pela segunda vez nessa temporada. O piloto da Addax, com isso, pulou para a quarta posição do campeonato. Entre os quatro primeiros colocados, três pilotos que falam espanhol (Maldonado, Dani Clos e Perez). Pelo visto, falar espanhol anda compensando um bocado no esporte.

Anúncios