FERRARI9,5 – Excelente dobradinha, ainda mais sabendo que o vencedor é um neófito na equipe. A equipe não fez a pole e nem sequer vinha liderando até o final, mas teve a sorte de ter dois pilotos logo atrás de um Vettel problemático. Desse modo, foi fácil fazer a festa.

MCLAREN 8 – Não tinham lá o melhor carro do universo, mas com um pouco de sorte, dava pra levar um pódio para casa. Com Hamilton, conseguiram. Button não apareceu muito. Na primeira corrida sem a Mercedes como parceira oficial, superaram a equipe oficial da montadora.

RED BULL9 – O carro é muito rápido, mas a confiabilidade é seu calcanhar de aquiles. Não por acaso, Sebastian Vettel começou a perder desempenho enquanto liderava. Webber foi discreto. Ainda assim, a equipe vem com o carro mais rápido para esse começo de temporada.

MERCEDES7,5 – Estréia normal, nem muito boa nem muito ruim. Rosberg está andando mais rápido que Schumacher, mas não o suficiente para pegar um pódio. O heptacampeão ficou lá no meio da maciota. O carro é bom, mas por enquanto não o bastante para sair por aí vencendo.

FORCE INDIA 8 – Ótima corrida, premiada com dois pontos. O carro é bom o suficiente para ficar no meio do pelotão e beliscar uns pontos. A equipe, apesar do nome fanfarronesco, é séria e tem potencial, assim como seus dois pilotos. Dessa vez, Liuzzi foi melhor.

WILLIAMS 5,5 – Só marcaram um ponto por causa do novo regulamento. Nem Rubens nem Hülkenberg brilharam em um carro apenas razoável, aparentemente pior até do que a Force India. Ainda há muito o que se fazer.

RENAULT 5 – A impressão que dá é que Kubica fez um milagre ao levar o carro para o Q1 na classificação. Na corrida, o polonês foi atingido por Sutil e Petrov teve problemas. Nesse primeiro momento, essa rotina de problemas e performances medíocres deverá ser normal para os franco-eslavos.

TORO ROSSO3 – O carro teve um bocado de problemas nas mão de Buemi. Nas de Alguersuari, só foi lento. No fim das contas, a situação mudou muito pouco do ano passado para cá.

LOTUS5,5 – A melhor entre as novatas. Parece ser mais lenta que a Virgin, mas é bem resistente. Os dois pilotos se arrastaram, mas conseguiram cruzar a linha de chegada. E o bólido é muito bonito.

SAUBER4 – A boa performance na pré-temporada só serviu pra enganar uns executivos e angariar patrocínio. Não deu certo, o carro apareceu limpo de stickers e não muito rápido. A surpresa (ou não) foi ver De La Rosa andando na frente do Kobayashi.

HRT0,5 – O meio ponto é só pelo esforço de colocar dois carros na pista. Os mecânicos estavam cansados de tanto trabalhar, os pilotos estavam perdidos e o carro é problemático em todos os sentidos. Pelo menos, Bruno Senna fez 20 voltas na corrida.

VIRGIN1,5 – Do que adianta ser um pouco mais rápida que a Lotus, se os carros não conseguem fazer um mínimo de quilometragem sem quebrar? Glock e Di Grassi abandonaram a corrida prematuramente.

CORRIDAMEDIANA – Não foi um completo porre, mas ficou devendo. Apesar de ter havido um aumento de carros no grid, a grande extensão de Sakhir fez com que os carros ficassem muito distantes uns dos outros, o que inviabilizou trocas de posições. O fim dos pit-stops não trouxe uma dinamização maior dentro da pista. A ultrapassagem de Alonso sobre Vettel só se deu porque o alemão teve problemas no final. Não fosse isso, e o fato do Hamilton ter passado Rosberg nos pits, e a corrida teria terminado da mesma maneira que havia começado.

REGULAMENTO IMPOSSÍVEL DIZER – O fim dos reabastecimentos não trouxe melhora visível no Bahrein, mas ainda é cedo pra dizer sobre quais são as reais consequências. E ver dez carros marcando pontos é estranho pra caralho.

GLOBOCHADICK? – Galvão sempre Galvão. Babou pelo retorno de Bruno Senna, deu uma puxada de saco básica em Emerson Fittipaldi, errou o nome do indiano aos montes e falou mais algumas bobagens que eu não me lembro. E VRT é um monstrengo de sigla.

Anúncios