MARK WEBBER10 – O sexto vencedor da temporada vinha devendo uma atuação destas já fazia algum tempo. Nos treinos livres, nada indicava que seu domingo terminaria tão bem. As coisas melhoraram bastante com o segundo tempo no Q3 da classificação, que virou pole-position após a punição aplicada a Michael Schumacher. No domingo, resolveu sua vida largando bem e completando a primeira curva em primeiro. Após isso, só levou o carro ao fim. Algumas vezes pressionado por Nico Rosberg, outras sossegado na dianteira, o australiano não teve problemas para segurar a fila de cinco carros que se formou atrás nas últimas voltas.

NICO ROSBERG9 – Fez a lição de casa com primor, ainda que não tenha tido nenhum momento de brilhantismo como seu companheiro. Liderou a terceira sessão livre e esteve sempre competitivo nas demais sessões. No treino oficial, embora tenha sido mais lento que Michael Schumacher no Q3, acabou abocanhando uma boa primeira fila. Se quisesse ter vencido, deveria ter ultrapassado Mark Webber logo na primeira curva. Como não o fez, somente dirigiu seu Mercedes rumo ao segundo lugar. Terminou a corrida com quatro carros grudados em seu cangote.

FERNANDO ALONSO8 – Também fez a lição de casa direitinho e acabou premiado com a liderança isolada no campeonato. Não tinha o melhor carro em Mônaco, mas fez da água vinho e logrou um ótimo quinto lugar no grid. Seu ritmo não era dos melhores no início da prova e Felipe Massa lhe deu algum trabalho durante algumas voltas, mas a impossibilidade de se ultrapassar deixou o espanhol tranquilo. Tentou adiar sua parada para ver se aproveitava o início da chuva, mas ela não veio. Assim como os dois primeiros, terminou a corrida na mesma posição em que largou, algo longe de ser ruim. Não por acaso, Fernando era o mais feliz dos homens do pódio.

SEBASTIAN VETTEL9,5 – O grande destaque da corrida. Pena que seu desempenho nos treinos não foi tão genial – o que, de alguma forma, também se sucedeu com o vencedor Mark Webber. Largando apenas da nona posição, o bicampeão decidiu largar com pneus macios para ver se conseguia parar após todo mundo. A ideia funcionou bem e Vettel ganhou as posições de Lewis Hamilton e Felipe Massa após seu pit-stop. Nas últimas voltas, conseguiu se juntar aos três primeiros e terminou na mesma foto do vencedor. O resultado final não fez jus à atuação do cara.

LEWIS HAMILTON6 – Fim de semana insatisfatório, embora o resultado final não tenha sido dos piores. Sem ter o melhor carro, Lewis teve dificuldades nos treinos e passou longe do brilhantismo das primeiras etapas. Cavou um terceiro lugar no grid, mas largou mal e só não perdeu posições porque Mônaco é um lugar triste para quem está atrás. No decorrer da corrida, não conseguiu andar tão rápido e se afastou dos dois primeiros. No pit-stop, os mecânicos da McLaren voltaram a bobear e Hamilton acabou perdendo duas posições de graça. Também terminou grudado entre os primeiros, mas totalmente distante do pódio.

FELIPE MASSA6,5 – Finalmente uma boa corrida no ano. OK, um sexto lugar não é lá um resultado genial. Mas para quem vinha trocando posições com Toro Rosso e Force India, terminar apenas seis décimos atrás do vencedor pode ser considerado uma façanha. Felipe esteve razoavelmente bem em todos os treinos e largou da sétima posição. No início de corrida, tinha mais carro que Fernando Alonso e chegou a pressioná-lo, mas não dava para ultrapassar. No pit-stop, perdeu uma posição para Sebastian Vettel. Mesmo assim, seguiu em frente e foi o último do trenzinho dos ponteiros.

PAUL DI RESTA8,5 – Grande corrida, uma de suas melhores na Fórmula 1 até aqui. Não foi bem nos treinos, é verdade, mas sua caranga alaranjada, verde e branca não é das melhores em treinos. Apostou na melhor estratégia de todas, a de largar com pneus macios. Ganhou boas posições na largada graças aos acidentes e tratou de não perder tanto tempo mesmo usando pneus mais lentos que os supermacios. Fez seu pit-stop muito depois do resto e galgou mais algumas boas posições. Para quem havia saído do meio do pelotão, terminar em sétimo foi excepcional.

NICO HÜLKENBERG7 – Fez sua melhor corrida no ano até aqui, mas acabou driblado pela estratégia genial de Paul di Resta. Sempre esteve muito melhor que Paul di Resta no principado monegasco, chegando a liderar o Q1 da classificação. Conseguiu um bom lugar na quinta fila e tinha totais chances de ter sido o salvador da pátria da Force India. De fato, ele andou direitinho, não cometeu erros e chegou ao fim em oitavo. Mas quando o companheiro consegue subir sete posições em uma pista como Mônaco e termina na frente, não dá para ficar totalmente feliz.

JAMES HUNT3 – Fim de semana estranhíssimo para o piloto finlandês. Antes da corrida, todo mundo estava dizendo que a Lotus teria o melhor carro para o travado circuito monegasco. Isso não aconteceu e Kimi só largou da oitava posição. Na corrida, seu carro milagrosamente piorou muito e nas poucas vezes em que foi visto, estava segurando um pelotão de pilotos insatisfeitos atrás. Tomou uma fechada bizarra de Sergio Pérez na entrada dos pits e quase bateu. Terminou num nono lugar sofrido, poucos palmos de distância à frente de Bruno Senna.

BRUNO SENNA4 – Fim de semana fraquinho, mas ainda pode esfregar na cara de todos que o único ponto marcado pela Williams em Mônaco veio com ele. Largou lá do meio do grid e se beneficiou muito com o acidente da primeira curva, ganhando quatro posições de bandeja. Perdeu muito tempo atrás de Kimi Räikkönen, que pilotava uma lesma negra. No final da corrida, só subiu para décimo porque Jean-Eric Vergne decidiu estragar sua corrida ao ir para os pits colocar pneus intermediários. Terminou grudado em Räikkönen e só não pegou o nono lugar porque ultrapassar em Mônaco não é pra qualquer um.

CHAPOLIN COLORADO2 – Teve um fim de semana que os anglo-saxões costumam chamar de eventful: aconteceu de tudo com ele. No grande prêmio em que decidiu homenagear o humorista Chespirito, ficou de fora dos pontos após passar por várias barras. No último treino livre, foi atacado por um imprevisível Pastor Maldonado e quase danificou seu carro. No Q1 do treino oficial, teve um problema na suspensão e bateu no guard-rail pelo segundo ano seguido, sendo obrigado a largar do fim do grid. Na corrida, conseguiu ter problemas com os dois finlandeses: fechou Kimi Räikkönen escandalosamente na entrada dos pits, sendo devidamente punido por isso, e tomou boas fechadas de Heikki Kovalainen. Só chegou ao fim porque não contavam com sua astúcia.

JEAN ALESI3,5 – O francês da Toro Rosso perdeu uma belíssima chance de pontos por culpa de algum meteorologista aloprado. Foi mal novamente nos treinos e sobrou de novo no Q1, mas se recuperou bastante na corrida. Por ter largado mal e ficado preso atrás dos dois (!) carros da Marussia na primeira volta, decidiu antecipar sua primeira parada e colocou pneus macios. A estratégia funcionou e ele chegou a subir para a sétima posição. Só que, demasiado ambicioso, decidiu colocar pneus intermediários para ver se ganhava mais algumas posições. Como só caíram umas catorze gotas na pista, seu último pit-stop só serviu para cansar um pouco mais os mecânicos.

HEIKKI KOVALAINEN7 – Numa corrida sem grandes atrativos, o finlandês foi o grande animador do meio do pelotão. Não fez nada de novo nos treinos, mas se deu muito bem com o acidente da primeira volta, que o catapultou à 13ª posição, justamente à frente do McLaren de Jenson Button. Com destreza notável, Heikki manteve seu modesto Caterham à frente do piloto inglês durante 28 voltas. Após a rodada de pit-stops, conseguiu deixar Button para trás por alguns fios de cabelo. Não o deixou ultrapassar e também tornou a vida de Sergio Pérez um inferno. Sobreviveu aos assédios e obteve a melhor posição de sua equipe no ano até aqui. Merecia um pontinho.

TIMO GLOCK5,5 – Também obteve seu melhor resultado no ano, embora não tenha sido nenhum Kovalainen durante a corrida. Sofreu um bocado para ficar à frente da HRT no treino oficial e só conseguiu colocar dois décimos de vantagem sobre Pedro de la Rosa. Deu-se muitíssimo bem no acidente da largada e chegou a estar à frente de Vergne e Pérez. Mais à frente, teve problemas com a asa dianteira, mas conseguiu chegar ao fim. E fez a 15ª volta mais rápida da corrida.

NARAIN KARTHIKEYAN5 – Pelo pouco que deu para ver, foi praticamente um dos heróis do dia. Seu carro era inguiável e eu realmente não sei como ele conseguia completar a Mirabeau sem bater. Mas conseguiu e merece aplausos. Apesar de sua nacionalidade ser indiana, a estratégia de uso de pneus foi bastante portuguesa: dois stints longos com pneus supermacios e uma parada na volta 74 para colocar os pneus macios, que duram bem mais. Eita, HRT.

JENSON BUTTON1 – Este Jenson Button abandonado pela sorte é paraguaio, não é possível. Mais uma vez, o inglês esteve simplesmente desaparecido e terminou o fim de semana com as mãos abanando. De bom, apenas o fato de ter liderado o segundo treino livre. Na qualificação, não conseguiu passar para o Q3 e teve de largar em 13°. Quase foi envolvido no acidente da largada e acabou ficando atrás da Caterham de Heikki Kovalainen. A partir daí, sua corrida praticamente acabou. Mesmo com um carro infinitamente melhor, não conseguiu ultrapassá-lo sequer após os pit-stops. Acabou abandonando com um pneu furado, em decorrência de um toque com o finlandês.

DANIEL RICCIARDO2,5 – Outro que anda numa fase meio complicada. Sempre nas posições intermediárias, o australiano não conseguiu fazer muita coisa nem nos treinos e nem na corrida. Tentou adiar ao máximo seu primeiro pit-stop, mas não conseguiu ganhar tempo porque estava calçado com pneus supermacios que estavam o pó da rabiola em suas últimas voltas. Abandonou porque passou por cima de uma zebra e começou a sentir o volante meio solto. Dirigir assim, num lugar com guard-rails aqui e ali, não dá.

CHARLES PIC3 – Saiu da corrida e ninguém percebeu. Teve problemas elétricos. O domingo, contudo, não foi dos piores. O francês aproveitou-se das confusões da largada e subiu para 16º logo na primeira volta. Embora tenha tido dificuldades para segurar os carros que vinham atrás, fazia um trabalho bastante digno até o abandono da volta 64. Garoto notável, fez a 14ª melhor volta da corrida.

MICHAEL SCHUMACHER6,5 – Chega a ser inacreditável o que acontece com o heptacampeão mundial, que ficou conhecido como um sujeito de sorte apurada nos seus tempos de Benetton e Ferrari. Justamente no grande prêmio em que perderia cinco posições no grid pelo acidente com Bruno Senna em Barcelona, Michael decidiu mostrar o que ainda sabe e marcou o melhor tempo da Q1, o que lhe daria a pole-position. Punido, teve de se expor às loucuras do meio do pelotão. Foi tocado por Romain Grosjean na largada e quase ficou por ali. Ficou preso no trem do Räikkönen e perdeu um tempão nessa. Tentou se recuperar adiando ao máximo seu pit-stop, mas só conseguiu perder uma posição. Para finalizar um domingo horrível com chave de estrume, teve um problema na bomba de combustível e abandonou pela bilionésima vez. Tem apenas dois pontos marcados.

VITALY PETROV1,5 – Ao contrário do companheiro de equipe, teve um fim de semana horrível. No treino oficial, ficou a poucos décimos à frente da Marussia e da HRT de Pedro de la Rosa. Na largada, tomou uma pancada de Kamui Kobayashi e acabou ficando com o bico quebrado. Após isso, sua corrida não durou mais do que quinze voltas. Um problema elétrico foi o responsável pelo fim da festa.

KAMUI KOBAYASHI2,5 – Pelos resultados apresentados em alguns treinos livres e no Q1 da classificação, parecia estar em condições boas o suficiente para obter um grande resultado. Mas não conseguiu sair do Q2 e teve de largar no meio do grid. Na largada, foi atingido pelo carro descontrolado de Romain Grosjean e decolou, esbarrando em alguns azarados pelo caminho. Acabou tendo a suspensão de seu Sauber danificada e não conseguiu fazer mais do que algumas voltas.

PEDRO DE LA ROSA3 – Só ganha esta nota pela excelente volta que conseguiu fazer no Q1 da classificação, três décimos mais rápida que a de Charles Pic e apenas dois décimos mais lenta que a de Timo Glock. Nunca um HRT foi tão competitivo num treino oficial. Infelizmente, a corrida acabou bem cedo para ele. Pastor Maldonado confundiu freio com acelerador e cérebro com intestino e acabou fazendo um strike na traseira de seu carro na St. Devote. Sem aerofólio traseiro, o veterano espanhol não conseguiu continuar.

PASTOR MALDONADO0 – Se não me engano, é a primeira vez neste blog que um piloto ganha um zero redondinho logo após ter ganhado dez na corrida anterior. Mas ele, um tonto, mereceu. No terceiro treino livre, sabe-se lá a razão, arremessou o carro sobre o de Sergio Pérez na descida da Mirabeau Bas e tomou uma merecida punição pela gracinha. Tendo de sair da última posição, ele deve ter ficado ainda mais nervoso e descontrolado. Na primeira curva, não freou a tempo e encheu a traseira do carro de Pedro de la Rosa. Abandonou no ato. Ainda bem, pois poderia terminar o dia tendo matado uns quinze se tivesse seguido em frente.

ROMAIN GROSJEAN3 – Era um dos candidatos sérios à vitória, ainda mais se considerarmos o excelente desempenho apresentado nos dois primeiros treinos livres. Na qualificação, caprichou e obteve um bom quinto lugar no grid, novamente à frente do companheiro Kimi Räikkönen. Mas é óbvio que tudo acabaria mal logo no comecinho. Encurralado por Fernando Alonso nos primeiros metros, Romain decidiu ir o mais para a esquerda possível e acabou abalroando Michael Schumacher. Com isso, rodou e perpetrou uma confusão daquelas. Terminou ali, parado e sem perspectivas. Mais uma corrida perdida por alguma bobagem nos primeiros instantes.

Anúncios