RED BULL10 – Dessa vez, tudo funcionou bem para os taurinos. Pole-position e dobradinha com austeridade. O carro foi rápido e funcionou por completo, o que é uma novidade nessa temporada. Se repetir o que fez em Kuala Lumpur, leva o caneco com facilidade.

MERCEDES7 – Ainda com o pior carro entre as grandes, levou seu primeiro pódio para casa com Rosberg. Schumacher teve um prosaico problema com uma porca de roda, mas enquanto teve as quatro rodas em bom estado, nunca chegou perto do companheiro.

RENAULT 7,5 – O carro não é tão ruim como a gente pensava. Kubica e Petrov conseguiram novamente ótimas largadas e o polonês terminou em um bom quarto lugar. O russo abandonou novamente, e pela segunda vez por problemas. Se acertar essa questão, consegue ser a quinta equipe com facilidade, e até beliscar a Mercedes de vez em quando.

FORCE INDIA8 – Vem evoluindo a cada dia, e Adrian Sutil fez um quinto lugar sem precisar de abandonos ou excepcionalidades. Liuzzi poderia ter pontuado também, mas o motor Mercedes falhou.

MCLAREN 2 – Como é que uma equipe de ponta comete aquela imbecilidade de deixar seus dois pilotos nos boxes quando a pista não estava tão ruim durante o Q1 da classificação? Os pontos só vieram porque o carro é naturalmente bom e os dois pilotos, principalmente Hamilton, estiveram muito bem.

FERRARI1,5 – O que eu escrevi sobre a McLaren vale para a Ferrari. Há ainda um adendo, porém: a embreagem e o motor de Alonso foram para o espaço na corrida.

TORO ROSSO7 – Marcou seus primeiros pontos com Alguersuari nesse ano. O carro funcionou bem para ele e nem tanto para Buemi, que teve problemas aerodinâmicos em decorrência de um toque.

WILLIAMS2,5 – O carro estava terrível em Sepang e tanto Rubens quanto Nico ficaram no fim das tabelas nos treinos livres. Os dois pilotos só foram para o Q3 na classificação devido à chuva. Na corrida, a realidade voltou à tona e Hülkenberg só pontuou por causa de problemas alheios.

VIRGIN3,5 – Teve seu melhor fim de semana, se é que dá pra considerá-lo assim. Glock foi para o Q2 pela primeira vez e Di Grassi levou seu carro vermelho e preto, também pela primeira vez, à linha de chegada. O carro continua lento e resistente como porcelana.

HRT6 – A evolução dos espanhóis é incrível. Dessa vez, tanto Chandhok quanto Senna levaram o carro até o fim, sendo a única estreante a ter conseguido isso na corrida. A performance do carro também evolui, ao contrário das outras estreantes.

LOTUS 3 – Terminou mais uma, dessa vez com Trulli. Kovalainen teve um toque com Di Grassi e abandonou depois. A novidade é ter ido ao Q2 com o finlandês. Levar ultrapassagem dos carros da HRT não deve ter sido bom para o orgulho da equipe, tida como a mais sólida entre as estreantes.

SAUBER 1 – Do que adianta ir bem nos treinos se o carro não faz sequer metade da corrida? De La Rosa nem largou e Kobayashi, que vinha bem, teve um motor estourado. É compreensível que os motores Ferrari não aparentam ser os mais confiáveis, mas ter dois quebrados com menos de dez voltas é demais.

CORRIDACINCO DA MATINA? – Pra uma corrida normal (sem chuva, terremotos e padres irlandeses), foi excelente, uma das melhores dos últimos anos. “Ah, mas os cinco primeiros não mudaram durante a corrida”. É verdade, mas a corrida não se resume apenas aos vencedores. E se querem saber de uma coisa, as disputas do sexto para trás foram excelentes. Sepang permite ultrapassagens em vários pontos, não entendo o porquê do povo falar mal da pista. O problema é esse horário. Chega um horário em que ver corrida de madrugada cansa, fora a possibilidade de você dar uma cochilada que vale por umas 40 voltas perdidas.

TRANSMISSÃO – UMA VEZ O MAURICIO GUGELMIN ME CONTOU… – Dessa vez, o Burti estava lá. Galvão e sua trupe falou o de sempre. De notável, apenas ter “celebrado” a ultrapassagem de Senna sobre Trulli no final da corrida e sequer ter mencionado a do Chandhok, que ocorreu voltas antes. Foi-se o tempo em que a geração de imagens na Malásia era uma merda.

Anúncios