Depois da vitória em Donington Park, Ayrton Senna passou por alguns perrengues em Imola (na chuva, sofreu dois acidentes nos treinos enquanto Prost vencia com facilidade, completa inversão de papéis) e terminou em um discreto porém eficiente segundo lugar em Barcelona. A próxima etapa seria no principado de Mônaco, dia 23 de Maio de 1993.

O brasileiro chegou a Mônaco com apenas dois pontos de desvantagem para Alain Prost, da Williams. Mas com pista seca, seria difícil arrancar a vitória da Williams. Pra complicar, logo no primeiro treino livre da quinta-feira, Senna rodou na “reta” dos boxes momentos antes da Saint Devote e bateu forte no lado interno da pista, destruindo por completo o lado esquerdo do carro. Bandeira vermelha e Senna sai do carro com fortes dores na mão. Na 1ª classificação, ele ficou em quinto.

No sábado, Senna teve um susto ainda maior, quando o fundo do McLaren raspou com força em uma ondulação na saída do túnel. O carro rodou em velocidade considerável e por pouco não bateu à la Karl Wendlinger nos pneus da chicane. A mão ainda doía e na segunda qualificação ele ainda conseguiu fazer o terceiro tempo, atrás apenas de Prost e Michael Schumacher.

A sorte mudou da água para o vinho no domingo. A largada de Senna não foi tão boa e ele quase perdeu a terceira posição para Damon Hill. Prost liderava, seguido de Schumacher. Mas havia algo de muito errado. A organização de prova suspeitava que o francês tinha queimado a largada. Replays exibidos, uma comissão de engravatados analisa e pimba: Alain Prost é punido com um stop-and-go de 10 segundos por irregularidade na largada. Prost pára nos pits na volta 12, mas os 10 segundos viram muito mais, quando ele deixa o motor morrer na saída. Acaba as chances de vitória do francês.

Michael Schumacher lidera e Senna é o segundo. Mas na volta 33, a Benetton começa a apresentar problemas hidráulicos e o alemão estaciona seu carro envolto pela fumaça na Loews. Acaba a corrida aí e quem é o líder? Ayrton Senna. Em, 1993, contrariando novamente todos os prognósticos de uma vitória da Williams, o raio caiu duas vezes no mesmo lugar.

E Senna venceu a corrida com folga. Sexta vitória, quinta seguida, o brasileiro passa a ser isolado o maior vencedor da história do principado. Ele também assume a liderança do campeonato, algo impensável pouco antes do início do mundial.

Um cara que vence seis vezes em um lugar como Mônaco é um artista, convenhamos.

Anúncios