MERCEDES GP PETRONAS


E ela está de volta! Depois de 55 anos, a marca das três pontas reaparece como equipe oficial de
Fórmula 1 (e esperamos que, dessa vez, nenhum carro seu saia voando em direção às arquibancadas). A Mercedes virá em 2010 com uma baita estrutura: um heptacampeão mundial (Schumacher), um piloto promissor que usa laquê (Rosberg), um piloto de testes que é tão bom quanto apagado (Heidfeld), Ross Brawn e a Petronas. É uma receita boa demais para dar errado. E nem pode: a cúpula da Mercedes já disse que se a equipe não vencer, ela será chutada para escanteio.

Sediada em Brackley, GB
12 corridas (resultados da antiga equipe de 1955)
9 vitórias
8 poles-positions
139,14 pontos

3- MICHAEL SCHUMACHER

Aqui pra concorrência, ó

Amado por muitos e odiado por outros tantos, é uma lenda viva do esporte. Sete títulos mundiais, 91 vitórias, 1369 pontos, 68 pole positions e mais de um bilhão de dólares de patrimônio. Tá bom para você? Michael, filho de um pedreiro e de uma atendente de lanchonete, estreou na Jordan em 1991 e, muito rapidamente, fez a subida para a Benetton, onde foi campeão duas vezes. Em 1996, migrou para a Ferrari e ficou lá por 10 anos, transformando a outrora capenga escuderia em uma potência nessa primeira década do milênio. Com a aposentadoria, foi se arriscar com motos, mas só aprendeu a cair. Volta à F1 para se divertir, para aumentar seus números e para retribuir o apoio da Mercedes no começo da carreira.

Alemão, de Hürth-Hermülheim, nascido em 3 de Janeiro de 1969
Campeão de F1 em 1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004
248 GPs disputados
91 vitórias
68 poles-positions
1369 pontos
Campeão da F3 alemã em 1990 e da F-König em 1988


4- NICO ROSBERG

Delicadeza

É uma coisa quase andrógina, um misto de Elisha Cuthbert e Kelly Key. Filho do ex-campeão Keke Rosberg, Nico é o típico filhinho certinho de origem nobre. Fala cinco línguas fluentemente (a saber: inglês, espanhol, italiano, francês e alemão) e chegou a ser aprovado para o curso de Aerodinâmica na Imperial College inglesa. Porém, preferiu as pistas. Depois de ser campeão da GP2 em 2005, estreou na Williams em 2006, equipe pela qual correu até o ano passado. No começo, não passava de um cara rápido que não andava na chuva e que não sabia fazer uma corrida inteira sem quebrar o bico do carro. No ano passado, melhorou muito. Agora, na Mercedes, terá a chance de sua vida.

Alemão, de Wiesbaden, nascido em 27 de Junho de 1985
70 GPs disputados
2 pódios
75,5 pontos
Campeão da GP2 em 2005 e da F-BMW ADAC em 2002

Anúncios