Bahrain F1 protest

SEBASTIAN VETTEL9,5 – Parecia que estava que em outra categoria, tamanha era a vantagem em relação aos concorrentes. Não foi tão bem nos treinos e ficou atrás de Nico Rosberg no grid de largada, mas mostrou o porquê de ser o maior astro do grid atual ao fazer uma corrida absolutamente avassaladora. Recuperou facilmente a posição perdida para Fernando Alonso na primeira volta e também não teve nenhum trabalho para roubar a liderança de Rosberg na terceira volta. Depois disso, auf wiedersehen pra galera.

KIMI RÄIKKÖNEN9 – Mineiro como sempre, comendo quieto pelas beiradas. Em Sakhir, assim como nas demais etapas, não tinha de forma alguma o melhor carro, mas soube pegar os limões e fazer uma boa caipirinha. Nos treinos, liderou um dos treinos livres e só. Largando apenas em oitavo, apostou numa estratégia agressiva que, combinada com o baixo consumo de pneus proporcionado pelo E21, funcionou muitíssimo bem. Sobreviveu 15 voltas com pneus macios e fez dois longos stints com os duros, realizando um pit-stop a menos que o resto do pessoal. O destino o premiou com um ótimo segundo lugar. Mas dessa vez, não teve álcool no pódio. Sigh.

ROMAIN GROSJEAN8,5 – Como é bom ver Romain Grosjean, sempre meio doido, fazendo uma corrida competitiva e sem erros. O franco-suíço, muito apático nas três primeiras etapas, superou o desempenho apenas morno nos treinos para realizar uma de suas melhores atuações na carreira. Embora tenha utilizado uma estratégia totalmente diferente da de Kimi Räikkönen, com três pit-stops e pneus duros nos dois primeiros stints, Romain conseguiu andar bem durante todo o tempo graças à capacidade de conservação de pneus de seu carro e foi ganhando posições numa boa. No final da corrida, com pneus macios, passou como um foguete por Paul di Resta e assegurou seu primeiro pódio no ano.

PAUL DI RESTA9,5 – Uma das sensações do fim de semana, andou bem durante todo o tempo e só não conseguiu seu primeiro pódio na Fórmula 1 por mero detalhe. Ficou entre os dez primeiros em todos os treinos, inclusive o classificatório, obtendo um quinto lugar no grid graças ao seu pé pesado, ao carro e às punições que ferraram com as vidas de Lewis Hamilton e Mark Webber. No domingo, chegou a andar algumas voltas na liderança e esteve durante quase todo o tempo entre os quatro primeiros. Vinha confortavelmente em terceiro, mas acabou sendo engolido pelo surpreendente Romain Grosjean na volta 52. Em suma, fez uma puta jogada, driblou todo mundo e chutou a bola na trave.

LEWIS HAMILTON6,5 – Em se tratando se estado de espírito, da mesma forma que Paul di Resta chutou na trave, Lewis Hamilton fez um joguinho burocrático e ainda conseguiu ganhar de 1×0. Passou por dificuldades nos treinos e até teve de trocar a caixa de câmbio, o que o obrigou a largar em nono. Apostando numa estratégia conservadora de três pit-stops, também não deu para brilhar muito no domingo. Pelo menos, travou um duelo bacana com Mark Webber no final e venceu. E sei lá como, terminou à frente de gente que foi melhor.

SERGIO PÉREZ8 – Foi o showman da corrida, um alívio para quem precisava tanto de uma atuação mais chamativa. Não esteve entre os dez primeiros em nenhum dos treinos, um pecado dos maiores para um piloto da McLaren, mas compensou com uma atuação de arrepiar os cabelos na corrida. Logo na largada, abocanhou várias posições. Depois, passou um tempão atormentando o companheiro Jenson Button. Ultrapassou, foi ultrapassado e até meteu um toque de leve no carro do colega. O campeão de 2009 ficou bastante #chatiado com a postura do chicano, mas só ele. Todo mundo gostou. Ótimo sexto lugar.

MARK WEBBER4,5 – Depois do vexame no GP da China, fez uma típica corrida de funcionário público no Bahrein. Embora não tenha ido propriamente mal nos treinos, teve sua posição no grid prejudicada devido à punição pelo acidente tosco com Jean-Éric Vergne na corrida anterior. Sua atuação no domingo não foi lá aquela maravilha pintada de ouro. Ganhou algumas boas posições na primeira rodada de pit-stops e teve problemas com os pneus duros no segundo stint. No fim da corrida, vinha numa razoável quinta posição, mas perdeu duas posições na última volta. Que ducentésimo GP aborrecido, não?

FERNANDO ALONSO5 – Era, possivelmente, o único cara com alguma chance de superar Sebastian Vettel na corrida, já que possuía, segundo ele próprio, “o melhor Ferrari dos últimos quatro anos”. Nos treinos, andou muitíssimo bem, liderou um treino livre e pegou um bom terceiro lugar no grid. Tudo, contudo, foi para o ralo quando a maldita asa traseira, aquele trocinho do demônio que não deve custar mais do que uns dez paus no mercado paralelo, falhou e o Jangadeiro das Astúrias teve de ir aos boxes duas vezes para que os mecânicos desse um jeito no bagulho na base da porrada. Sem poder usar o DRS, as chances do cara se resumiram a brigar por uns pontinhos. E ele conseguiu quatro. Melhor do que nada, né?

NICO ROSBERG3 – Dá para dizer algo de bom sobre um piloto que larga na pole-position e, sem problemas aparentes, termina em nono, atrás de um monte de gente fodida? Não, é claro. A loirinha germânica andou muito bem nos treinos e marcou a segunda pole-position seguida para a Mercedes. Tinha a obrigação de, pelo menos, ter subido ao pódio. Ao invés disso, perdeu terreno logo no começo da corrida e foi ultrapassado de maneira até covarde pelos demais pilotos. Estava tão embananado com os pneus que foi obrigado a fazer um quarto pit-stop, o que arruinou definitivamente qualquer chance de um bom resultado. Só não pegou nota menor pelo que fez na sexta e no sábado.

JENSON BUTTON4,5 – Não teve exatamente uma atuação estritamente ruim, mas também não chamou a atenção de ninguém e terminou o domingo com apenas um pontinho. Sempre sofrendo com o baixo desempenho do carro da McLaren, Jenson conseguiu apenas um décimo lugar no grid e por mais que tenha tentado coisa melhor, repetiu o mesmo resultado na corrida. Embora tenha largado bem, feito algumas ultrapassagens e tal, teve problemas com o espevitado Sergio Pérez e com uma estratégia meio porca.

PASTOR MALDONADO4 – Quando você fica razoavelmente satisfeito com um 11º lugar, é porque sua vida anda uma merda. Apanhando do carro, o venezuelano foi tão mal nos treinos que não conseguiu sequer passar para o Q2 da classificação, largando na nona fila. No domingo, até que não fez um trabalho ruim: mesmo parando três vezes como a maioria dos rivais, ganhou algumas posições e terminou à frente de gente com um carro melhor que o seu. Mas ponto que é bom, nada.

NICO HÜLKENBERG3 – Outro que apanhou feio do carro. Nas sessões livres e na classificação, pouco fez. Largou apenas em 14º e terminou apenas duas posições à frente. Com a mesma estratégia de três pit-stops da concorrência, não dava para sonhar com um pulo do gato. E os pneus também não colaboraram. O fato é que, nesse início de temporada, a vida não poderia estar sendo mais difícil para o jovem alemão.

ADRIAN SUTIL4 – Pelo desempenho nos treinos, tinha chances de ter ido tão bem quanto o companheiro Paul di Resta. Mas a sorte não está do lado do alemão, que comprometeu sua corrida na primeira volta pela segunda vez consecutiva. Sexto colocado no grid, Sutil foi tocado por Felipe Massa e teve de ir para os boxes na segunda volta por causa de um pneu furado. Pelo menos, a partir daí, ele se divertiu bastante. Mesmo tendo de fazer um stint longuíssimo com o segundo jogo de pneus duros, o cidadão ganhou várias posições e terminou numa posição até que razoável para quem estava totalmente sem chances.

VALTTERI BOTTAS5 – Teve alguns brilharecos bem sutis, como o 12º lugar no primeiro treino livre, o fato de ter largado duas posições à frente de Pastor Maldonado e o quarto posto na volta 11 da corrida. Só assim mesmo para encontrar razões para elogiar o finlandês com cara de biscoito, vítima da ruindade do carro da Williams. Mas a verdade é que Valtteri fez seu trabalho novamente. Largou e chegou ao fim sem danificar o carro, coisa que o colega nem sempre consegue fazer.

FELIPE MASSA3,5 – Muito azarado, o aniversariante de hoje. Muito mesmo. O brasileiro, que já venceu esse GP em 2007, tinha um carro legal para essa corrida e chegou a liderar o primeiro treino livre. Na classificação, ficou num razoável quarto lugar, logo ao lado de Fernando Alonso. A felicidade acabou aí. Logo na largada, Felipe partiu mal e perdeu posições para os dois carros da Force India. Na ânsia de recuperar posições, tocou em Adrian Sutil e danificou uma asa. Sua estratégia de fazer um primeiro stint mais longo com compostos duros também foi para o ralo quando ele fez seu pit-stop na volta dez. Depois, ainda teve dois pneus furados, ambos na mesma parte do carro! Depois de tanta merda, não dava mesmo para ter terminado em posição melhor.

DANIEL RICCIARDO3 – Apareceu razoavelmente bem nos treinos, com destaque para o 13º lugar no grid. Na corrida, a Toro Rosso preferiu substituir o STR8 por um Chevette e o resultado foi um desempenho ridículo do australiano. Mesmo tendo feito a corrida inteira, a volta mais rápida de Ricciardo foi simplesmente a 21ª pior do grid, melhor apenas do que a de seu companheiro Jean-Éric Vergne, que abandonou logo no começo. O cara teve inúmeros problemas com os pneus e com os freios e até deu sorte de não ter sido superado pelos cacarecos da Caterham e da Marussia.

CHARLES PIC6,5 – Depois de três fins de semana dominados por Jules Bianchi, o francês da equipe verde finalmente mostrou a que veio. Num GP em que os carros da Caterham renderam mais do que os da Marussia, Pic não deu chances ao rival Bianchi e aos seus demais concorrentes diretos. Beneficiado também pela punição de Esteban Gutiérrez, Charles largou numa ótima 18ª posição. Na corrida, ele conseguiu manter o mexicano atrás durante quase todo o tempo e ainda terminou a apenas dez segundos de Daniel Ricciardo. Excelente.

ESTEBAN GUTIÉRREZ0 – Quatro corridas, duas notas zero consecutivas. Vai bem, o novato mexicano.  Que seu fim de semana já estava arruinado por causa da punição relativa ao estúpido acidente de Shanghai, todo mundo já sabia. O que ninguém imaginava é que seu desempenho seria tão horrível durante treinos e corrida. Nas sessões livres, Gutiérrez foi tão mal que chegou a terminar uma delas com o pior tempo. No treino classificatório, só superou os carros das equipes nanicas e ainda teve de largar em último devido à punição. Na corrida, não conseguiu sequer superar o Caterham de Charles Pic. Vai muito bem, o Esteban.

JULES BIANCHI3 – Dessa vez, não deu para manter o pique dos três GPs anteriores. É bom que se diga que as condições não lhe foram favoráveis. No primeiro treino livre, Bianchi teve de conceder seu lugar ao venezuelano Rodolfo Gonzalez. Com menos tempo de pista, não deu para compensar muito e o francês teve uma classificação razoavelmente fraca, ficando pouco à frente dos roda-presa Giedo van der Garde e Max Chilton. Na corrida, Jules parou quatro vezes nos boxes e não fez muito mais além de levar o carro até a bandeirada.

MAX CHILTON2 – Aproximou-se um pouco de Jules Bianchi nesse último fim de semana, mais por queda de desempenho do francês do que por uma melhora milagrosa do filhinho de papai britânico. Sem grandes novidades nos treinos, Chilton só escapou da última posição no grid por causa da punição de Esteban Gutiérrez. Pelo menos, ficou à frente do rival direto Giedo van der Garde por causa dos problemas do holandês. E chegou ao fim novamente.

GIEDO VAN DER GARDE2,5 – Se tivesse tido mais sorte, poderia ter finalizado à frente de Max Chilton. Ficou sem participar do primeiro treino livre para dar lugar a Heikki Kovalainen, que voltou para dar uma força à Caterham. Deu-se relativamente bem no treino oficial ao escapar da última fila, mas perdeu tudo com o acidente com Jean-Éric Vergne na largada. Com o bico estourado, não teve como fazer muita coisa a não ser se arrastar até a linha de chegada.

JEAN-ÉRIC VERGNE2,5 – Foi o único piloto a abandonar, vítima de problemas resultantes do acidente com Giedo van der Garde na primeira volta. O francês, que havia feito um trabalho razoável com o lamentável carro da Toro Rosso nos treinos livres, largou em 16º e foi colocado para fora ainda na primeira volta por Valtteri Bottas. O pobre Van der Garde não conseguiu desviar e chapuletou o bólido de Jean-Éric, que ficou com um pneu furado e um assoalho quebrado. Ele tentou reparar o carro nos boxes e chegou a dar algumas voltas lentas, mas preferiu abandonar e ir pra casa mais cedo.

Anúncios