kualalumpur

SEBASTIAN VETTEL9 – Foi ele o melhor do fim de semana malaio? Um cara que lidera um dos treinos livres, marca a pole-position com quase um segundo de vantagem e vence a corrida deve obrigatoriamente estar na lista dos pilotos de destaque do GP da Malásia. Mas a crise interna que ele deflagrou após desrespeitar uma ordem de equipe na parte final não mereceu aplausos. O alemão liderou as primeiras voltas, mas perdeu a ponta para o companheiro Mark Webber já no primeiro pit-stop. Ele só conseguiu se recuperar no último stint, enquanto voava com pneus duros. Se tivesse ouvido as ordens de sua equipe, teria chegado em segundo e (quase) todos estariam felizes. Mas preferiu ganhar apenas para si. Como culpar um piloto de corridas por ele ter feito seu trabalho? Simples: basta considerar que ele também é funcionário de uma empresa e precisa cumprir ordens.

MARK WEBBER8,5 – O outro personagem da guerra civil rubrotaurina. É verdade que seu desempenho nos treinos realmente não justificava nenhum grande tratamento por parte da Red Bull. Mas lhe dou a razão na briguinha contra Sebastian Vettel. O australiano liderou 32 voltas graças a uma estratégia espertinha no início da corrida e estava merecendo mais do que qualquer um a glória. Sua própria equipe sabia disso, tanto que pediu para que seus dois pupilos levantassem o pé após o último pit-stop. Um obedeceu. O outro, não. E o resultado foi aquela cara de limão azedo de Mark Webber no pódio. Certamente, ele já deve ter cadastrado seu currículo na Catho.

LEWIS HAMILTON8,5 – Saudade é um negócio que dói. E que eventualmente nos leva a fazer algumas cagadas. Na sétima volta do GP malaio, Lewis Hamilton entrou nos boxes para trocar seus pneus intermediários por compostos para pista seca. Manobrou, virou à direita e entrou no espaço… da McLaren, a equipe que o abrigou durante dezessete anos. Ao perceber a burrada, seguiu de volta ao pitlane e, enfim, encontrou os mecânicos de sua nova casa, a Mercedes.  Todo mundo riu, até mesmo o Ron Dennis, que não ri de nada. No mais, o desempenho do piloto inglês tanto nos treinos como na corrida foi bem melhor do que em Melbourne. Pena foi a ordem de equipe que impediu o duelo com o companheiro Nico Rosberg no final da corrida. Lewis, pelo visto, também gosta dessas coisas.

NICO ROSBERG8 – Sua pilotagem anda em boa fase, mas o que dizer da autoestima? Nico andou sempre entre os dez primeiros nos treinos e até chegou a liderar o Q2 da qualificação. Largou apenas em sexto, mas tinha cancha para ter feito mais. Na corrida, a loira alemã ganhou algumas posições ainda no início e permaneceu a maior parte do tempo andando em quarto e paquerando o pódio do colega Lewis Hamilton. No final da corrida, tinha mais carro que Hamilton e queria ultrapassar, mas o patrão Ross Brawn foi categórico: “negativo!”. O cidadão teve de abaixar as orelhas e levar o carro até o fim, com o rabo entre as pernas. Coitado. Para quem está na Mercedes desde 2010, um tratamento digno de quem só usa elevador de serviço.

FELIPE MASSA6,5 – Seu grande momento, sem sombra de dúvida, foi o segundo lugar no treino classificatório, melhor posição desde o já distante GP do Bahrein de 2010. Um bom sinal de que o Felipe Massa pré-mola está de volta. É uma pena que sua corrida tenha sido tão discreta. O brasileiro largou mal e perdeu um bocado de tempo após o primeiro pit-stop por causa dos pneus médios em pista molhada. No segundo pit-stop, ganhou as posições de Nico Hülkenberg e Romain Grosjean. Terminou em quinto, resultado apenas OK para alguém que chegou a sonhar com o pã-pã-pã global.

ROMAIN GROSJEAN7 – Em sua nova fase, um pouco mais comportada, Romain Grosjean superou Kimi Räikkönen e obteve o melhor resultado da Lotus no GP da Malásia. O franco-suíço não brilhou nos treinamentos, sua especialidade no ano passado, mas compensou com um bom desempenho no domingo. Ganhou boas posições nas primeiras voltas e passou boa parte do tempo atormentando Felipe Massa, que estava mais lento. Posteriormente, o brasileiro sumiu na frente, mas Romain ainda conseguiu permanecer imediatamente atrás, sem ser incomodado por mais ninguém. Não brilhou, mas fez o dever de casa.

KIMI RÄIKKÖNEN4,5 – Depois de vencer em Melbourne, o finlandês asperger pouco fez em Sepang. E o que fez não é lá muito digno de elogios. Kimi até sentou a bota nos treinos, com destaque para o primeiro lugar na segunda sessão livre, mas as coisas começaram a desandar já na qualificação, com uma punição de três posições por ter bloqueado Nico Rosberg. E os maus ventos não acabaram aí. Na largada, bateu em alguém e danificou o bico de seu carro. No decorrer da prova, teve trabalho com Nico Hülkenberg e quase se chocou com o alemão nos boxes. Não superou Romain Grosjean e teve de se contentar com o sétimo lugar.

NICO HÜLKENBERG6,5 – Fez sua primeira corrida do ano na Malásia. E não foi mal. A Sauber realmente errou a mão no C32 e o bichinho acabou se mostrando mais lento e incompetente que o esperado, algo provado pelos maus resultados de Hülkenberg e Esteban Gutierrez nos treinos. Na corrida, o alemão se recuperou bem com uma boa largada e a sacada de ficar mais tempo com os intermediários nas primeiras voltas, o que lhe possibilitou ganhar mais posições. Durante a corrida, chamou a atenção pelo duelo com Kimi Räikkönen, que foi estendido até o espaço do pitlane. Não venceu a parada, mas terminou num bom oitavo lugar.

SERGIO PÉREZ5 – Fez seus primeiros pontos desde há muito tempo, e também os dois primeiros pontos na McLaren. Mas não foi um grande fim de semana, longe disso. É verdade que sua equipe trouxe atualizações emergenciais que melhoraram o desempenho do MP4-28 em relação à Austrália, mas o mexicano ainda penou bastante nos treinos, conseguindo apenas um mirrado décimo lugar no grid. Na corrida, teve bons duelos no meio do pelotão e conseguiu ficar sempre na zona de pontuação. Poderia ter ido melhor, se não tivesse feito um pit-stop extra nas últimas voltas. De qualquer jeito, pontuar nunca é uma coisa ruim.

JEAN-ÉRIC VERGNE5 – Caso curioso: não costuma fazer corridas exuberantes, mas sempre está marcando um pontinho ou outro. Fica até difícil para eu explicar como ele conseguiu o décimo lugar em Sepang. No treino oficial, perdeu tempo atrás de um retardatário no Q1 e ficou apenas em 17º. Na corrida, só apareceu quando bateu com Charles Pic nos boxes, incidente ocasionado graças ao imprudente mecânico da Toro Rosso que permitiu que JEV voltasse ao pitlane quando havia gente no meio do caminho. Andou razoavelmente bem na segunda parte da corrida e superou alguns pilotos que haviam largado à sua frente.

VALTTERI BOTTAS4 – Está apanhando da falta de experiência e da ruindade do carro, mas chegou ao fim de mais uma corrida e é o único piloto da Williams que não vem dando prejuízos. O finlandês nunca tinha pisado na Malásia e isso explica em parte o triste 18º lugar no grid. Na corrida, apesar da má largada, não fez feio e chegou a ocupar a décima posição. Terminou a 1s5 da zona de pontuação. Devagar e sempre, vai aprendendo.

ESTEBAN GUTIÉRREZ3,5 – Por ter largado mais à frente, por ter um conhecimento melhor de Sepang e por pilotar um carro melhor, não deveria ter finalizado atrás de Valtteri Bottas. Mas finalizou, o que não ajudou em nada na sua imagem. Sofreu nos treinos e pouco apareceu durante a corrida. Poderia até ter feito um pontinho, mas seus pneus estavam muito desgastados e o piloto mexicano teve de fazer um pit-stop extra nas últimas voltas.

JULES BIANCHI8 – Continua arrepiando no modesto carro rubro-negro da Marussia. Bater os carros da Caterham já não é mais nenhum desafio para o francês, que desafiou gente com bólidos teoricamente melhores em Sepang. Num dos treinos livres, superou o Williams de Pastor Maldonado. Durante a corrida, Jules ficou um bom tempo à frente de nomes como o próprio Maldonado, Valtteri Bottas e Jean-Éric Vergne. Terminou numa excelente 13ª posição. Tudo indica que será ele o cara a marcar o primeiro ponto da história da Marussia.

CHARLES PIC4,5 – Coitado dele. Quando tudo indicava que seria ele o melhor piloto das equipes nanicas, eis que surge o compatriota Jules Bianchi chutando bundas para lá e para cá. E a sorte também não está do seu lado. Logo no início da corrida, Pic foi atingido com tudo por Jean-Éric Vergne dentro dos boxes. Estourou um bico e perdeu um tempão com o conserto. Diante disso, não deixa de ser notável que ele ainda tenha conseguido terminar à frente do companheiro Giedo van der Garde e de Max Chilton. Não o subestimem.

GIEDO VAN DER GARDE3 – É, definitivamente, o segundo piloto da Caterham, ainda que seja o que mais injete dinheiro na equipe. Não teve muito o que fazer durante os treinos, ainda que ficar atrás do companheiro Charles Pic em três das quatro sessões não seja o melhor dos cartões de visita. Na corrida, fora um pequeno furo de pneu nas primeiras voltas, nada de espetacular lhe aconteceu.

MAX CHILTON2 – Enquanto o companheiro Jules Bianchi cutucou gente das equipes médias, o filhinho de papai britânico não conseguiu sequer incomodar os pilotos da Caterham. Último colocado nos três treinos livres, Chilton só conseguiu superar Giedo van der Garde no treino oficial. No domingo, perdeu tempo logos nos primeiros metros, não conseguiu se recuperar e terminou a prova duas voltas atrás. É uma pena que seu dinheiro faça tanta falta para a Marussia.

JENSON BUTTON7 – Mesmo que não tenha terminado o GP da Malásia, foi um dos destaques do fim de semana. O carro da McLaren já não era mais aquela vergonha da Austrália, mas também não estava nenhuma maravilha. Jenson sofreu um pouco nos treinos, nem tanto quanto o companheiro Sergio Pérez, e ainda abocanhou um sétimo lugar no grid. Fez ótima largada e andou quase que todo o tempo na quinta posição, mantendo vivo o sonho do pódio. Mas o sonho virou pó na volta 35, quando seus mecânicos não parafusaram direito a roda dianteira esquerda no carro e Jenson acabou perdendo um baita tempão. Nas últimas voltas, já fora da zona de pontos e com problemas na suspensão, preferiu abandonar a prova.

DANIEL RICCIARDO3 – Nos três treinos livres, ficou atrás de Jean-Éric Vergne. No treino classificatório, deixou o companheiro francês para trás pela primeira vez. Sua má sorte parecia estar mudando, mas o australiano voltou a ter dificuldades no domingo. Escapou na curva 3 antes mesmo da largada e andou em 11º durante a maior parte do tempo unicamente para abandonar a prova nas últimas voltas devido a problemas no escapamento.

PASTOR MALDONADO2 – Não tem carro, não tem cabeça e também não tem sorte. Resultado: novo abandono. O venezuelano ainda foi mais rápido que o companheiro Valtteri Bottas nos treinos, mas não fez absolutamente nada na corrida. Também escapou na curva 3 antes da largada, danificou a asa dianteira após outra escapada na curva 11 e abandonou a prova devido a problemas com o KERS. Enquanto esteve na pista, sequer sonhou com os pontos.

ADRIAN SUTIL7,5 – Um dos destaques desse início de temporada. Rápido desde os treinos, o piloto alemão não merecia ter saído da Malásia sem nenhum ponto. Liderou o Q1 da classificação e só não conseguiu posição melhor no grid porque a pista ficou molhada no Q3. Antes do primeiro pit-stop, estava entre os dez primeiros e provavelmente terminaria a prova numa boa posição. Contudo, para sua enorme infelicidade, a Force India havia desenvolvido um parafuso de roda completamente porco que simplesmente inviabilizou os trabalhos de troca de pneus de seus dois pilotos. Prejudicado, Sutil perdeu muitíssimo tempo nos dois pit-stops e teve de abandonar a corrida compulsoriamente.

PAUL DI RESTA5,5 – Também poderia ter feito um bom fim de semana e também se ferrou por causa do maldito parafuso de roda da Force India. Não foi tão bem como Adrian Sutil nos treinos e só conseguiu o 15º lugar no grid, mas recuperou-se bem nas primeiras voltas e certamente marcaria alguns pontos. Os dois pit-stops desastrosos acabaram enterrando qualquer chance e Di Resta foi obrigado a abandonar.

FERNANDO ALONSO3 – A nota baixa pode ser explicada por duas razões. Em primeiro lugar, ficar atrás do companheiro Felipe Massa, segundo piloto de jus e de facto, nunca é bom. Em segundo lugar, a desastrosa primeira volta. Alonso até largou bem e passou Massa logo nos primeiros metros, mas danificou a asa dianteira de seu carro na roda traseira do Red Bull de Sebastian Vettel logo em seguida. Fernando queria ir para os boxes, mas a equipe recomendou que ele permanecesse na pista até quando desse. Decisão burra: a asa traseira explodiu logo no início da segunda volta e o espanhol acabou parando na caixa de brita. Péssimo resultado para alguém que está desesperado com esse negócio de terceiro título mundial.

Anúncios