Passou meio despercebido porque foi no sábado e sábado não é dia de ficar cuidando de blog, mas o Marcelo Necro (visitem o blog dele, aliás) deu o lembrete no Twitter. Neste último dia 18, o Bandeira Verde completou dois anos de vida. Foram 730 dias de existência neste palheiro em chamas que é a internet. Legal. Já durou mais do que eu imaginava.

Naquele 18 de fevereiro de 2010, não aconteceu muita coisa na humanidade. Muricy Ramalho acabou deixando o posto de técnico do Palmeiras e a Câmara Legislativa do Distrito Federal abriu processo de impeachment contra o então governador José Roberto Arruda, aquele dos panetones. Pena, pois adoro fazer conexões de contemporaneidade entre um fato banal e outro grandioso. Sendo assim, falo de como e por que este espaço surgiu.

O Bandeira Verde surgiu em uma época na qual eu andava meio insatisfeito com tudo. Sabe aquela coisa do homem precisar ter um filho, plantar uma árvore e escrever um livro para poder morrer realizado? A questão do filho vai ficar para mais tarde, isto se eu não preferir criar alguns gatos ou um avestruz. Uma árvore sempre é bem-vinda. Gosto de árvores, pois é muito ruim sentar na grama para beber cerveja e ter de encostar as costas em um muro. Mesmo assim, nunca plantei uma. Não conheço nada de jardinagem e sou meio avoado – se uma planta dependesse do meu senso de responsabilidade para sobreviver, estaria condenada.

Restaria escrever um livro. Livro não é para gente pobre como eu. Eu só poderia apelar à internet. Sempre gostei de escrever e já tive alguns outros blogs antes desse. Um deles era o Edifício Itapetininga (se puderem encontrar em algum cache da vida, recomendo), onde eu e mais alguns amigos escrevíamos crônicas sobre famílias esquisitas e empresas obscuras devidamente instaladas em um edifício em São Paulo (Sampa foi a escolha natural porque Campinas não possui sequer um teatro municipal em funcionamento, quanto mais atmosfera humanística para ser o cenário de crônicas comezinhas sobre as pessoas). Era engraçado e divertido pacas. É muito mais agradável escrever sobre a mulher que não consegue um namorado que entenda sua mania de roer unhas do pé do que falar sobre Bernie Ecclestone.

Pois bem, fora algumas historinhas banais, o único assunto que eu domino é o automobilismo. Eu até sei discorrer razoavelmente sobre economia brasileira, gastronomia molecular ou as belezas da Ásia Central, mas nenhum destes assuntos conseguiria ser destrinchado com acurácia em um texto como as poluidoras corridas de automóveis. Gosto de escrever. Para mim, é um enorme prazer fechar um texto de cinco páginas no Word. No início de 2010, precisava fazer isso para encontrar alguma forma de relaxar e ter prazer em uma fase meio tediosa da vida. Após sugestão de um amigo, decidi abrir um blog que falasse sobre Fórmula 1. E outras coisas mais.

OK, comprei um domínio, arranjei um espaço no WordPress e até fiz um template bacana com a McLaren do Senna subindo a Beau Rivage. Precisava apenas definir um diferencial. Contar historinha ou opinar? A primeira opção é complicada porque você nem sempre vai achar tanto material relevante, embora eu viva rodeado de zilhões de revistas e livros. A segunda também é porque opiniões costumam ser sempre carregadas de arrogância, moralismo e principalmente inverdades. Então, decidi simplesmente escrever aquilo que gostaria de ler: odes amalucados aos grids gigantescos, a um automobilismo mais amador e a esquisitices como Enna-Pergusa e Onyx. Se bem argumentadas, estas besteiras poderiam até cativar alguns leitores.

Felizmente, deu certo. Hoje, o blog possui números ainda distantes do meu objetivo de controlar todas as mentes humanas e o sistema financeiro mundial, mas que também não são tão ruins assim: mais de 422 mil pageviews, 569 posts e 3.482 comentários. Perto de alguns blogs de automobilismo, são resultados baixos. Mas são crescentes. E o meu orgulho maior não é quantitativo, mas totalmente qualitativo.

Tenho leitores inteligentes e fiéis, que não são muitos comuns em um meio tão cheio de gente limitada como é o esportivo. Alguns destes leitores são caras que eu lia desde há muito tempo, como o Luiz Alberto Pandini, que era o editor da melhor revista de automobilismo que este país já teve nos anos 90, e o Speeder, dono do blog de automobilismo mais completo em língua portuguesa. Além disso, já fui visitado por gente graúda do meio, como os ex-F1 Ricardo Rosset, Enrique Bernoldi e Roberto Moreno, que me concedeu uma belíssima entrevista.

Se não fosse este capital humano que cerca o Bandeira Verde, eu não estaria torrando meu tempo escrevendo este monte de coisa. Portanto, acima de tudo, um enorme obrigado a todos vocês que fizeram esta merda aqui chegar ao aniversário de 730 dias. Distribuo um pedaço de bolo a cada um.

Mentira, não dou comida de graça a ninguém. Se quiser comer, vá trabalhar.

Verde

Anúncios