Não é a primeira vez que eu posto um vídeo sobre a temporada 1998 da Fórmula 3000 Internacional, a melhor categoria que já existiu. Há algum tempo, durante uns dias nos quais eu estava sem tempo e criatividade, postei a mítica etapa de Enna-Pergusa, aquela em que Nick Heidfeld e Juan Pablo Montoya ficaram trocando ultrapassagens e rodadas num esforço coletivo para que ambos não terminassem a corrida. A Fórmula 3000 era fenomenal, até mesmo em um lugar como Mônaco.

Em 1998, Bernie Ecclestone decidiu dar um jeito na sua categoria-escola. Para aproximá-la mais da Fórmula 1, o velho asquenaze montou um calendário que seguia praticamente todas as etapas europeias da categoria principal. Com exceção das rodadas de Oschersleben, Pau e Enna-Pergusa, todas as demais eram realizadas como preliminares dos GPs de Fórmula 1. Graças a isso, vários circuitos puderam ser utilizados pela primeira vez pela Fórmula 3000. Um deles era exatamente a lendária pista de rua de Mônaco.

34 pilotos estavam inscritos para disputar a corrida monegasca, agendada para o dia 23 de maio de 1998, logo após o treino oficial do GP de Mônaco de Fórmula 1. Você, já acostumado com o baixo número de carros dos grids atuais, deve ter ficado meio assustado com um número desses num lugar como Montecarlo, mas a Fórmula 3000 era assim mesmo. Só que até ela ficou coçando a cabeça enquanto tentava encontrar uma solução para comportar tanta gente assim pelo menos nos treinos classificatórios. Aí alguém deu a ideia: que tal promovermos uma pré-classificação só para esta corrida?

Gostaram. A corrida de Mônaco de 1998 foi, portanto, a única da história da Fórmula 3000 Internacional que contou com uma sessão de pré-classificação, que eliminou quatro pilotos e aprovou trinta para a disputa dos treinos oficiais. Um dos quatro eliminados foi justamente o brasileiro Max Wilson, que até vinha numa temporada boa até então.

O astro deste post é o colombiano Juan Pablo Montoya, aquele que todos conhecemos. O colombiano estava em sua segunda temporada na Fórmula 3000 e era o franco favorito ao título, pois corria por uma equipe muito boa, a Super Nova, e era o mais arrojado entre todos os caras do grid. Antes da corrida de Mônaco, Montoya era o líder do campeonato com 20 pontos marcados em duas vitórias obtidas até ali. Seu maior rival era o alemão Nick Heidfeld, que tinha 15 pontos. A briga entre os dois em 1998 foi das coisas mais legais que o automobilismo internacional teve naquele final de década.

Mesmo não contando com todos os 34 carros inscritos, o treino classificatório foi uma bagunça. Você imagina o que são trinta carros de 450cv conduzidos por jovens cabaços e desastrados em um apertadíssimo traçado citadino de apenas 3,3 quilômetros de extensão. É óbvio que não tinha como isso dar certo. Qualificar-se para o grid exigia basicamente a sorte grande do sujeito conseguir fazer uma volta sem pegar tráfego algum, algo totalmente improvável.

Sabendo disso, Montoya quis dar uma de espertão. Antes de abrir uma volta rápida, o colombiano sempre desfilava por Montecarlo na menor velocidade possível com o único intuito de criar um espaço aberto logo à sua frente. Isso também implicava em atrapalhar a vida dos pilotos que vinham atrás em voltas rápidas, mas ele não estava nem aí. A organização não gostou da malandragem e o puniu eliminando suas três voltas mais rápidas. Com o tempo que lhe sobrou, 1m31s998, ainda deu para largar da sétima posição. O problema é que o rival Heidfeld saía na segunda posição.

Você acha que as peraltices de Montoya acabaram aí? Vamos à corrida.

Montoya partiu bem na largada e ultrapassou o português André Couto (que recentemente perdeu um filho leucêmico) ainda antes da primeira curva. Na Saint Devote, dividiu espaço com o francês Stéphane Sarrazin e perdeu, tendo de se resignar com a sexta posição nos primeiros instantes.

Juan Pablo passou as primeiras voltas tentando tomar a quinta posição de Sarrazin, que chegou a disputar um GP de Fórmula 1 pela Minardi em 1999. Mônaco é um lugar diabólico, onde as ultrapassagens são inviáveis, ainda mais quando todos os carros são iguais. O que o ajudou foi a queda de desempenho de Sarrazin, condenado pelo mau estado dos seus pneus. Na chicane do túnel, Montoya enfiou o carro de lado e deixou o rival francês para trás. A quinta posição, agora, era dele.

O colombiano passou e disparou. Não demorou muito e ele já estava grudado na traseira do quarto colocado, o inglês Jamie Davies. Montoya tinha o carro no chão, em condições muito melhores do que a concorrência, mas também havia decidido deixar o cérebro em casa antes de pilotar. Por um lado, isso é bom porque a coragem é emanada em doses cavalares. Por outro, a possibilidade do cidadão agir como um imbecil também cresce exponencialmente.

No minuto 9:34, você pode ver aquela que eu considero a melhor ultrapassagem ocorrida na história da Fórmula 3000. Na saída da Massenet, o carro de Davies abriu um espaço razoável do lado interno, Montoya deu um jeito, escorregou de lado, acelerou antes da hora e deixou o adversário para trás numa manobra inacreditável. Este é o Montoya que todos gostamos de ver, o que inventa ultrapassagens que ninguém teria sequer coragem de imaginar.

Montoya exalava agressividade. Ele freava tarde, acelerava cedo, deixava o Lola-Zytek azul escuro escorregar sem a menor cerimônia e andava muito mais rápido do que qualquer rival. Não demorou muito e ele se aproximou do falecido uruguaio Gonzalo Rodriguez, o terceiro colocado. JPM tentou fazer com Rodriguez a mesma coisa que tinha feito com Sarrazin, uma ultrapassagem na chicane dos boxes. Só que ele foi tão atrevido e pretensioso que achou que poderia ultrapassar o uruguaio por fora.  Por fora numa chicane em Mônaco. Sim, isso mesmo.

Lógico que não deu certo. Gonzalo Rodriguez não abriu espaço e os dois acabaram escapando na chicane. Sem muito juízo, Montoya acabou fazendo a ultrapassagem e nem cogitou a possibilidade de devolver a posição para o rival, já que ambos haviam passado pela chicane e não havia irregularidade. Só que a organização não pensava assim. Os burocratas começaram a pensar o que fazer com aquele latino-americano amalucado, se era melhor mandá-lo de volta às FARC ou se somente um stop-and-go bastava.

Enquanto isso, Montoya se aproximava perigosamente de Nick Heidfeld, que mantinha-se em segundo. Só que antes que qualquer duelo tivesse início, a organização anunciou uma penalidade a Montoya, que teria de ficar dez intermináveis segundos parado nos boxes vendo a vida passar. Juan Pablo não se rebelou, cumpriu a penalidade e retornou à pista na sexta posição.

O piloto da Super Nova manteve a mesma carga máxima contra os rivais. Passou Sarrazin novamente na chicane dos boxes e retornou ao quinto lugar. Pouco depois, o líder Jason Watt se estatelou na curva Cassino e abandonou a corrida, permitindo que Montoya subisse para a quarta posição. Quase que o mesmo aconteceu com ele, aliás: numa aproximação mais tresloucada na temível Cassino Square, o Lola de JPM escorregou e somente o braço do colombiano permitiu que ele segurasse o rojão.

Novamente Montoya se aproximou de Jamie Davies, o terceiro colocado. Só que o inglês não iria aceitar tomar outra ultrapassagem humilhante do cara. Davies fechava a porta, freava mais cedo e não permitia qualquer gracinha de Juan Pablo. Ansioso, o colombiano acabou batendo duas vezes na traseira do rival na Loews. Na primeira, nada aconteceu com o carro. Mas na segunda…

Montoya enterrou o bico de seu carro no Lola de Davies, estourou a asa de seu carro, furou o pneu dianteiro direito e quase bateu no guard-rail. Para retornar à ação, ele teve de engatar a ré e perdeu uns bons segundos nesta história. Com o bico destruído e o pneu condenado, qualquer nego saudável da cabeça entraria aos boxes para fazer os devidos reparos. Mas Montoya não quis nem saber e decidiu tentar seguir desta forma, com o bólido caindo aos pedaços, até a bandeirada.

Ele tentou sustentar sua quarta posição da maneira que dava. Fechou a porta de Sarrazin até quando deu, mas não conseguiu conter a ultrapassagem. Pouco depois, o belga Kurt Mollekens se aproximou e conseguiu driblar o colombiano na Loews. Naqueles dias, apenas os seis primeiros marcavam pontos. Montoya estava em sexto e precisava ter uns quinze colhões para manter a posição.

Nas últimas voltas, quem se aproximou foi justamente seu companheiro de equipe, o inglês Gareth Rees. Os dois não dividiam a mesma estrutura (Montoya era da Super Nova e Rees pilotava para a Den Bla Avis), mas o patrão era o mesmo, David Sears, todo alucinado nos boxes com as bizarrices de seu piloto latino. Mesmo se tratando de um colega, Juan Pablo continuou pegando pesado e quis porque quis tentar agarrar o último ponto possível, ainda que ele nem fizesse tanta diferença assim na disputa pelo título.

Podia ser um companheiro de equipe ou o Papa, mas Montoya fechou todas as portas que encontrou no caminho sem muita consideração à vida alheia. Mas não dava para fazer milagres. Na última volta, na subida da Beau Rivage, Rees emparelhou com Montoya e tentou ultrapassá-lo por fora na Massenet. Impávido, JPM não abriu espaço e os dois se tocaram. Quem se deu mal foi Gareth Rees, que rodopiou e bateu no guard-rail, perdendo sua grande chance de pontuar.

O carro de Montoya estava soltando peças para lá e para cá, mas ele ainda foi persistente o suficiente para cruzar a linha de chegada na sexta posição, apenas poucos décimos à frente do português Rui Águas. Não foi punido e marcou um pontinho. Que não fez diferença alguma, já que ele acabou ganhando o título com sete pontos de vantagem sobre Heidfeld.

Eu sou contra as punições dadas a torto e direito no automobilismo atual, mas bem que Juan Pablo Montoya estava merecendo perder a superlicença, a cabeça e a alma depois desta corrida. Por um lado, ele foi magnânimo ao realizar todas aquelas ultrapassagens num circuito lazarento e ao demonstrar a força de vontade que faltam a muitos pilotos mais comedidos. Por outro, as inúmeras bobagens feitas desde a qualificação acabaram impedindo que ele pudesse conquistar um resultado bem mais condizente com seu talento. Enfim, este é Juan Pablo Montoya, um cara capaz de encarnar o anjo e o diabo ao mesmo tempo.

A música dos últimos segundos é da banda galesa Catatonia. A desafinada vocalista é uma mocinha loirinha que estava, até um tempo atrás, numa clínica de reabilitação, passagem obrigatória para qualquer músico que se preze. “Road Rage” é o nome da música e também o maior sucesso do Catatonia. It’s up to you, boy, you’re driving me crazy, thinking you may be losing your mind. Essa é pra você, colombiano.

Anúncios