É tudo a mesma merda feita de gesso e petróleo

LEWIS HAMILTON9,5 – Mesmo em má fase e carente, o inglês ainda mostra que é um dos grandes do grid. Desde o início, provou ser o grande adversário de Sebastian Vettel em Abu Dhabi. Liderou dois treinos livres, as duas primeiras fases do treino oficial e perdeu a pole-position por pouco. Na largada, manteve-se em segundo e ganhou de presente a primeira posição após o infortúnio de Vettel. Depois, ninguém mais conseguiu alcançar o ex-Nicole Scherzinger. Vencendo de maneira brilhante, conseguiu reverter o azar de 2009, quando teve um problema no motor enquanto liderava.

FERNANDO ALONSO8,5 – Segundo lugar suado, batalhado e sortudo. Seu carro não era páreo para os da Red Bull e McLaren, mas o espanhol não é bobo e compensa esta deficiência com uma astúcia de raposa. Embora tenha feito apenas o quinto tempo, Fernando largou muito bem e se viu em segundo após a rodada de Vettel. Durante a prova, não conseguiu ameaçar Hamilton e também não foi ameaçado por Button. Além disso, perdeu um pouco de tempo em uma de suas paradas. Mesmo assim, excelente segundo lugar.

JENSON BUTTON7 – Dessa vez, não encontrou coelho em sua cartola. Liderou o primeiro treino livre, mas não conseguiu mais nada. Largou em terceiro, meteu-se em um duelo encarniçado com Alonso na primeira volta, perdeu e não conseguiu sonhar com uma posição melhor no pódio. Ainda teve problemas com o KERS e sofreu para manter Mark Webber atrás, tanto é que os dois protagonizaram a briga mais bonita da corrida. Mesmo assim, ainda ficou em terceiro e conquistou pontos importantíssimos para o vice-campeonato.

MARK WEBBER5 – Assim não dá. Sem Sebastian Vettel na pista e pilotando o melhor carro da temporada, o mínimo que deveria ter obtido é a vitória. Mesmo com o vento a favor, não conseguiu nem o pódio. Em momentos distintos, viu-se obrigado a duelar com Massa e Button e perdeu as duas disputas. De quebra, não foi auxiliado pela sorte, pois o primeiro pit-stop foi muito ruim e o fez cair de quarto para quinto. E a estratégia de três paradas, com a última ocorrendo na última volta, foi patética. Como patético está sendo o piloto australiano neste ano.

FELIPE MASSA6 – Quinto lugar pela milésima vez neste ano, o paulista não trouxe novidade alguma nesta sua insípida temporada. Na classificação, não fez nada além do costumeiro sexto lugar. Na corrida, permaneceu em quinto durante a maior parte do tempo. Pôde sonhar com o quarto lugar quando Webber teve problemas em seu primeiro pit-stop, mas uma rodada na volta 49 enterrou seus planos. Pelo menos, a briga com Webber na volta 30 foi boa e terminou a favor de Massa. Nada que compense este domingo discreto, no entanto.

NICO ROSBERG6,5 – Outra competente encheção de linguiça do piloto teutônico. Sem se destacar muito nos treinos, ele só chamou a atenção quando devolveu uma ultrapassagem do companheiro Schumacher ainda na primeira volta. Da segunda volta em diante, as coisas não mudaram nada: os carros mais rápidos continuaram tranquilamente à sua frente e os demais permaneceram atrás. Ao menos, não foi ruim terminar a dois segundos da Ferrari de Massa.

MICHAEL SCHUMACHER5,5 – Dessa vez, o heptacampeão foi ainda mais discreto que Rosberg e reduziu drasticamente suas chances de terminar o ano à frente do companheiro. Mediano nos treinos, ele até chegou a ultrapassar o outro Mercedes na primeira curva, mas tomou o troco alguns segundos depois. Não conseguiu ameaçar Rosberg novamente, mas também não teve muitos problemas para ficar à frente dos demais, embora tenha ficado atrás de Adrian Sutil por algumas voltas. Ou seja, só fez um monótono passeio dominical.

ADRIAN SUTIL7 – Mais uma boa corrida de um cara que, definitivamente, não merece estar na situação complicada que está. Sempre entre os dez primeiros nos treinos, o alemão tentou apostar em uma estratégia de apenas uma parada na corrida, mas foi obrigado a mudar para duas. Ainda assim, esteve sempre nos pontos e chegou a andar à frente de Schumacher durante um bom tempo. Infelizmente para ele, o heptacampeão recuperou sua posição na última parada, mas o oitavo lugar não deixou de ter sido um ótimo resultado para Sutil.

PAUL DI RESTA6 – Se a sexta posição pertence a Felipe Massa, a nona é território cativo de Paul di Resta. O escocês foi nono nos três treinos livres e na corrida, além de ter feito a nona melhor volta. No treino classificatório, ele largou em décimo graças àquela sacanagem de não treinar no Q3. No caso dele, valeu a pena, pois ele pôde completar a corrida tendo feito apenas uma parada. O abandono de Sébastien Buemi, que chegou a ultrapassá-lo no início da corrida, facilitou bastante as coisas.

KAMUI KOBAYASHI5,5 – Depois de muito tempo, voltou a pontuar na Fórmula 1. Tudo bem, foi apenas um ponto, mas é melhor do que nada. Como sempre, foi mal no treino oficial e largou cinco posições atrás de Sergio Pérez. Na corrida, deu a volta por cima e ganhou um monte de posições logo na primeira volta. Kamui sofreu com os pneus médios nas primeiras voltas, mas pôde utilizar bons pneus macios a partir da quinta volta e conseguiu fazer uma boa corrida de recuperação. Mas não dá para ficar apostando sempre em estratégias abiloladas para tentar reverter uma má posição no grid.

SERGIO PÉREZ6 – O ponto da Sauber deveria ter sido dele e não de Kobayashi. No treino oficial, andou bem novamente e conseguiu o 11º lugar. Na corrida, bateu em Adrian Sutil logo no começo e teve de ir aos pits para trocar o bico. Posteriormente, teve problemas com os pneus médios e perdeu tempo. No final, ainda ficou sem o KERS. Mesmo assim, ficou a uma posição de pontuar. Injusto, definitivamente.

RUBENS BARRICHELLO7 – Mesmo à beira da aposentadoria, o cara é esforçado e determinado. Rubens tinha tudo para iniciar o domingo desanimado, especialmente após a troca de motor na sexta-feira e o problema de vazamento de óleo no sábado, que o impediu de marcar um tempo no Q1 da classificação. Mas ele preferiu deixar a depressão de lado e fez uma de suas melhores corridas nos últimos tempos. Largou bem, ganhou posições e aproveitou-se do fato de ter utilizado os pneus médios logo no começo, deixando os macios para o final. Terminou em 12º, a duas posições da pontuação. Fez a 11ª melhor volta da corrida. Excelente atuação, mas insuficiente para resolver sua vida após Interlagos.

VITALY PETROV3 – Fim de semana absolutamente esquecível. Com um carro ruim, Petrov não conseguiu sair do meio do pelotão durante todo o fim de semana. No treino classificatório, ficou em 12º. Na corrida, ficou sem o DRS e não conseguiu disputar posições. Ficou atrás de uma Williams, algo péssimo nos dias atuais. Lamentável fim de temporada.

PASTOR MALDONADO4 – Bem menos brilhante que Barrichello, também fez uma boa corrida, apesar dos pesares. No sábado, foi punido com a perda de dez posições no grid por ter utilizado um nono motor. No domingo, fez das suas, atrapalhou algumas gentes e tomou punição por ignorar as pobres bandeiras azuis. Ainda assim, deixou para trás pilotos com bólidos melhores. Não ganha nota maior por solidariedade minha com as bandeiras azuis.

JAIME ALGUERSUARI2,5 – Seu único mérito foi ter terminado uma corrida que o azarado companheiro Buemi abandonou. Perdeu para o suíço no treino oficial e não conseguiu superá-lo no início da corrida. Para piorar, sua equipe ainda lhe tomou algum tempo no primeiro pit-stop. Mesmo sem o problema, não acredito que ele teria marcado pontos. Se tivesse, não teria merecido.

BRUNO SENNA2,5 – Não foi tão pior que o companheiro Petrov, o que não é animador se considerarmos que o russo foi mal. Sonolento nos treinos, o sobrinho largou em uma convencional 14ª posição. Então, a Renault decidiu mudar tudo e o mandou fazer seu primeiro pit-stop logo no fim da primeira volta. A mudança de estratégia lhe deixou com pneus macios para o resto da prova, mas o carro não colaborou, o KERS também não deu as caras e o próprio piloto cavou uma punição após ignorar as bandeiras azuis. Somando tudo isso, dá para entender o porquê de ter sido o pior dos pilotos das equipes normais.

HEIKKI KOVALAINEN6,5 – Este é outro que foi capturado pela maldição dos números. Na sexta e no sábado, foi 18º nos três treinos livres e ainda marcou o 18º tempo no Q1. Na corrida, largou em 17º graças à punição de Maldonado, terminou em 17º e ainda fez a 17ª melhor volta da corrida. Ainda assim, não dá para dizer que ele foi mal. Kova fez uma boa prova e andou em 13º durante um bom tempo. Só perdeu tempo no final por ter utilizado pneus médios, mas o domingo não deixou de ter sido ruim.

JARNO TRULLI3,5 – Levou outra surra de Kovalainen. Nos treinos, não houve nada de novo e ele ficou sempre atrás do companheiro. Na corrida, enquanto Heikki brigava com a turma do meio do pelotão, Trulli batia cartão lá no final, perdendo algum tempo com os carros da HRT. Espero que os boatos que apontam uma quebra de contrato no fim deste ano sejam verdadeiros.

TIMO GLOCK4 – Nenhuma novidade. Largou atrás das Lotus, ficou apenas um décimo à frente do HRT de Daniel Ricciardo e fez mais uma corrida autista, sem disputar seriamente com ninguém. Teve mais dificuldades no final, quando foi obrigado a utilizar os pneus médios.

VITANTONIO LIUZZI2,5 – Foi o único de sua equipe a terminar a prova, o que representa sua única vantagem neste fim de semana de retorno à categoria. No treino classificatório, fez o último tempo e só fugiu da última fila graças aos dramas da Williams. Na corrida, destacou-se por mais uma boa largada, mas foi perdendo todas as posições com o passar das voltas. Não está oferecendo resistência a Daniel Ricciardo.

DANIEL RICCIARDO5,5 – Já é o melhor piloto de sua equipe com sobras. No treino oficial, deixou Liuzzi e D’Ambrosio para trás de uma só vez. Poderia ter ganho várias posições na largada, mas cometeu um erro e acabou ficando para trás. Mesmo assim, manteve um ótimo ritmo e chegou a ameaçar Glock durante algumas voltas. Infelizmente, o alternador falhou e seu carro parou. Mau sinal para mim. Meu mecânico disse que o alternador do meu Corsa também está prestes a quebrar.

SÉBASTIEN BUEMI6 – Faltou-lhe sorte novamente. O sistema hidráulico de seu carro apresentou vazamento no pior fim de semana possível, aquele em que o suíço conseguiu render bem mais que o colega Alguersuari. No treino oficial, Buemi foi apenas razoável, mas o espanhol foi bem pior. Na corrida, ele chamou a atenção com uma bela disputa com Paul di Resta pelo nono lugar. Após algumas voltas, conseguiu a ultrapassagem e começou a sonhar em tomar as posições de Sutil e Schumacher. Infelizmente, o abandono não tardou a acontecer.

JERÔME D’AMBROSIO1,5 – Se a demissão logo após uma temporada soa injusta, também é certo dizer que D’Ambrosio não está fazendo muito para merecer uma renovação de contrato. No Q1 da classificação, voltou a largar atrás do HRT de Ricciardo. Na corrida, andou por algum tempo em último até abandonar com problemas nos freios. Ninguém notou. Como sempre.

SEBASTIAN VETTEL4 – Que coisa, hein? O atual bicampeão mundial não sabia o que era abandonar logo na primeira volta desde o GP da Inglaterra de 2008, quando rodou logo na curva 14. Dessa vez, o abandono não foi culpa sua. Longe disso, até. Logo na terceira curva, o carro rodopiou após um furo no pneu traseiro direito. Sebastian até conseguiu voltar para os pits, mas a suspensão estava totalmente danificada e o fim de semana acabou exatamente ali. O mais curioso é que este foi o segundo incidente dele no fim de semana: na sexta-feira, ele bateu sozinho na primeira curva em um dos treinos livres. Para compensar, ele fez mais uma pole-position impecável, a 14ª na temporada. Fim de semana tão estranho que é até difícil atribuir-lhe uma nota. Como eu considero o conjunto carro-piloto, não dá para perdoar muito.

Anúncios