Os problemas entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton em Hungaroring abrem (mais) uma reflexão (chata) sobre a vida

Os problemas entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton em Hungaroring abrem (mais) uma reflexão (chata) sobre a vida

Antes de tudo, deixo claro: esse blogue nunca foi e nunca será parcial. Como sou homofóbico e não sou racista, logicamente torço pelo sucesso de Lewis Hamilton e desejo que o geométrico cabelo de Nico Rosberg seja constantemente bombardeado pela ação peristáltica de pombos. Logicamente o assunto tratado só foi levantado à discussão porque o favorito foi prejudicado em prol do desprezado. Ponto final.

Dito isso, o que você teria feito em Hungaroring se fosse Lewis Hamilton? Essa é a pergunta de um milhão de dólares da última semana. Ou nem isso.

Na verdade, a resposta fácil foi dada pela esmagadora maioria dos fãs da velocidade nos últimos dias. No fórum do site Autosport, perguntaram recentemente se o piloto britânico da Mercedes deveria ter deixado o companheiro Nico Rosberg ultrapassá-lo quando este tinha pneus em condições melhores e precisava da posição para fazer sua estratégia funcionar. Mais de 80% dos votantes disseram que Lewis fez certíssimo em não ceder a posição e que Nico é uma menina chorona. OK, são ingleses opinando sobre um inglês na luta contra um alemão, mas pontos de vista parecidos foram vistos em outras partes do mundo, inclusive no Brasil varonil.

Nada causa mais desconforto ao pessoal do automobilismo do que ter de falar sobre ordens de equipe, aquelas mesmas que obrigam um piloto a conceder seu resultado ao colega em prol do sucesso de seu empregador. Não sejamos ingênuos: determinações desse tipo sempre existiram. O célebre Juan Manuel Fangio, sempre elogiado como um modelo de esportista que jamais ultrapassava os limites da ética para conseguir uma posição melhor, costumava tomar os carros dos companheiros de equipe quando o seu apresentava problemas. E não estou falando apenas de situações de treinos ou testes, mas de corridas propriamente ditas: o pobre colega tinha de parar o carro nos boxes, descer e entregá-lo ao argentino.

Até o início desse atual milênio do Grande Irmão, ninguém fazia muito barulho quando ocorria esse tipo de coisa em uma corrida. No Grande Prêmio da Austrália de 1998, o então líder David Coulthard tirou o pé no meio da reta dos boxes e deixou seu companheiro Mika Häkkinen ultrapassá-lo para ganhar a prova. Coulthard tinha feito uma boa temporada em 1997 e era até visto por alguns como um piloto melhor do que Häkkinen, mas foi preterido por conta dos humores de Ron Dennis, que sempre gostou do finlandês e nunca foi o maior dos fãs do escocês. As reclamações existiram, mas foram poucas e logo desapareceram. Mika venceu várias outras corridas no mérito e sagrou-se campeão de 1998 sem maiores problemas.

Tudo mudou naquele fatídico domingo do dia das mães.

Ao reduzir a velocidade de sua Ferrari a poucos metros da linha de chegada e entregar aquela que seria sua segunda vitória na carreira a Michael Schumacher, Rubens Barrichello deu início a uma nova era na Fórmula 1. A partir daquele momento, as ordens de equipe passaram a ser vistas como um dos grandes cânceres do automobilismo, uma prática que deveria ser extirpada de forma definitiva do esporte. O GP da Áustria de 2002 foi eternizado como o exemplo extremo de uma situação que jamais poderia voltar a ocorrer novamente.

Foi uma época de muito drama e exagero, diga-se. No Brasil, país em que a derrota é proibida, muitos condenaram Barrichello como um vergonhoso mercenário que não representava o espírito combativo e vencedor do brasileiro. As pessoas ainda tinham em mente o pioneirismo de Emerson Fittipaldi, a catimba de Nelson Piquet e a exuberância de Ayrton Senna e não poderiam jamais admitir que um herdeiro dessa tradição abrisse as pernas para um alemão marrento e antipático. Ah, jamais. Viva o Brasil!

No exterior, muitos também choramingaram e por motivos nem tão distintos assim. Schumacher, de fato, nunca foi o campeão da popularidade ou do amor brejeiro: o queixo, o ar de Dick Vigarista, os incidentes de 1994 e 1997, a forma pela qual centralizou a Ferrari, o seu relacionamento com Eddie Irvine, tudo isso aí contribuiu para que ele também não suscitasse grandes paixões por parte dos fãs de Fórmula 1. O que aconteceu em A1-Ring foi apenas a comprovação, para os detratores, de que o cara não era mesmo flor que se cheirasse. E a Ferrari passou a ser bombardeada como o símbolo máximo da falta de esportividade.

A ordem de equipe das ordens de equipe

A ordem de equipe das ordens de equipe

Outras ordens de equipe vieram depois disso. Ainda naquele ano, Felipe Massa desobedeceu a uma delas no GP da Alemanha e foi demitido da Sauber. O mesmo Massa foi vítima do famoso Fernando is faster than you na Ferrari durante o GP germânico de 2010 e acabou ficando sem aquela que seria sua única vitória na temporada. Por fim, não podemos falar de ordens de equipe sem deixar de mencionar Nelsinho Piquet e o escândalo em Cingapura.

Em tempos recentes, embora menos gritantes, as ordens continuaram acontecendo. No GP da Malásia do ano passado, Nico Rosberg e Sebastian Vettel foram as vítimas do malfadado rádio. No caso da Red Bull, Vettel foi impedido de lutar pela vitória contra o companheiro Mark Webber, que já estava cristalizado na liderança. O tetracampeão ignorou a determinação, pisou fundo, passou Webber e ganhou pela primeira vez na temporada. Webber fez cara feia e eu, como parcial corneteiro de Vettel, fiz coro com ele.  “Alemão filho da puta. E o pessoal ainda fala do Alonso…”, resmungava este aqui. Hoje, de modo oportunista, pulo para o lado de Sebastian.

Rosberg não foi tão macho como seu compatriota. Mesmo com um carro mais veloz que o companheiro Lewis Hamilton, foi impedido de ultrapassá-lo. “Não posso mesmo, Ross?”, perguntou candidamente o piloto germânico. “Negativo, Nico” foi o que ouviu como resposta. O filho de Keke teve de se contentar com a quarta posição, ao passo que Lewis finalizou em terceiro e bebeu do mesmo champanhe dos dois irritados companheiros da Red Bull.

Foi, aliás, a primeira rusga entre os dois pilotos prateados. Uma rusga que, confesso, não esperava ver acontecer. Em um mundo onde todos os competidores são meio solitários, a amizade entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg chamava a atenção pela longevidade e pela aparente sinceridade. Os dois começaram a competir praticamente juntos no kartismo, dividiram equipes e motorhome, disputaram freadas, celebraram vitórias e avançaram praticamente juntos à Fórmula 1. Um ganhou a GP2 em 2005 e o outro repetiu a façanha no ano seguinte.

Na F-1, Hamilton e Rosberg mantiveram o excelente relacionamento muito por conta das diferentes realidades que os dois viveram nos anos iniciais de suas carreiras. Lewis estreou na categoria pilotando uma McLaren prateada e poderosa, venceu corridas logo de cara e sagrou-se campeão em seu segundo ano. Em contraste aos dias difíceis no kart, o inglês nunca teve de pegar ônibus ou comer marmita na Fórmula 1.

Já Rosberg teve trajetória quase oposta. O cara, que nunca passou por dificuldades nas categorias de base, desembarcou na F-1 tendo de ralar muito para domar o difícil carro da Williams. Começou mal, com acidentes e erros estúpidos, mas evoluiu bastante e se tornou um dos pilotos mais regulares do grid. Porém, uma oportunidade em uma equipe de ponta, no caso a Mercedes, só veio a surgir em sua quinta temporada na categoria.

Eu não descarto a possibilidade de Hamilton sempre ter olhado para Rosberg com um misto de afeto e comiseração até eles se tornarem companheiros. Penso sempre naquele GP da Austrália de 2008, ocasião do primeiro pódio do tedesco na Fórmula 1. Lewis, que havia vencido a corrida, encontrou Nico no parque fechado e lhe deu um honesto abraço de urso, coisa rara de se ver no automobilismo. Os dois celebraram juntos o primeiro grande resultado do piloto alemão.

Hamilton entre dois de seus ex-amigos

Hamilton entre dois de seus ex-amigos

Foi só Nico Rosberg se tornar uma real ameaça a Lewis Hamilton que a amizade acabou. Os abraços, as risadas, as ocasiões em que um invadia o apartamento do outro lá em Mônaco, tudo isso virou história. O alemão deixou de ser um andrógino boa-praça para se tornar uma ameaça real a Hamilton, assim como já eram Fernando Alonso das Astúrias e Sebastian Vettel de Heppenheim.

Foi o segundo amigo alemão que Lewis Hamilton perdeu em tempos recentes. O primeiro foi Adrian Sutil, que afirmou que “não respeitava mais” o piloto britânico por este não ter testemunhado a seu favor naquele famoso julgamento realizado por conta do copo quebrado lá na China. Para os que não se lembram da história, Sutil foi acusado de tentativa de homicídio após arremessar uma taça de champanhe no pescoço de Eric Lux, um dos dirigentes da equipe Lotus. Lux, que ficou com uma cicatriz do tamanho do mundo, resolveu processar o piloto alemão, que foi condenado a 18 meses de prisão em regime de liberdade condicional e também a uma multa de 167 mil euros. Naquela ocasião, Hamilton foi convidado pela justiça para ajudar na defesa de seu amigo. Ele não só não deu as caras no tribunal como também parou de atender ligações vindas de Adrian. Dá para entender a mágoa do atual piloto da Sauber?

Claro que sim. Nesse mundo de redes sociais e selfies, onde todos são amigos de todo mundo da boca para fora, onde as declarações de amor e apreço são emitidas com a mesma naturalidade e banalidade de folhetos de pastelarias, é realmente chato descobrir que, quando o bicho pega, aquele que dizia que seria teu chapa para o resto da vida pula fora como o mais covarde dos marujos. Se você não pode confiar num cara com quem divide uma mesa de bar, vai confiar em quem?

Na Fórmula 1, o negócio é um pouco mais difícil ainda. O piloto que consegue chegar lá geralmente não está preocupado em ter amigos ou não.  Egocêntrico como uma modelo ou um rapper, tudo o que importa para ele é ter o maior número de vitórias e títulos possível, uma conta bancária bilionária, a namorada mais gostosa do paddock e um séquito de fãs otários. Ou seja, a única coisa fundamental é a manutenção de sua própria imagem.

“Pô, Verde, e desde quando uma pessoa que tem dinheiro, fama e mulheres precisa de amigos?”.

Todos precisam de amigos. Ou, pelo menos, de pessoas próximas com quem dá para beber, trocar piadas e discutir sobre coisas mundanas. Mesmo James Hunt, um cara que vivia a vida dos sonhos de qualquer homem, tinha lá seus bons parceiros. Ou o imberbe Neymar, que ainda se mantém próximo de seus amigos da adolescência através de festinhas e partidas de videogame. Porque, convenhamos, uma boa amizade pode ser bem mais difícil de conseguir, e mais fácil de perder, do que uma mulher ou um milhão de dólares. E não estou brincando.

Em entrevista concedida ao site GP Week no ano passado, Adrian Sutil deixou transparecer sua frustração por saber que Lewis Hamilton não era exatamente um amigo de verdade. Os dois se aproximaram na temporada de 2005 da Fórmula 3 Euroseries, época em que dividiram a equipe ART Grand Prix. Embora Hamilton tivesse acesso ao melhor equipamento e aos melhores mecânicos por conta do apoio da McLaren, Sutil nunca levou essa diferença de tratamento para o âmbito pessoal e cultivou uma boa parceria com o britânico. Os dois estrearam na Fórmula 1 em 2007 e um não largava do pé do outro. Quando as pessoas debatiam a falta de boas relações entre os pilotos da categoria, sempre havia alguém que se lembrasse da amizade entre Hamilton e Sutil. Mas o tempo provou que nem mesmo essa era sincera.

Na entrevista, Sutil reclamou que nunca mais recebeu uma ligação de Hamilton após o ocorrido lá na boate chinesa, afirmou que o britânico jamais se interessou em conversar sobre o que aconteceu naquele momento, sentenciou que não respeitava esse tipo de gente e que não precisava do seu convívio. De quebra, reforçou que tinha amigos de verdade e que ficou feliz por não ter demorado tanto para perceber quem era Lewis Carl Davidson Hamilton. Um desabafo furioso.

Em outras categorias, os caras não necessariamente se odeiam e se desprezam...

Em outras categorias, os caras não necessariamente se odeiam e se desprezam…

Viu só como a perda de uma amizade pode incomodar? Adrian é um piloto talentoso (que não anda em grande fase, reconheço), um homem endinheirado e o namorado de uma das moças mais bonitas do paddock da Fórmula 1, mas nada disso o confortou nesse momento. É evidente que a vida seguiu adiante e ele não precisou se matar unicamente porque descobriu que Lewis Hamilton não é a melhor pessoa do mundo. Porém, se o assunto tivesse sido tão digerível assim, ele também não teria choramingado dessa forma em uma entrevista. Aparentemente, Hamilton era uma pessoa razoavelmente importante para ele.

No caso de Nico Rosberg, a amizade era mais antiga e talvez um pouco mais profunda. Os dois não se manifestaram sobre um possível rompimento pessoal após os problemas dentro da pista, mas fica meio difícil convidar para uma cerveja o cara que faz de tudo para que você não se torne campeão do mundo. Na guerra pelo título, vale até alfinetar e desdenhar. O destruidor de corações Lewis Hamilton afirmou cinicamente que “não era amigo de Nico Rosberg, apenas colega”. O mesmo Hamilton, em entrevista ao The Guardian em 2013, enalteceu as partidas de videogame e futebol, as risadas e os vários bons momentos que tinha tido na companhia de Rosberg até então. Bastante coisa para um mero colega, não é?

Sempre mais discreto e esperto, Nico Rosberg reduziu o problema a uma questão semântica. “Nós somos amigos e continuaremos sendo amigos, mas a palavra ‘amigo’ é sempre muito forte. O que é um amigo?”, indagou retoricamente. Não se enganem: ele falou a mesma coisa que Hamilton, mas de uma forma muito mais inteligente e polida. É evidente que eles não são mais amigos, mas sair por aí desprezando e esculachando publicamente um antigo relacionamento é coisa de moleque dos mais babacas. Num detalhe ínfimo como esse, Rosberg novamente demonstrou maior força mental que seu “colega”. Viu só, pessoal? Eu ando na frente, jogo duro com meu companheiro de equipe e ainda mostro que não nutro ressentimentos.

E assim caminha a humanidade. Do ponto de vida dos convivas, a Fórmula 1 deve ser o pior ambiente do planeta, um mundo onde até mesmo o mais baixo dos mecânicos deve exalar arrogância, egocentrismo e cinismo, onde confiar no próximo pode ser um ato de extremo risco. Há alguns anos, Felipe Massa contou em entrevista à Globo que o sujeito que quer ter um amigo na categoria deve comprar um cachorro. Deprimente, mas verdadeiro.

Há quem ache que amizades e bons relacionamentos são impossíveis em qualquer esporte de nível mais alto. Não sei se sou inocente demais, mas penso que a IndyCar Series é um ótimo exemplo de um campeonato onde os rivais se detestam dentro da pista, mas aparentam manter um convívio muito saudável fora dela. No treino classificatório para a etapa de Saint Petersburg, um toró daqueles interrompeu as atividades e os pilotos resolveram matar o tempo tirando algumas selfies grupais no maior espírito de companheirismo. O inglês Justin Wilson pegou sua câmera e mandou ver na fotografia em que aparecia junto de Sebastian Saavedra, Jack Hawksworth, Mikhail Aleshin, Josef Newgarden, James Hinchcliffe, Sébastien Bourdais, Marco Andretti e Ryan Hunter-Reay. Realidades diferentes, equipes distintas, alguns ali eram campeões, outros estão apenas começando a carreira, o fato é que na Indy ainda dá para fazer uma coisa boba, mas significativa do ponto de vista das relações humanas, entre colegas de trabalho. Na Fórmula 1, alguém conseguiria imaginar um selfie entre Rosberg, Hamilton, Alonso, Kobayashi, Bottas, Kvyat e Ericsson?

A Fórmula 1 se orgulha de sua excelência, de sua história, de sua grana interminável, de seu nariz empinado e das reações positivas e negativas que consegue suscitar da opinião pública. O custo disso é um esporte em que um piloto é obrigado a cortar de sua própria carne em prol do sucesso de seu empregador, chutando a escanteio não só seus objetivos pessoais como também o espírito competitivo inerente à categoria. Outro custo é o verdadeiro sacrifício relacional a que os pilotos estão sujeitos, enterrando amizades antigas e tornando-se verdadeiros robôs antissociais e solitários que visam apenas ganhar cada vez mais dinheiro e corridas. Outro custo é a convivência com pessoas detestáveis em um ambiente nojento.

Há quem prefira continuar achando lindo essa coisa desumana que permeia a Fórmula 1. Há quem pense que amizades, relacionamentos e bem-estar são pura viadagem e que o negócio mesmo é ficar rico, famoso e fodão. Legal. Você cumpre todos os requisitos mentais de um piloto de corrida. Só não reclame do Rosberg mais tarde.

demoniodatasmania

LOTUS8,5 – A equipe favorita de todos não tinha o melhor carro, mas deu um baile em estratégia para Red Bull nenhuma botar defeito. Os belos carros rubro-negros não deram aquele salto de competitividade que todos esperavam e o próprio Kimi Räikkönen, vencedor da corrida, foi o primeiro a admitir que a escuderia não tem todo esse gás para continuar na frente por muito mais tempo. Então, que aproveite enquanto os ventos sopram a favor. Kimi não esteve entre os favoritos em momento algum, inclusive no treino oficial, mas virou o jogo com uma boa estratégia de dois pit-stops. Como resultado, venceu pela segunda vez em Melbourne. Romain Grosjean foi coadjuvante durante todo o tempo e reclamou bastante do carro. Que, ao menos, chegou inteiro ao fim.

FERRARI3 – O que foi aquilo que fizeram com Felipe Massa? Na mais branda das hipóteses, que é a que eu gostaria de acreditar, Rob Smedley e asseclas cometeram um erro primário de julgamento e deixaram o brasileiro ficar na pista por mais tempo do que deveria antes de seu segundo pit-stop. Na pior das hipóteses, que é a mais provável, a Scuderia fez o que fez apenas para colocar Fernando Alonso à frente. Felipe, graças ao absurdo, acabou perdendo também uma posição para Sebastian Vettel. Muito legal a Ferrari, de histórico esportivo impecável, só que não. Pelo menos, o resultado final não foi tão ruim. Alonso terminou em segundo e Massa ficou em quarto. O Angustiado das Astúrias, aliás, andou reclamando bastante de seu bólido, que seria ruim como beterraba podre. Palavras, diria Shakespeare…

RED BULL7 – Para quem não é torcedor de carteirinha da trupe dos energéticos e sonha com uma Fórmula 1 mais democrática, o fracasso dos rubrotaurinos na corrida foi um grande alívio. Sebastian Vettel mandou e desmandou nos treinos e fez a pole-position, mas não ganhou porque seu carro gastou pneu demais e também devido aos golpes estratégicos de Kimi Räikkönen e Fernando Alonso. Pelo menos, bebeu champanhe ao lado deles. Mark Webber fez o de sempre: cumpriu tabela nos treinos, largou mal pra caramba e terminou lá atrás devido a um monte de problemas, principalmente na centralina eletrônica e no KERS.

MERCEDES6 – Fim de semana de aprendizado. Para Lewis Hamilton, que ainda precisa se aclimatar melhor, e para a equipe técnica, que ainda funde a cachola tentando resolver os problemas de confiabilidade do carro. Ruim, ele não é. Ainda que não seja uma Brastemp, o W04 deve se garantir ao menos entre os quatro melhores bólidos do ano. Hamilton errou um monte nos treinos, mas largou em terceiro e suou a camisa para terminar em quinto, mesmo com os problemas nos pneus. Nico Rosberg não se abalou com a presença do inglês e foi bem, ainda que não tenha terminado a corrida por causa de um problema elétrico. Fique atento na dupla em Sepang.

FORCE INDIA7,5 – Foi, basicamente, a quinta melhor equipe do GP da Austrália, atrás apenas de Red Bull, Ferrari, Lotus e Mercedes. Os indianos, sempre afundados em problemas financeiros, parecem ter acertado a mão e construíram um carro que foi capaz de ficar sempre entre os dez primeiros em Melbourne. Adrian Sutil foi um dos bons destaques: andou bem nos treinos e compensou uma posição meia-boca no grid de largada com uma ótima estratégia de dois pit-stops. Terminou em sétimo, logo à frente do companheiro Paul di Resta, que teve atuação apenas morna. O escocês reclamou que não ficou em sétimo apenas por causa de ordens de equipe. Que tal caprichar um pouco mais na estratégia da próxima, Paul?

MCLAREN1,5 – Jenson Button já vinha advertindo desde a pré-temporada: o carro é podre, muita coisa precisa ser modificada, é melhor começar com o bólido de 1979 e por aí vai. O inglês, sempre muito educado e cordial, tinha razão. O MP4-28 é um troço de qualidade duvidosa que precisa urgentemente de atualizações. Button, de excelente histórico em Melbourne, teve um fim de semana discretíssimo e conseguiu levar apenas dois pontos para casa. Pior ainda foi o desempenho de Sergio Pérez, às raias do vexame. Em sua primeira corrida na casa de Woking, o mexicano ficou sempre no pelotão intermediário e terminou fora da zona de pontos. Enfim, tudo deu errado para a McLaren. Até mesmo a centralina eletrônica que ela vende à Red Bull falhou com Mark Webber…

TORO ROSSO3,5 – Entra ano, sai ano, fulana melhora, beltrana piora e a Toro Rosso está sempre na mesma. O STR8 é uma evolução apenas milimétrica em relação ao STR7 do ano passado. Jean-Éric Vergne e Daniel Ricciardo permaneceram no meio do pelotão durante todo o tempo e devem muitos agradecimentos aos desastres pessoais da Williams e de Esteban Gutiérrez. O francês ainda se deu um pouco melhor: largou à frente de Ricciardo e terminou a corrida tendo feito a segunda volta mais rápida da prova. O australiano abandonou com o escapamento quebrado.

SAUBER2,5 – Uma célula de gasolina perfurada foi a causa que impediu Nico Hülkenberg de participar do GP da Austrália. O piloto alemão, que fazia sua estreia na equipe suíça, largaria da 11ª posição, mas acabou sendo limado por “razões de segurança”. Seu companheiro, o novato Esteban Gutiérrez, foi o representante solitário da bandeira helvética na corrida. Não fez nada de mais e terminou apenas em 13º, o melhor resultado de um estreante na prova. O carro parece ser apenas mediano. Não é nenhum desastre da engenharia, mas também não fará a Sauber subir muitos patamares.

WILLIAMS1 – O que foi aquilo? A equipe que já venceu nove campeonatos de construtores teve, talvez, seu pior início de temporada desde que Frank Williams e Patrick Head estabeleceram uma sociedade. Pastor Maldonado e o novato Valtteri Bottas passaram a maior parte do tempo nas últimas posições, em muitos casos à frente apenas das paupérrimas Caterham e Marussia. O venezuelano sobrou no Q1 da qualificação e abandonou após rodar sozinho na curva 1. Bottas fez seu trabalho com alguma dignidade e chegou ao fim. Os dois não pareciam exatamente contentes com o FW35.

MARUSSIA6,5 – Seria esta a décima equipe da temporada 2013? Se depender dos resultados da pré-temporada e do GP da Austrália, a resposta é afirmativa. A equipe liderada por Nikolai Fomenko parece ter dado um notável salto de qualidade com seu bonito MR02. Podemos creditar parte do sucesso ao estreante Jules Bianchi, que foi um dos destaques da etapa de Melbourne. Protegido da Ferrari, Bianchi foi quase sempre o melhor piloto das equipes nanicas e terminou a prova em 15º. É uma pena que o outro carro seja ocupado por um bração como Max Chilton, que passou a maior parte do tempo trocando farpas com a sofredora dupla da Caterham. Mas o pai é um dos sócios, fazer o quê?

CATERHAM1 – É engraçado, mas parece que quanto mais experiência a equipe ganha, mais incompetente ela fica. Até aqui, foram pouquíssimas as vezes em que seus carros esverdeados superaram os rivais da Marussia. Em Melbourne, Charles Pic e Giedo van der Garde passaram a maior parte do tempo na lanterninha. Pic ainda conseguiu dar algum combate a Max Chilton, mas sua vida esteve longe de ser fácil. Van der Garde ficou em último durante quase todo o tempo. No Q1 da classificação, cada um dos pilotos arrebentou o bico no muro, para desespero do departamento financeiro da escuderia. Se nada mudar, até mesmo o futuro da Caterham poderá ficar ameaçado.

equidna

CORRIDARINGUE DE COMADRES – Corrida na Austrália, para mim, tem de ter lágrimas, suor e muito sangue. Geralmente, é a prova que tem mais acidentes, bizarrices e confusões. Via de regra, quando o GP é ruim, o restante da temporada acaba sendo uma tremenda chatice. Por isso, fiquei com um grande ponto de interrogação na cabeça. Não sei dizer se gostei da corrida. Ela teve um vencedor diferente, o tal do Kimi Räikkönen, boas disputas na pista e uma verdadeira guerra de estratégias nos boxes. Mas faltou aquele algo mais que nos faz pensar “puxa, essa vai ficar para a história”. Ao menos para mim, o Grande Prêmio da Austrália de 2013 não ficará na minha memória por muito mais tempo. No fundo, o que eu queria ter visto após tanto tempo de espera era um daqueles acidentes colossais típicos de Melbourne. Sim, sou um carniceiro.

TRANSMISSÃOPARA QUE ESTUDAR? – O ponto alto da transmissão oficial brasileira, sem dúvida alguma, foi a citação a Antoine Lavoisier, um daqueles caras que a gente ouvia falar à exaustão nas aulas de química do ensino médio. O comentarista, que completou o ensino médio já faz algum tempo, quis ilustrar uma de suas explicações com a referência ao químico. “Porque, parafraseando Lavoisier, nada se cria, tudo se repete”. Repete? “Não. Nada se cria, tudo se copia”. Também não é isso. Depois de alguns segundos confusos, alguém certamente apita no ponto algo como “caceta, é ‘nada se cria, tudo se TRANSFORMA’, porra!”. Mas compreendo a confusão, pois eu também não dava a mínima para as aulas de química. Da mesma forma, o narrador também deve ter matado algumas aulas. Ao perceber que ventava demais no circuito de Melbourne, ele tentou recorrer aos seus conhecimentos matemáticos e meteorológicos para explicar aos telespectadores o quão furioso estava o clima: “a velocidade do vento é de seis metros por segundo. Isso daí você multiplica por 60 e depois multiplica por 60 para saber qual é a velocidade em quilômetros por hora”. Então o vento era de 21.600km/h? Agora eu entendo o porquê de terem interrompido o treino oficial. Entendo também que jornalistas escolhem ser jornalistas pela dificuldade incorrigível com as ciências exatas.

tazmania

KIMI RÄIKKÖNEN9,5 – O finlandês mais mineiro do grid mineiramente venceu a primeira do ano. Pelo que mostrou nos treinos livres, não era exatamente um favorito franco à vitória, mas o show dominical se deu no campo da estratégia. Saindo da sétima posição, ele apostou numa tática de apenas dois pit-stops e um único stint de oito voltas com pneus supermacios. Com isso, economizou uma parada e saltou lá para a liderança definitiva na volta 43. Tinha um carro muito bom em mãos e ainda meteu uma ultrapassagem por fora sobre Lewis Hamilton lá no começo da prova. Vitória cerebral, “uma das mais fáceis da minha vida”. Além de tudo, esnoba.

FERNANDO ALONSO8 – Ganhou e perdeu na estratégia. Segundo colocado na corrida, o Corneteiro das Astúrias vociferou muito neste fim de semana, mas não pegou o caneco. Reclamou do carro, desdenhou da vitória de Räikkönen, comemorou o fracasso de Sebastian Vettel e, se bobear, deve até ter dito que o bigodinho de Hitler não era tão feio assim. Nos treinos, de fato, não teve a mais fácil das vidas. A corrida foi boa, mas sem estardalhaço. Uma boa largada, uma rasteira dada em Felipe Massa e Sebastian Vettel no segundo pit-stop e uma rasteira tomada de Kimi Räikkönen na parte final da prova. Destaco também o belo duelo com seu ex-parça Lewis Hamilton. Terminou a corrida no pódio, mas não estava feliz. Como sempre.

SEBASTIAN VETTEL8 – Era a aposta de 37 em cada dez pessoas para a vitória, mas acabou derrotado pela inesperada gula por pneus de seu carro. Liderou dois treinos livres, marcou uma pole-position tranquila e aparentava ser o cara que Roberto Carlos cantava naquela medonha canção. De forma surpreendente, a corrida foi difícil. Sofreu com a pressão de Felipe Massa no início da prova e ainda foi ultrapassado por Fernando Alonso (e Kimi Räikkönen) no pit-stop. Sem conseguir lidar bem com os compostos médios, o tricampeão ficou longe da vitória e teve de se contentar com o terceiro lugar. Mas ele estava contente. Como sempre.

FELIPE MASSA8,5 – Finalmente, uma boa atuação em Melbourne. Para ser honesto, o quarto lugar não fez jus ao seu excelente fim de semana, no qual esteve competitivo desde a sexta-feira. No treino oficial, dividido em dois dias, Felipe bateu forte no Q1 e deu muita sorte de não ter ficado com nada além de uma dorzinha no pescoço e do seu carro não ter ido para o ferro velho. De volta à ação, conseguiu um bom quarto lugar no grid, logo à frente de Fernando Alonso. No GP, a boa fase continuou. Felipe fez ótima largada, pulou para segundo e pressionou Sebastian Vettel durante um bom tempo. Poderia ter chegado ao pódio, mas foi vítima de uma estratégia para lá de duvidosa por parte da Ferrari e acabou ultrapassado por Alonso no pit-stop. Depois, ainda perdeu um tempinho atrás de Adrian Sutil. Mas os pontos vieram. Como é bom ver o língua-presa confiante e sentando a bota.

LEWIS HAMILTON7,5 – Seu primeiro fim de semana na nova casa foi tão atribulado que o quinto lugar foi até uma surpresa positiva. Ainda conhecendo o carro, Lewis sapateou para lá e para cá durante os treinos. Na classificação, bateu na primeira curva durante o Q1 e deu sorte de ter continuado, obtendo um ótimo terceiro lugar no grid. Difícil mesmo foi a corrida. Lewis teve problemas com os pneus médios e tomou ultrapassagens de um monte de gente, com destaque para as manobras de Kimi Räikkönen e Fernando Alonso. Bom piloto que é, ainda conseguiu terminar em quinto. O trabalho só está começando.

MARK WEBBER5,5 – Não dá sorte mesmo em casa. Enquanto Sebastian Vettel lidera os treinos e sempre dá algum jeito de obter um bom resultado, Mark Webber se fode com sua própria falta de ritmo e com os gremlins que costumam atacar seu carro. A corrida foi uma desgraça total. Segundo colocado no grid, Mark fez sua rotineira largada horrorosa e desapareceu da disputa pelas primeiras posições. Problemas no KERS, na telemetria e nos pneus (!) também não lhe ajudaram muito. Terminar em sexto não foi de todo ruim, mas cá entre nós: é mais prazeroso ficar em quinto andando de Minardi, não é?

ADRIAN SUTIL8 – Destaque dos treinos e sensação da corrida. Deu pau em Paul di Resta durante todo o tempo e só não foi melhor na qualificação porque bobeou com os pneus no Q2. Por não ter largado entre os dez primeiros, pôde mudar sua estratégia e decidiu ser um dos poucos a largar com pneus médios com a intenção de fazer apenas dois pit-stops. A tática funcionou parcialmente. Sutil conseguiu postergar ao máximo suas duas paradas, liderou onze voltas e esteve durante a maior parte do tempo entre os ponteiros. Surpreendentemente, andou rápido enquanto esteve com pneus médios. Com os supermacios, perdeu terreno e acabou terminando apenas em sétimo. De qualquer jeito, excelente reestreia.

PAUL DI RESTA6 – Se o resultado de Adrian Sutil parece ter sido pouco, o de Paul di Resta parece ter sido muito para sua atuação neste fim de semana. O escocês sentiu o baque e ficou atrás do colega alemão durante todo o tempo, conseguindo algo melhor apenas no Q3 da classificação, onde foi o nono. Praticamente não consegui acompanhá-lo durante a corrida. Sei que ele fez três pit-stops e que esteve misturado no meio do bolo durante todo o tempo. Que o cidadão agradeça pelo resultado que teve. E que dê uma melhorada de ânimo para as próximas etapas.

JENSON BUTTON2,5 – Para alguém que venceu três das últimas quatro corridas em Melbourne, um nono lugar nessa pista não pode ser considerado um resultado bom. Nem razoável. Fulo da vida com o carro durante todo o fim de semana, Jenson sofreu como um porco à beira do abate nos treinos e na corrida. Largou em décimo, não saiu do pelotão intermediário e só não ficou de fora da zona de pontos por detalhe. Quando estava de bom humor, disse que teria um bocado de trabalho para fazer. De mau humor, afirmou que a McLaren não ganhará nenhuma corrida nesse ano. Para a esposa, deve ter falado que até seu antigo Fórmula Ford era mais veloz.

ROMAIN GROSJEAN2 – Enquanto o companheiro vence a corrida, o suíço termina apenas em décimo. Uma tristeza, mas o cara admitiu que havia algo de errado no carro e que precisaria discutir com seus mecânicos, com o Papa e com o demônio para resolvê-los. Pelo menos, ele não bateu, o que é um avanço. E os resultados nos treinos, como a primeira posição no terceiro treino livre e a oitava no grid de largada, não foram de todo decepcionantes. Mas repito: com o mesmo carro, Kimi Räikkönen ganhou a corrida.

SERGIO PÉREZ1 – Estou aqui, torrando a cabeça, tentando me lembrar se algum piloto teve uma estreia tão ruim pela McLaren quanto o mexicano Pérez. Talvez Philippe Alliot em 1994? Isso pouco importa. O ex-piloto da Sauber mostrou que anda numa fase infernal e seu carro também não vem ajudando. Nos treinos, foi mal durante todo o tempo e não conseguiu nada melhor que um vergonhoso 15º lugar no grid. Na corrida, fez uma boa largada e só. Nem mesmo o fato de ter sido um dos poucos a largar com compostos médios lhe ajudou. Afundado com os problemas de desgaste de pneus, ficou fora da zona de pontuação pela sétima corrida seguida. Ay, caramba!

JEAN-ÉRIC VERGNE4 – Esteve anônimo durante quase todo o tempo, mas não dá para dizer que foi mal. Nos treinos, esteve pau a pau com Daniel Ricciardo e conseguiu superar o australiano quando realmente importava, a sessão classificatória. Durante a prova, chamou a atenção ao sair da pista na largada e ao conseguir marcar a segunda volta mais rápida da prova no final da corrida. Se tivesse um carro melhor, certamente teria marcado um ou outro pontinho.

ESTEBAN GUTIÉRREZ3 – Não será um ano fácil para os estreantes. Em Melbourne, o melhor deles foi o mexicano Gutiérrez, que é o que pilota o melhor carro. Mesmo assim, nem mesmo ele escapou das dificuldades. No Q1 da classificação, bateu sozinho e ficou um bom tempo sentado no carro, pensando na morte da bezerra. Largando lá de trás e apostando em três pit-stops, não tinha como esperar por muita coisa. Pelo menos, não cometeu nenhuma barbaridade durante a corrida e foi o único piloto da Sauber a chegar ao fim.

VALTTERI BOTTAS3 – Com um carro horrível como parece ser o da Williams, até que o finlandês fez bastante. Apanhou em todos os treinos e não ficou de fora do Q2 por muito pouco, mas ao menos fez uma corrida honesta e conseguiu ser o único de sua equipe a chegar ao fim. Erros aconteceram, mas nada de escandaloso. Pelo visto, não tem equipamento para tentar brigar com Esteban Gutiérrez pelo título informal de melhor estreante do ano.

JULES BIANCHI8 – Este, sim, foi um estreante que teve bons motivos para sorrir. Contratado de última hora para substituir Luiz Razia na Marussia, o francês teve apenas dois dias de pré-temporada para conhecer seu MR02. Mas foi o suficiente. Durante o fim de semana australiano, Jules não só meteu um chocolate no companheiro Max Chilton como também derrotou a dupla da Caterham com alguma facilidade. Na corrida, foi constantemente o melhor piloto das equipes nanicas. Se continuar assim nesse ano, vai roubar o emprego de Felipe Massa em 2014.

CHARLES PIC2,5 – Que encrenca, hein? Trocou a Marussia, que era uma merda total em 2012, pela Caterham, que parece ter virado uma merda total nesse ano. De forma inesperada, Pic teve problemas para enfrentar os pilotos da Marussia e perdeu até mesmo para o companheiro Giedo van der Garde no treino oficial. O acidente bobo no Q1 da classificação não lhe foi de grande ajuda. Durante a corrida, o francês se recuperou e deixou Van der Garde e Max Chilton para trás, mas não conseguiu superar Jules Bianchi. Prenúncio de um ano difícil.

MAX CHILTON3 – É realmente foda quando um cara desses, que nunca fez absolutamente nada no automobilismo de base, chega à Fórmula 1. O mais triste é ver que seu carro não parece ser tão ruim e poderia estar sendo ocupado por alguém bem melhor. Em todos os treinos, Chilton tomou quase um segundo do companheiro Jules Bianchi. Durante a corrida, teve um duelo com Giedo van der Garde e só. Não ficou em último em nenhuma das sessões unicamente porque seu MR02 não foi o pior carro do grid em Melbourne. Não dá para torcer por um cara desses.

GIEDO VAN DER GARDE2 – Quando você junta um piloto ruim e um carro pior ainda, o resultado não pode ser muito positivo. O holandês, contemporâneo de Lewis Hamilton e Nico Rosberg na Fórmula 3, ficou em último nos dois primeiros treinos livres e só não largou na última posição porque o companheiro Charles Pic bateu, ainda que ele mesmo também tivesse esbarrado os pneus no Q1. Na corrida, foi derrotado no deprimente duelo com Max Chilton e acabou fechando a lista dos 18 pilotos que chegaram até o fim. Também não dá para torcer por um cara desses.

DANIEL RICCIARDO2 – Os pilotos australianos só podem estar eternamente amaldiçoados no GP de seu país, não é possível. Em Melbourne, Daniel Ricciardo teve um fim de semana bem difícil. Normalmente muito mais veloz que o colega Jean-Éric Vergne nos treinos, o cara penou pra caramba e acabou ficando atrás do francês no grid de largada. A corrida foi outra merda. Daniel caiu para último na primeira volta graças a uma saída de pista e abandonou devido a uma falha no escapamento. Enquanto esteve na contenda, não fez nada de notável.

NICO ROSBERG5 – Como menção positiva, o fato de não ter levado aquela surra de Lewis Hamilton que muitos esperavam. O alemão manteve-se digno e foi a sensação tanto do Q1 como do Q2 da classificação. No Q3, ficou apenas em sexto, mas não desanimou. Durante a corrida, esteve sempre na cola de Lewis Hamilton e chegou a liderar uma voltinha. Poderia ter terminado tranquilamente entre os seis primeiros, mas um problema elétrico encerrou sua corrida prematuramente.

PASTOR MALDONADO0,5 – Em 2012, ele compensava sua absoluta falta de sensatez com velocidade, já que o carro permitia. Nesse ano, com a Williams cagando no desenvolvimento do FW35, o venezuelano deverá ter uma temporada complicada. Em Melbourne, absolutamente nada deu certo para ele. No treino oficial, teve de fazer companhia ao estreante Esteban Gutiérrez e às equipes nanicas na degola do Q1. Durante a prova, até se recuperou e ganhou algumas posições, mas colocou tudo a perder numa rodada tosca na volta 24.

NICO HÜLKENBERG1,5 – Outro que nunca dá sorte em Melbourne – ô lugar ingrato, heinhô? Nos dois últimos anos, ele não conseguiu completar uma volta. Nesse ano, ele se superou e sequer alinhou no grid graças a um problema no sistema de alimentação do seu carro. É bom que se diga que seu fim de semana não vinha sendo genial até ali. O C32 não é um grande bólido e Nico ficou entalado nas posições intermediárias durante todo o tempo. Pode não ser um bom sinal.

coala

GP DA AUSTRÁLIA: Mas olha só quem voltou! Lembra-se dela? A Fórmula 1, ela mesma! Nesse próximo fim de semana, todos nós sacrificaremos sono, balada ou sexo apenas pelo duvidoso prazer de acompanhar 22 homens correndo sem chegar a lugar algum. Cada um de nós tem seu motivo para se dar ao trabalho disso. Eu vejo corridas da mesma forma que assisto a uma briga entre barangas num terminal de ônibus: quero sangue, drama, acidentes, chuva, ultrapassagens estranhas e as coisas mais improváveis possível acontecendo. Se quisesse ver algo banal e corriqueiro, ficaria assistindo a uma fila do Banco do Brasil na hora do almoço. Há os que apenas acompanham seu ídolo, o tipo que desliga a TV na hora em que o Sebastian Vettel abandona ou o revolucionário Pastor Maldonado bate. Há os nerds que gostam de automobilismo por causa daqueles míseros detalhes técnicos que só eles entendem, como o tal do efeito Coandă. Esses daí chegam na mesa de bar e começam a debater sobre a diferença entre suspensão pullrod e pushrod ou o funcionamento do efeito solo, para desespero das pessoas normais que corretamente não ligam para isso. Há também o Pacheco, o eterno nacionalista que sempre torcerá para o compatriota, não importando se ele é o Senna ou o Fernandinho Beira Mar. Para esse, se não houver brasileiro no grid, é melhor ficar na cama até o meio-dia. E há o torcedor domingueiro, que só vê Fórmula 1 porque realmente não há nada melhor na televisão. Esse daí está apenas um nível acima daquele que diz que “o automobilismo morreu no primeiro de maio”. Não entende nada, não tem paciência para acompanhar tudo, mas ao menos é um simpatizante, o S do GLS. Todos esses, ou ao menos uma parte desses, ficarão babando na frente da televisão, ou da arquibancada, esperando pelo belo e doentio ronco dos motores. E obviamente não poderia haver pista melhor. Albert Park é basicamente um Ibirapuera com um gramado melhor cuidado. Inventaram de fazer corrida por lá e, desde então, o GP da Austrália virou um bom evento do mês do março. Ultrapassagens, acidentes e loucuras são sempre comuns por lá. A Austrália, em si, não é um país muito convencional. Não dá para levar a sério um lugar onde existem coalas. Vamos de Coandă, então.

GONZALEZ: Começo a quinta-feira com uma notícia muito triste: a Marussia anunciou a contratação do venezuelano Rodolfo Gonzalez, 26 anos, para a vaga de piloto-reserva. Gonzalez terá o direito de pilotar o MR02 em algumas sessões de sexta-feira nesse ano e também poderá assumir o lugar de Max Chilton ou Jules Bianchi quando necessário. Portanto, oremos. Oremos para que Chilton e Bianchi permaneçam intactos até o final da temporada. Se o boyzinho inglês é meia-boca e o francês andou decepcionando nos últimos anos, Rodolfo Gonzalez é realmente um tapa na cara do mortal que faz o pai vender casa e carro para financiar sua profícua carreira no automobilismo. Sua carreira nos monopostos completará dez anos em 2013 e o cara só venceu uma única vez na vida, uma corrida da Euro 3000 em Zolder na temporada de 2009. Naquele mesmo ano, ele fez sua estreia na GP2, onde disputou 63 corridas até o ano passado e marcou um total de apenas dez pontos. Em resumo, o piloto venezuelano é ruim de chorar, mas seu passe é disputado à tapa por várias equipes porque seu patrocinador é a mesma PDVSA de Pastor Maldonado. Ou seja, sua falta absoluta de qualquer capacidade para pilotar um carro é amplamente compensada pelos milhões de dólares que a petrolífera bolivariana depositará na conta corrente. Eu, sinceramente, não sei como Gonzalez conseguiu esse acordo de última hora mesmo após a morte de seu grande mecenas, o iconoclasta Hugo Chavez. Mas já que conseguiu, que aproveite bem. Só não destrua muitos carros. E procure ficar longe da GP2.

BOLA DE CRISTAL: O que será que vai acontecer na Austrália? Pai Verde está aqui, comendo batatas fritas Pringles, coçando a cabeça, apertando alguns plásticos-bolha e mentalizando sobre o futuro. Podem cobrar de mim, pois é isso mesmo que acontecerá. Nos treinos, que certamente serão realizados com solzão alternando com precipitações de granizo do tamanho de um ovo de ornitorrinco, os pilotos se digladiarão na pista apenas para ver Sebastian Vettel liderando todas as sessões, inclusive o treino oficial. Felipe Massa largará em sexto. Lewis Hamilton, palhaço do fim de semana, rodará umas vinte vezes, brigará com uns três retardatários e ainda conseguirá um mágico quarto lugar no grid. Na animada disputa dos losers, Jules Bianchi baterá no carro de Giedo van der Garde duas vezes nos treinos. O genro holandês descerá do carro e irá chorar nos braços do sogrão, que lhe comprará um Rolls Royce para acalmá-lo. A corrida terá três largadas. A primeira será abortada porque Kimi Räikkönen adormeceu durante o acendimento das luzes vermelhas e ficou parado no grid. A segunda será paralisada após Romain Grosjean tirar sete colegas da pista na primeira curva. Na terceira, Mark Webber assume a ponta e animará o público local liderando as primeiras voltas, mas Sebastian Vettel o ultrapassará no 28ª giro. Depois, o alemão ainda confessará que ultrapassou Webber mesmo com o câmbio quebrado, o radiador furado e o zíper do macacão enroscado num pentelho do saco. Para surpresa de todos, Vettel abandonará após ser fechado por Charles Pic. Fernando Alonso assume a liderança, mas perde a ponta após Jenson Button ultrapassá-lo. Button vence e faz todo mundo acreditar que a McLaren blefou a pré-temporada inteira. E o coitado do Webber ainda é atingido pelo nosso querido Lewis Hamilton na última volta. Ao lado de Button no pódio, Alonso e Sergio Pérez. Felipe Massa terminará em sexto. Este é Pai Verde, de Ulan Bator. Câmbio final.

HAMILTON: Então, agora, o cara quer grandeza… Em entrevista ao diário britânico Daily Telegraph, Lewis Hamilton da Silva afirmou que quer ter a mesma grandeza de seu grande ídolo, Ayrton Senna. “Quando falo de grandeza, só penso nas histórias sobre Ayrton Senna, a maneira que ele entrava numa sala, a aura que ele tinha, como ele levava a vida, como ele pilotava e inspirava as pessoas, uma nação inteira – isso é grandeza”, afirmou Hamilton, completando que “quer ter essa mesma grandeza”. O que eu tenho para dizer sobre isso? Primeiro, que ele tem o direito de falar o que quiser. Segundo, que eu tenho o direito de dar meus pitacos sobre isso, que em nada afetarão a vida de Lewis. É bacana que o cara tome Senna como uma referência, uma meta a ser alcançada, mas não sei… Ayrton era um cara completamente obcecado com a vitória, com o trabalho, o andamento de sua carreira. Jamais deixaria se afetar por uma namorada assim ou um papai assado. Lewis, que é um excepcional piloto, precisa se concentrar um pouco mais em seu trabalho e menos em bobeiras como o fato dos espectadores gostarem dele ou não, assunto mencionado na mesma entrevista ao Daily Telegraph. Pelo menos, a princípio, sua atual equipe acertou a mão. Lewis fez uma aposta de risco ao largar o empreguinho estável da McLaren para mergulhar no caldeirão de estrelas cadentes que a Mercedes vinha sendo até há pouco tempo. Pelo visto, é bem possível que ele colha alguns frutos já. Mas como Pai Verde disse lá em cima, não será em Melbourne: ele vai errar um monte nos treinos e vai bater no Webber na última volta da corrida.

SAUBER: Essa daqui está circulando no paddock em Melbourne e ainda não li em nenhum veículo de imprensa brasileiro. No Twitter, o jornalista Dimitris Papadopoulos afirmou que dois investidores deixaram a Sauber nos últimos dias e a equipe estaria à venda. Sem entrar em maiores detalhes, Papadopoulos afirma apenas que o magnata mexicano Carlos Slim não está entre eles e o casamento entre Sauber e Telmex segue firme e forte. O fato é que a equipe atualmente gerenciada por Monisha Kaltenborn perdeu parceiros e está ameaçada. Triste situação, pois nós acreditávamos que a escuderia, ainda que sem ser de ponta, era uma das mais sólidas do grid. Tudo bem, reconheço que o belo carro estava meio pobre de decalques, mas o senso comum dizia que a grana mexicana, que justificou as presenças de Sergio Pérez e Esteban Gutierrez na equipe nos últimos tempos, fazia tudo funcionar sem tropeços. Nos próximos dias, é bem possível que mais informações venham à tona. E a Fórmula 1 segue, sem mover uma sobrancelha, observando suas equipes do meio e do final do pelotão agonizando. Até mesmo a Lotus, que é competente e tem patrocinadores, ainda corre riscos e não tem seu futuro garantido. A Force India, apesar de tudo, ainda está garantida para mais um ano, mas 2014 ainda é uma incógnita. E a Marussia teve de correr atrás de Rodolfo Gonzalez para fechar seu orçamento aos 45 do segundo tempo. É a marolinha que não acaba nunca no automobilismo.

ADVANCE AUSTRALIA FAIR? Exatamente. Este é o nome do hino nacional australiano. Como minha criatividade acabou para o nome desta coluna, as demais deste ano terão como título o nome das musiquinhas oficiais de cada país. Para conhecer o hino, haz click acá!

andreamontermini

Andrea Montermini e o FG01 no Trofeo Indoor de Bolonha, realizado no fim de 1995. Um epílogo triste para um ano difícil

Sophomore

Acabou a temporada de 1995, a primeira da Forti-Corse na Fórmula 1. Um árduo ano de estreia. Muito aprendizado. Um ou outro acerto. Trocentos erros. Um carro feio, pesado e antiquado. Um piloto limitado, mas endinheirado. Um piloto ótimo, mas pobre. Carteira sempre cheia. Um sétimo lugar em Adelaide. A equipe de Guido Forti não teve grandes motivos para celebrar ao fim da temporada. Talvez apenas a chegada de um novo ano.

Se dependesse da Forti-Corse, Pedro Paulo Diniz e Roberto Pupo Moreno permaneceriam como seus pilotos em 1996. Diniz tinha a grana e Moreno tinha a experiência necessária e a admiração da cúpula. No entanto, o primeiro acertou sua ida para a Ligier ainda no final de 1995, levando na bagagem a maioria dos patrocínios brasileiros, e o segundo meio que largou mão da Fórmula 1 e foi tentar ser feliz nos Estados Unidos. Sem a grana e os pilotos, a equipe ítalo-brasileira perdeu boa parte de sua alma “brasiliana”.

Naquela época, testes e eventos com o carro da temporada corrente eram totalmente liberados. Só não testava quem não tinha dinheiro algum. No caso da Forti-Corse, esse ainda não era um grande problema. O próprio Moreno foi convidado para participar de um evento de demonstração com o FG01 no recém-inaugurado circuito de Sentul, na Indonésia, no início de dezembro. Andar com o carro podia. Mas quem seriam os agraciados com o privilégio?

A Forti-Corse conversava com vários pilotos. No topo da preferência, brasileiros e italianos. Mas como escolher? Por via das dúvidas, o ideal era colocar na pista aqueles que pareciam mais interessantes e fazer uma comparação. Mas como? Bem, existia uma forma.

Nos anos 90, havia um evento que costumava reunir algumas equipes de Fórmula 1, geralmente italianas, para uma disputa de corridas eliminatórias num pequeno traçado improvisado no Bologna Motor Show. Alguns de vocês já devem ter ouvido falar do “Formula 1 Trofeo Indoor”, que costumava ocorrer sempre no mês de dezembro. Muita gente se reunia em Bolonha para acompanhar as disputas tête-à-tête entre carros que não costumavam disputar as primeiras posições. Era um espetáculo.

O esquema era simples. Os pilotos inscritos disputavam uma espécie de fase classificatória, os piores iam para o raio que o parta e os melhores eram alocados em duelos. Em cada duelo, dois pilotos faziam uma espécie de minicorrida e o vencedor passava para a próxima fase, onde faria novo duelo contra outro vencedor da fase anterior e assim sucessivamente. É como se fosse uma Copa do Mundo. Sagrava-se campeão o cara que vencia todos os duelos até a final.

Em 1995, apenas a Minardi e a Forti-Corse deram as caras no Trofeo Indoor, cada uma com três pilotos. A escuderia de Giancarlo Minardi, com muito mais experiência, era a franca favorita. Seu trio de pilotos era composto pelo experiente Pierluigi Martini, pelo consolidado Luca Badoer e pelo novato Giancarlo Fisichella, uma turma do barulho. Enquanto isso, a coitada da Forti contava com o eterno sofredor Andrea Montermini e os deploráveis Giovanni Lavaggi e Vittorio Zoboli.

O carro que a Forti-Corse utilizaria nas primeiras corridas de 1996

O carro que a Forti-Corse utilizaria nas primeiras corridas de 1996

Montermini não pertencia a esse trio, verdade seja dita. Era um piloto muito bom que nunca teve dinheiro para arranjar uma vaga realmente decente. Se a Fórmula 1 fosse justa, ele teria feito uma carreira longa e profícua. Já os seus dois colegas de Bolonha não eram dignos de muitos elogios. Lavaggi havia feito algumas corridas terríveis pela Pacific em 1995 e Zoboli foi o cara que conseguiu, com um carro da Jordan, andar mais lento do que o Simtek de David Brabham num teste no Estoril em 1994.

Como esperado, Lavaggi e Zoboli não conseguiram passar da primeira fase do Trofeo Indoor. Montermini o único da Forti-Corse que avançou para as semifinais, onde duelaria contra o Minardi de Luca Badoer. O resultado foi pífio: Andrea bateu seu carro amarelado nos pneus e entregou a vitória tranquila a Badoer, que foi para a final do torneio.

Ainda assim, Montermini havia agradado o suficiente para ser convidado para correr na Forti-Corse em 1996. Seria sua terceira equipe na Fórmula 1: antes dela, o piloto já tinha corrido pela Simtek e pela Pacific. É um Roberto Moreno romanesco, pode-se dizer. Ainda em dezembro, Andrea fez seus primeiros testes oficiais com a escuderia amarela. Ou melhor, não muito. Em sua primeira sessão em Barcelona, o câmbio do FG01 quebrou após apenas quatro voltas…

O segundo piloto demorou um pouco mais para ser anunciado. Estavam na lista os brasileiros Ricardo Rosset e Tarso Marques, o japonês Hideki Noda e o francês Franck Lagorce, além de outros aparentemente menos cotados. Tudo dependia de dinheiro, papeis fiduciários que Rosset e Noda tinham aos montes. Vale dizer que nenhum dos pilotos de Pindorama estava muito disposto a arriscar sua reputação na carroça amarelada: Rosset estava mais interessado na Tyrrell e na Footwork e Tarso negociava com a Minardi.

Quem lê tudo isso pode até imaginar que a equipe estava trabalhando tranquilamente e a escolha do segundo piloto era apenas uma formalidade. Nada disso. O orçamento da equipe estava apertadíssimo, ainda mais após a saída de Pedro Paulo Diniz e a aquisição dos motores Ford Zetec. Na verdade, a Forti-Corse não tinha garantia nenhuma de que continuaria na Fórmula 1 em 1996. Tudo ainda funcionava, mas ninguém sabia nada sobre o dia de amanhã.

Na área gerencial, comentava-se que a equipe queria convidar o velho Cesare Fiorio, ex-Ferrari, para trabalhar como consultor durante a primeira metade do ano. Ele seria trazido para dar um jeito na bagunça da Forti-Corse, contratar as pessoas corretas e fazer daquele apanhado de italianos aloprados uma coisa séria. Pouco antes do GP do Brasil, Fiorio foi oficialmente anunciado como diretor da equipe até a etapa de Magny-Cours.

O novo carro estava sendo desenvolvido pelo engenheiro Chris Radage, ex-Brabham. O mais complicado é que a falta de recursos refletia-se em atrasos no cronograma e falta de testes. Até o fim de fevereiro, a Forti-Corse era a única equipe que não havia levado um bólido ano 1996 à pista. Mesmo antes da temporada começar, a equipe iniciava o campeonato como candidata isolada à condição de lanterninha.

O HORRENDO FG01B sendo pilotado por Luca Badoer em Melbourne

O HORRENDO FG01B sendo pilotado por Luca Badoer em Melbourne

Curiosamente, Radage começou os trabalhos, mas não os terminou. O novo bólido, cujo nome seria FG03, seria finalizado pelo italiano Riccardo de Marco, um novato nesse negócio de automobilismo. Entretanto, as previsões mais otimistas diziam que o FG03 ficaria pronto apenas no fim de abril, quando começaria a temporada europeia. Isso significava que a Forti-Corse teria de utilizar o velho FG01 rebatizado como FG01B pelo menos nas três primeiras corridas, realizadas na Austrália e na América do Sul. A única novidade do FG01B seria o motor Ford Zetec, que seria encaixado de qualquer jeito no chassi antigo.

E o segundo piloto? Dessa vez, não teve muita novela. Havia vários candidatos, mas poucos deles tinham condições de pagar os zilhões de libras exigidos para penar num carro amarelado. No fim das contas, de forma surpreendente, a Forti-Corse anunciou no fim de fevereiro que o companheiro de Andrea Montermini seria outro sofredor de equipes pequenas, o compatriota Luca Badoer, ex-piloto da Minardi e da Scuderia Italia.

A surpresa se dava porque Badoer estava longe de ser o cara mais rico do paddock. Ele tinha um razoável apoio da filial italiana da Marlboro em 1995, mas a empresa decidiu enfiar todo o seu dinheiro no jovem Giancarlo Fisichella no ano seguinte. Sei lá eu a razão de sua contratação. Luca sempre foi um bom piloto, mas nada que convencesse alguém a dispensar um chauffeur de milhões de dólares. Talvez o brilho de seus olhos tenha seduzido alguém. Nunca se sabe, não é?

O fato é que a Forti-Corse iniciava o campeonato com dois carros antiquados equipados com motores de 1994, dois italianos infelizes ao volante, poucos patrocinadores e quase nada de dinheiro. Quais eram as expectativas? Para as primeiras corridas, quase nenhuma. 1996 foi o primeiro ano em que passou a vigorar o famigerado limite dos 107%: quem não conseguisse fazer uma volta abaixo desse limite no treino classificatório (que passaria a ser um só, realizado no sábado) estaria impedido de largar na corrida. Não adiantaria espernear ou mandar cartinha mal-educada a Herbie Blash. Era assim mesmo e acabou.

A primeira corrida da temporada de 1996 foi o GP da Austrália, realizado no dia 10 de março. A Forti-Corse apareceu com dois carros horríveis, com pintura totalmente desarmônica e uma profusão de patrocínios irrelevantes. Era um negócio realmente porco, digno de uma equipe nanica à beira da falência.

O desempenho na nova pista de Albert Park, Melbourne, foi tão bonito quanto o carro. Andrea Montermini deu um total de apenas 30 voltas nos quatro treinos dos quais participou (a sessão de familiarização da quinta-feira, dois treinos livres e a classificação), estourou dois motores e ficou a quase dez segundos do tempo do pole Jacques Villeneuve na sessão de definição do grid de largada. Para ele, largar no GP da Austrália soava quase como algo utópico.

Luca Badoer não teve um fim de semana tão horrível assim, mas também não tomou parte do GP da Austrália. Ele conseguiu fazer bem mais quilometragem e até marcou uma volta razoável na sessão classificatória, com o tempo de 1m39s202. O problema é que esse tempo era apenas quatro décimos mais lento do que o limite de 107%, que estava em torno de 1m38s8. Por quatro estúpidos décimos, Badoer não pode largar na corrida australiana. Quatro décimos é mais ou menos o tempo que você toma para piscar. Maldita piscadela!

Andrea Montermini também se ferrou bastante

Andrea Montermini também se ferrou bastante

OK, bola para frente, que a boa fortuna apareça em Interlagos, palco da segunda corrida. Naquele momento, a Forti-Corse já estava sob gestão de Cesare Fiorio, que até implantou um manual de procedimentos administrativos da equipe. Fiorio conseguiu demonstrar a Carlo Gancia e Guido Forti que comandar uma escuderia de Fórmula 1 não era como operar uma quitanda ou uma equipe de Fórmula 3000. Organização, seriedade e frescura são atributos indispensáveis para qualquer um que queira participar da maior categoria do planeta.

A chegada de Fiorio deu resultados imediatos. Para começo de conversa, os dois FG01B apareceram em São Paulo com um grande e reluzente adesivo nos sidepods. A rede de postos Hudson (lembra-se?) decidiu injetar uma graninha nos cofres forticorseanos em troca de um pouco de publicidade nos GPs do Brasil e da Argentina. Ao menos nessas duas etapas, a Forti-Corse teria um patrocinador legal assim como qualquer outra equipe normal do grid naqueles dias.

Na pista, por incrível que pareça, as coisas também melhoraram. Montermini e Badoer continuaram sofrendo com a lentidão e os problemas crônicos do FG01B, mas a diferença para as outras equipes caiu bastante. No treino oficial, o milagre: ambos conseguiram se qualificar para a corrida. Badoer passou com facilidade, até: ficou a 3s3 do tempo do pole Damon Hill e a apenas 2s4 de Rubens Barrichello, o segundo colocado no grid. Montermini teve um pouco mais de dificuldades, pois ficou a 5s3 da pole e por muito pouco não foi limado pela malha dos 107%. Mas ambos chegaram lá.

Só que o sucesso do sábado não significou que o domingo seria fácil e feliz. Tanto Montermini como Badoer tiveram problemas no warm-up e ambos tiveram de fazer grandes modificações em seus carros para conseguir largar na corrida. Andrea foi obrigado a partir dos boxes por causa de um problema de óleo, ficou para trás rapidamente e abandonou a prova após rodar duas vezes na mesma volta.

Luca Badoer também teve seus pequenos dramas. Após o problema de motor no warm-up, a Forti-Corse foi obrigada a instalar um novo Ford Zetec V8 em seu carro, o que tomou um bom tempo e esforço de todos. Pelo menos em seu caso, deu para largar normalmente, junto aos demais pilotos. No meio da corrida, o câmbio (sempre ele) começou a apresentar problemas, mas o jovem piloto conseguiu seguir em frente. Apesar da ruindade de seu carro e do clima horroroso, Badoer conseguiu terminar a corrida em 11º. Para uma equipe que achava que sequer trabalharia aos domingos, obter um resultado final tão bom assim foi quase como um título mundial.

A terceira etapa da temporada foi o GP da Argentina, realizado no dia 7 de abril. Sem novidades, a Forti-Corse esperava apenas que algum milagre voltasse a acontecer, assim como em Interlagos.

Nos treinos, Badoer e Montermini permaneceram sempre andando nas duas últimas posições. Não dava para competir sequer com Minardi, Footwork e Tyrrell, que tinham carros mais novos e bem menos tétricos. Mesmo assim, os dois heróis italianos conseguiram se qualificar novamente. Luca ficou em 21º, a 4s4 do pole Damon Hill. Andrea foi o último colocado com um tempo 5s3 acima da pole-position. Desde o início, explicitava-se a superioridade de Badoer sobre Montermini na Forti-Corse.

Tá ruim aí embaixo, Badoer?

Tá ruim aí embaixo, Badoer?

A corrida foi ótima para um e assustadora para outro. Comecemos por Montermini, que finalmente teve um fim de semana razoável em 1996. O cara largou em último, conseguiu andar à frente de um problemático Mika Salo durante um bom tempo, não cometeu erros e terminou numa excepcional décima posição. Se fosse hoje em dia, ele teria feito um pontinho feliz. Foi sua melhor atuação naquela temporada.

Luca Badoer foi um dos destaques da corrida, mas pelo lado negativo. Na volta 24, Pedro Paulo Diniz se aproximava para colocar uma volta no piloto italiano, que não abriu espaço e fechou a porta. Os dois carros acabaram se tocando e o Forti de Badoer saiu capotando em direção ao gramado do autódromo Oscar Galvez. O FG01B terminou de cabeça para baixo e todos que acompanhavam a corrida ficaram assustados. Será que o cara ralou os chifres no chão?

Felizmente, não. Badoer saiu do carro com alguma dificuldade, mas sem nenhum ferimento. E não deve ter sido legal para a Hudson aparecer de ponta-cabeça para milhões de pessoas ao redor do planeta.

Depois do GP da Argentina, a Fórmula 1 retornou à Europa. Finalmente! Para a Forti-Corse, o início da temporada europeia era o momento propício para a estreia de seu carro novo, o FG03. Só que os planos não correram como esperado. A pequena esquadra italiana não conseguiu deixar seu novíssimo bólido pronto a tempo e foi obrigada a se contentar com o imprestável FG01B para o GP da Europa, a ser realizado em Nürburgring em 28 de abril.

Havia, na verdade, um FG03 a ser preparado para Luca Badoer, mas os poucos mecânicos não conseguiram montar o carro a tempo. Dessa forma, tanto ele como Andrea Montermini teriam de tentar alguma proeza com o carro velho. Mas é lógico que as coisas não funcionam assim na Fórmula 1.

Badoer e Montermini conseguiram fazer várias voltas nos treinos sem nenhum problema muito grande. O problema é que nenhum deles conseguiu andar bem em momento algum. No treino classificatório, ambos falharam ao tentar superar a barreira dos 107%. Andrea ficou a 6s1 da pole-position e Luca ainda foi sete décimos mais lento que o colega. A Forti-Corse até mandou uma cartinha requisitando piedosamente uma permissão especial para largar, mas a FIA indeferiu o pedido e mandou a italianada para casa mais cedo. E foi assim que terminou o último fim de semana do FG01B. A partir da etapa seguinte, o GP de San Marino, a Forti-Corse teria o tão esperado FG03 à disposição.

Ah, agora sim. Finalmente a temporada vai começar para nós, pensaram os caras. Mas será que as boas expectativas se cumpriram? O último capítulo dessa série contará como foi o restante da temporada de 1996 para a pobre, mas corajosa, Forti-Corse.

MCLAREN10 – Vixe, será que a McLaren fez o certo? Muita gente ficou intrigada com a opção da equipe inglesa pelo bico sem degrau, contrariando a tendência que assolou o grid deste ano. Ao menos em Melbourne, a decisão parece ter sido a mais correta. Lewis Hamilton e Jenson Button estiveram constantemente entre os mais rápidos e monopolizaram a primeira fila, confirmando o enorme favoritismo. Infelizmente para Hamilton, sua largada não foi tão boa e o safety-car ainda entregou o segundo lugar a Sebastian Vettel. Button, por outro lado, venceu no maior estilo. Foi a melhor equipe do fim de semana e certamente dará um trabalho daqueles à Red Bull.

RED BULL8 – Começou o fim de semana sem seu “Enzo Ferrari”, o tailandês Chaleo Yoovidhya, falecido no sábado aos 89 anos. O camarada aí havia criado o tal energético que virou febre em todo o planeta a partir dos anos 90. Pelo visto, a morte trouxe ares pesados à equipe, que não conseguiu ser a protagonista em momento nenhum. No último treino livre, viu Sebastian Vettel rodar sozinho na curva 6. Na classificação, colocou seus dois carros apenas na terceira fila. No domingo, até foi bem e celebrou o segundo lugar de Vettel, mas o resultado final foi bastante insuficiente para uma equipe que fez o que quis em 2011.

FERRARI3 – Existe clichê mais antigo, e melhor, do que rossa, ma di vergogna? Esta frase comumente utilizada nos semanários italianos nos maus dias da Ferrari do jejum de 21 anos sem título pode ser perfeitamente aplicada neste início de 2012. O F2012 é um carro tão veloz quanto bonito, o que é um evidente mau sinal. Pelo menos, Fernando Alonso está lá. O espanhol rodou sozinho no sábado e comprometeu sua posição no grid, mas fez uma ótima corrida de recuperação e terminou em quinto. Felipe Massa rodou na sexta, estacionou no Q2 do treino oficial e não fez muita coisa além de muitas paradas de pit-stop e um acidente desnecessário com Bruno Senna no final. A indignada Autosprint pediu Jarno Trulli em seu lugar. Os italianos não são campeões de paciência.

SAUBER7,5 – Parece ter um carro eficiente e certamente tem uma dupla do barulho. Falta apenas resolver os pequenos problemas que sempre a atrapalham. Não fosse por um problema no câmbio no sábado e pelo acidente com Nico Rosberg na última volta da corrida, Sergio Pérez poderia ter se dado muitíssimo bem. O mexicano parou apenas uma vez, comprovando o baixíssimo consumo de pneus proporcionado pelo C31, e marcou pontos após ter largado da última posição. O companheiro Kamui Kobayashi bateu em um ali e aprontou outra acolá, mas deu uma sorte tremenda na última volta e ficou em sexto. Um início de temporada muito animador para a turma de Peter Sauber.

LOTUS8 – Tem um carrão e poderia ter saído de Melbourne com muitos pontos no bolso, mas seus dois pilotos tiveram aborrecimentos em momentos distintos do fim de semana. O campeão Kimi Räikkönen se embolou todo no Q1 e sequer conseguiu passar para a próxima fase. No dia seguinte, andou direitinho, sobreviveu a Kobayashi e terminou em oitavo. Romain Grosjean foi a sensação do treino oficial ao marcar o terceiro tempo, mas abandonou na segunda prova após Pastor Maldonado ter lhe dado uma porrada em uma das rodas. Mas o carro é bom e a dupla é ótima. Fiquemos de olho.

TORO ROSSO6,5 – O STR7 é um carro bastante correto e seus dois pilotos são da turma dos bons. O resultado no treino oficial, com Daniel Ricciardo em décimo e Jean-Eric Vergne logo atrás, foi mais promissor que o da corrida, mas ninguém ficou muito chateado. O australiano bateu em Bruno Senna na largada e teve de trocar o bico, mas não desanimou e fez uma excelente corrida de recuperação, abocanhando o nono lugar. Vergne fez uma corrida de aprendizado, conservadora e cautelosa. Não pegou um pontinho por alguns malditos metros. É outra equipe para ficarmos de olho – a contenda lá dentro vai ser pesada.

FORCE INDIA4 – Esta, de certa forma, decepcionou. O bom desempenho da pré-temporada não se repetiu em terras oceânicas, mas Paul di Resta ainda anotou um pontinho graças às loucuras das últimas curvas. O escocês é tipo o Nico Rosberg tocando gaita de foles, eficiente e muito, mas muito discreto. Já Nico Hülkenberg andou melhor no treino oficial, mas sua corrida acabou ainda na primeira volta. O carro não começou bem, mas o mesmo aconteceu no ano passado e a equipe acabou melhorando muito. Talvez seja a Force India que não goste tanto assim do reino dos coalas.

MERCEDES8 – Poderia e merecia ter ganhado nota bem maior, mas não dá para ser muito benevolente com uma equipe grande que termina o fim de semana sem pontos. O W03 é um carro promissor e Michael Schumacher demonstrou suas qualidades com o primeiro tempo no segundo treino livre e o quarto lugar no grid de largada. Ele vinha andando num confortável terceiro lugar quando o câmbio quebrou, um problema duro de engolir numa Fórmula 1 de peças inquebráveis. Nico Rosberg, menos exuberante, apareceu bem com uma ótima largada e uma corrida que se desenvolveu bem até o safety-car. No fim, nem deu para ficar entre os dez primeiros. Vamos considerar que o GP australiano foi um ponto fora da reta de uma equipe que tem tudo para ganhar a primeira neste ano.

WILLIAMS5 – É foda, rapaz. No fim de semana em que a equipe parecia estar pronta para marcar mais pontos do que em 2011 inteiro, seus dois pilotos decidiram não colaborar. Muita gente pode achar que estou sendo duro demais com Pastor Maldonado, que fez um ótimo treino oficial e uma corrida melhor ainda, mas temos de ser pragmáticos: ele jogou um sexto lugar no lixo por culpa inteiramente sua. Para uma Williams que precisa de cada ponto, foi uma tremenda duma cagada. Bruno Senna pode ao menos alegar que foi atingido por Daniel Ricciardo e Felipe Massa, mas seu confesso conservadorismo não pegou bem. Esperamos mais colaboração por parte da dupla, pois o carro se comportou muito bem em Melbourne e promete estar num nível acima ao lamentável FW33 do ano passado.

MARUSSIA6 – Única equipe das nanicas que conseguiu terminar a corrida, e ainda por cima com seus dois carros. Mesmo sem ter feito uma pré-temporada completa com seu carro novo, Timo Glock e Charles Pic conseguiram andar razoavelmente bem durante todo o fim de semana, não tiveram problemas e o alemão ainda andou à frente de carros melhores na primeira volta da corrida. Os dois chegaram ao fim e demonstraram que, sim, dá para ter uma participação digna sem ter feito um teste decente anteriormente. Não é, HRT?

CATERHAM2,5 – Cadê aquele avanço que tanto foi prometido? Pelo visto, a esquadra de Tony Fernandes permanecerá monopolizando a 10ª fila dos grids de largada pelo terceiro ano consecutivo. Heikki Kovalainen e Vitaly Petrov ainda tiveram a desagradável experiência de andar atrás de uma Marussia durante algumas voltas. Os dois abandonaram mais ou menos no mesmo momento, um por problemas na suspensão e o outro por contingências soviéticas. Ser a única equipe das que largaram a não completar a corrida não foi das coisas mais agradáveis.

HRT0 – Dessa vez, fica difícil defender. Não digo nem por causa dos atrasos, já que a novela é a mesma desde 2010. O problema é ter feito, no treino oficial, um tempo ainda pior do que na edição de 2011, na qual a equipe também não conseguiu se dar bem. Pedro de la Rosa e Narain Karthikeyan nem sonharam em repetir o 1m32s9 marcado por Vitantonio Liuzzi no ano passado. O espanhol só conheceu o novo carro no fim de semana e penou um bocado. Dono da grana, Narain andou um pouco mais, mas foi triste vê-lo parar na sua primeira volta no primeiro treino de sexta-feira. Pressinto que as dificuldades serão ainda maiores do que nas duas primeiras temporadas. Espero estar errado.

TRANSMISSÃOVICK VAPORUB – Cof, cof! O que foi aquilo? O narrador oficial da transmissão brasileira estava com catarro ou cimento na garganta? Nas últimas dez voltas, sua dificuldade para pronunciar seis ou sete palavras consecutivas era dramática – talvez ele já tenha chegado ao limite extremo de suas cordas vocais, certamente afetadas por antigos hábitos tabagistas. Fora isso, seu companheiro não precisava estragar a surpresa do primeiro carro de corrida no Brasil, que seria apresentado num programa qualquer. “Um Alfa Romeo”. Puxa vida, e eu esperando assistir ao programa e dar de cara com um Hyundai ou um EFFA. Não prestei muita atenção em outras bobagens, pois acompanhar minúcias as três da manhã é coisa de zumbi.

CORRIDAZICAS – Sabe, eu torço para alguns pilotos. Pastor Maldonado, Romain Grosjean, Michael Schumacher, Kamui Kobayashi, Lewis Hamilton e Fernando Alonso. Pode perceber que, sim, me aborreci um pouco. Quem foi bem no sábado se deu mal no domingo e vice-versa. Dei um soco no colchão onde estava deitado quando vi aquela anta do venezuelano batendo na última volta. Para quem torce pra Jenson Button, por outro lado, foi uma madrugada divertida. Não houve tantos acidentes ou horrores que sempre acontecem em Melbourne, mas também não bocejamos tanto. Foi uma corrida honesta para quem se dispôs a ficar acordado até altas horas da madrugada.

JENSON BUTTON10 – Nunca torça contra Jenson Button, pois não funcionará em hipótese nenhuma. O campeão de 2009 iniciou a temporada da melhor maneira possível, vencendo sem dar chance aos rivais. Liderou o primeiro treino livre da temporada e não teve dificuldades para largar na segunda posição, mas dia bom mesmo foi o domingo. Logo na largada, deixou Lewis Hamilton para trás e só deixou a liderança momentaneamente nos dois pit-stops. Mesmo com o safety-car juntando todos os carros, nunca foi ameaçado. Obteve seu terceiro trunfo na Austrália. Filho da mãe.

SEBASTIAN VETTEL9 – Não tinha o melhor carro e sabia disso, mas fez uma grande corrida. O atual bicampeão foi discreto nos treinos, mas compensou com uma atuação de gala na corrida. Houve até ultrapassagem por fora, feita sobre Nico Rosberg. Deu-se muito bem com o safety-car, que entrou na pista quando os dois McLaren haviam acabado de fazer seu pit-stop. O alemão entrou nos boxes na hora certa e conseguiu tomar a segunda posição de Lewis Hamilton no retorno.

LEWIS HAMILTON8 – Era o grande favorito para a vitória, pois tinha o melhor carro e mais velocidade que o companheiro de equipe. No sábado, fez a pole-position sem dificuldades. Mas a primazia evaporou logo na largada, quando Jenson Button conseguiu tomar a liderança metros antes da primeira curva. O segundo lugar parecia um porto seguro, mas o safety-car permitiu que o oportunista Sebastian Vettel o ultrapassasse. Nas últimas voltas, ainda sofreu pressão de Mark Webber e quase perdeu o pódio. Começar atrás do iluminado companheiro não estava nos planos.

MARK WEBBER6,5 – As diferenças entre ele e Sebastian Vettel continuaram evidentes mesmo em um carro que ainda está longe da perfeição. Embora tenha batido o companheiro no treino oficial, o piloto da casa levou um chocolate dos mais amargos na corrida. Como de costume, largou mal e se viu envolvido na lambança que quase virou o carro de Bruno Senna de ponta-cabeça. Teria terminado a corrida mais para trás, mas se deu muito bem com o safety-car, que acabou o colocando na quarta posição e com enormes chances de tomar a terceira de Lewis Hamilton. Não conseguiu, mas assegurou os doze pontos.

FERNANDO ALONSO8,5 – Excelente corrida, considerando a tristeza de carro que dirige. No sábado, rodou artisticamente e acabou ficando no Q2, sem esperança ou futuro algum na vida. A sorte mudou já na largada, com uma negada à sua frente tendo problemas e ficando para trás. Pouco depois, Maldonado e Grosjean se estranharam e o espanhol herdou mais algumas posições. No primeiro pit-stop, ele acabou deixando Nico Rosberg para trás. No final, Pastor Maldonado até ameaçou tomar sua posição, mas bateu sozinho e o deixou em paz. Milagres existem e Alonso operou um.

KAMUI KOBAYASHI6 – Deu a maior sorte da Oceania ao cruzar a linha de chegada na sexta posição. O feito só foi possível porque Pastor Maldonado bateu na última volta e quem veio atrás se embolou todo. No fim, o japa terminou sorridente uma corrida apenas discreta. Sempre no meio do pelotão, chamou a atenção por algumas manobras agressivas e toques na lateral de adversários como Kimi Räikkönen, com quem duelou durante boa parte do tempo. Diria que seu companheiro Sergio Pérez merecia muito mais o resultado, mas o destino não concordou e premiou Kamui.

KIMI RÄIKKÖNEN6,5 – É um cagado do caralho, com o perdão da expressão altamente ofensiva. Largou lá da milésima oitava posição e terminou em sétimo sem mover uma sobrancelha. O péssimo resultado no treino classificatório se deveu a um erro em sua volta rápida, reforçado pelo azar total de não conseguir abrir mais uma volta nos últimos segundos. As coisas melhoraram drasticamente no domingo, com uma largada limpa, o azar dos adversários e a estratégia de parar o mais tarde possível. Foi um dos felizardos com a entrada do safety-car e foi ainda mais felizardo com o acidente de Maldonado no final. O papa-léguas do dia.

SERGIO PÉREZ8,5 – Foi muito melhor que o companheiro de equipe, mas terminou atrás porque deu azar. As adversidades começaram antes da corrida, quando foi obrigado a largar em último por ter de trocar a caixa de câmbio. Largou maravilhosamente bem e ainda arriscou a estratégia de apenas um pit-stop, o que o permitiu andar na segunda posição por algumas voltas. Nas últimas voltas, estava em sétimo e poderia ter se dado muitíssimo bem com o acidente de Maldonado, mas bateu com Rosberg nas últimas curvas e acabou perdendo duas posições. Se continuar nesta forma, toma tranquilamente o lugar de Felipe Massa na Ferrari.

DANIEL RICCIARDO8,5 – Na sua primeira corrida de verdade na Fórmula 1, fez o que tinha de ser feito com um carro médio de uma equipe que cobra tanto quanto a Ferrari: ficou entre os dez primeiros na classificação e pontuou. Andou bem nos treinos e nem esquentou a cabeça no Q3 da classificação, preferindo largar em décimo e poupar um pouco seus pneus. Largou e teve problemas na primeira curva, envolvendo-se num acidente com Bruno Senna. Caiu pro fim do grid e se viu obrigado a fazer uma bela corrida de recuperação. No final, estava disputando posição com o companheiro Jean-Eric Vergne e se deu bem nos acontecimentos da última volta, ficando à frente dele. Dane-se quem discorda, mas estamos diante do melhor piloto australiano da Fórmula 1 atualmente.

PAUL DI RESTA5 – Fez uma corrida com a sua cara: discreta pacas. Levou um caminhão de tempo do companheiro Nico Hülkenberg no treino oficial e só conseguiu largar em 15º. Na primeira volta, chegou a ficar atrás da Marussia de Timo Glock. Até o final, fez sua corridinha e estava bastante distante dos pontos. Com todas as coisas que aconteceram na última volta, ganhou um monte de posições até a bandeirada de chegada e assegurou o último ponto da corrida. Mas ficou devendo.

JEAN-ERIC VERGNE6 – Este é alguém que merecia ter terminado mais à frente. Fazendo seu primeiro fim de semana como piloto oficial, o francês não cometeu grandes erros e poderia ter feito pontos tranquilamente. No treino oficial, não foi para o Q3 por muito pouco, mas não poderia reclamar do 11º lugar no grid. A largada, sim, foi problemática e ele passou reto na primeira curva tentando evitar o acidente de Bruno Senna. Tendo sobrevivido, Vergne fez sua corrida sem problemas e até sonhou em marcar pontos na última volta, mas foi ultrapassado por Paul di Resta na linha de chegada e ficou na vontade.

NICO ROSBERG5,5 – Terminou o domingo num prejuízo danado. E sem merecer. Perdeu para Michael Schumacher no primeiro treino oficial do ano, mas se recuperou com uma bela largada que o colocou em quarto na primeira volta. Embora tenha levado duas ultrapassagens de Vettel (uma por fora), perdido uma posição para Alonso no primeiro pit-stop e se ferrado com a entrada do safety-car no final, Nico vinha rumo aos pontos sem dificuldades. Mas tudo escapou pelo dedos na última volta, quando ele bateu em Sergio Pérez e acabou perdendo desempenho nas curvas finais, deixando escapar várias posições. Foi para casa zerado.

PASTOR MALDONADO7,5 – Foi talvez a grande atração da corrida, e certamente um dos melhores pilotos na pista. Mas precisa urgentemente parar de ser burro. O socialista extraiu o máximo de seu belo Williams e emplacou um ótimo oitavo lugar no grid de largada. No dia seguinte, alternou momentos de genialidade e demência grave. Logo na segunda volta, atropelou a roda dianteira de Grosjean e o tirou da prova. No decorrer da prova, apareceu bem e peitou pilotos mais gabaritados. No final, passou um tempão ameaçando a quinta posição de Fernando Alonso. Para desespero dos seus fiéis militantes, errou sozinho na última volta e estourou o carro no muro, deixando Simon Bolívar trêmulo na catacumba.

TIMO GLOCK7 – É um excelente piloto e não tinha de estar mofando no final do grid. Com um carro tão virgem quanto os antecessores, o alemão até conseguiu fazer algumas pequenas obras de arte, como o 12º lugar em um dos treinos livres. Na corrida, ganhou uma baciada de posições na largada e conseguiu a proeza de andar à frente da dupla da Caterham por algumas boas voltas. Retornando às últimas posições, ele conseguiu sobreviver às típicas ocorrências australianas e terminou a prova em 14º, sua melhor posição desde há muito tempo.

CHARLES PIC5 – Muito difícil avaliar. Ele nunca foi brilhante nas categorias menores, mas também está longe de ser um mau piloto. Na Marussia, enfrenta a barra de pilotar um carro lento e virgem ao lado de um companheiro experiente e gabaritado. Mesmo assim, fez seu trabalho. Ficou a apenas sete décimos de Timo Glock no treino classificatório e quase chegou ao final da corrida. Não conseguiu por causa de um problema na bomba de óleo. Mesmo assim, está na lista dos classificados – missão cumprida.

BRUNO SENNA2 – Enquanto seu companheiro peitava o céu e o inferno, o brasileiro preferiu ficar confortavelmente instalado no conservadorismo e na mediocridade. Resultado: nunca foi nem rápido ou constante. Nos treinos livres, andou sempre atrás de Maldonado. No treino oficial, ficou no Q2 e nunca esteve perto dos dez primeiros. Na corrida, foi tocado logo na primeira curva, quase capotou e retornou à pista lá atrás. Depois, só foi visto nas últimas voltas, quando se envolveu em um constrangedor toque com Felipe Massa. Talvez seu pior fim de semana na Fórmula 1.

FELIPE MASSA1 – Triste. Se continuar assim, não dá para deixar de imaginar que a Ferrari o substitua ainda nesta temporada. Apanhou do carro, do companheiro e de todo o resto durante todo o fim de semana. Ficou em 18º em dois dos três treinos livres. No oficial, não sobrou no Q1 por muito pouco, inimaginável em se tratando de um piloto da Ferrari. Na corrida, sofreu muito com o desgaste dos pneus traseiros e fez três trocas de pneus. Com este problema, perdeu muito terreno e passou boa parte da prova em 13º. Na volta 46, sofreu um acidente tão improvável quanto imbecil com Bruno Senna e teve de abandonar. Talvez seu pior fim de semana na Fórmula 1. Talvez o pior fim de semana do Brasil na Fórmula 1.

HEIKKI KOVALAINEN3,5 – Apareceu bem no segundo treino de sexta, quando ficou em oitavo, e só. Seu carro não melhorou muito, ao contrário do que muita gente imaginava. Ainda andou atrás da Marussia de Timo Glock nas primeiras voltas e teve trabalho com Vitaly Petrov em alguns momentos. Abandonou com problemas na suspensão. Já teve fins de semana mais interessantes. E o próximo também não deverá ser fácil: por ter feito ultrapassagem antes da linha do safety-car, ele perderá cinco posições no grid do GP da Malásia.

VITALY PETROV3 – Terá dias difíceis na Caterham após dois anos sossegados na Renault. Ficou atrás de Kovalainen durante todo o fim de semana, mas é bom que se diga que também não passou vergonha. Durante a corrida, parou mais tarde que a maioria dos seus rivais e chegou a ocupar a 11ª posição por algumas voltas. Na volta 35, abandonou em plena reta dos boxes e trouxe o safety-car que mudaria a vida de bastante gente na prova.

MICHAEL SCHUMACHER8 – Começou o ano a mil, liderando um treino livre e fazendo um excelente quarto tempo no treino oficial, melhor posição obtida desde que retornou à Fórmula 1. Na largada, deu-se bem com a péssima saída de Grosjean e assumiu a terceira posição. Tinha grandes chances de pódio, mas o câmbio de seu W03 falhou e o resultado foi uma saída de pista na primeira curva. Pouco depois, Michael viu que não dava para continuar e abandonou a prova. Uma pena.

ROMAIN GROSJEAN7 – Se não tivesse feito aquelas corridas vexaminosas em 2009, estaria sendo aclamado como o futuro Alain Prost. Apareceu de maneira espetacular no treino oficial, quando ficou em terceiro no Q1, segundo no Q2 e novamente terceiro no Q3, milhões de posições à frente do badalado companheiro Räikkönen. Infelizmente, sua corrida durou pouco e foi ruim. Largou muito mal e ocupava a sexta posição quando foi basicamente atropelado por Maldonado. Com a roda dianteira direita quebrada, teve de encostar e chorar.

NICO HÜLKENBERG5,5 – Não tem sorte em Melbourne. Há dois anos, foi envolvido em uma colisão daquelas com Kobayashi e Sébastien Buemi. Neste ano, a história se repetiu. O novo contratado da Force India foi acertado por sei lá quem e teve de abandonar ainda na primeira volta com pneu furado e suspensão arregaçada. Chato, pois tinha tudo para ser o melhor representante indiano da prova, a começar pelo ótimo desempenho no treino oficial.

PEDRO DE LA ROSA4 – Impossível fazer uma avaliação justa. Parecia claro que o quarentão espanhol viajou a Melbourne apenas para tirar fotos com os cangurus, pois seu carro sequer ficou pronto para o primeiro treino livre. Nas três sessões em que participou, deu um total de 19 voltas e nunca conseguiu fazer um tempo abaixo de 1m33s. Com esta marca, era impossível largar. Pelo menos, deixou o companheiro Narain Karthikeyan para trás mesmo tendo menos quilometragem.

NARAIN KARTHIKEYAN3 – Nem sei o porquê de ter dado nota mais baixa a ele. Talvez por ter feito um total de 38 voltas em todas as sessões: era de se esperar que o indiano ao menos terminasse o Q1 da classificação à frente do companheiro, o que não aconteceu. Se não dá para deixar de responsabilizar o carro, também é verdade que Narain Karthikeyan não é o piloto dos sonhos de casta nenhuma. Mas as rúpias são sempre bem-vindas.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 978 outros seguidores