demoniodatasmania

LOTUS8,5 – A equipe favorita de todos não tinha o melhor carro, mas deu um baile em estratégia para Red Bull nenhuma botar defeito. Os belos carros rubro-negros não deram aquele salto de competitividade que todos esperavam e o próprio Kimi Räikkönen, vencedor da corrida, foi o primeiro a admitir que a escuderia não tem todo esse gás para continuar na frente por muito mais tempo. Então, que aproveite enquanto os ventos sopram a favor. Kimi não esteve entre os favoritos em momento algum, inclusive no treino oficial, mas virou o jogo com uma boa estratégia de dois pit-stops. Como resultado, venceu pela segunda vez em Melbourne. Romain Grosjean foi coadjuvante durante todo o tempo e reclamou bastante do carro. Que, ao menos, chegou inteiro ao fim.

FERRARI3 – O que foi aquilo que fizeram com Felipe Massa? Na mais branda das hipóteses, que é a que eu gostaria de acreditar, Rob Smedley e asseclas cometeram um erro primário de julgamento e deixaram o brasileiro ficar na pista por mais tempo do que deveria antes de seu segundo pit-stop. Na pior das hipóteses, que é a mais provável, a Scuderia fez o que fez apenas para colocar Fernando Alonso à frente. Felipe, graças ao absurdo, acabou perdendo também uma posição para Sebastian Vettel. Muito legal a Ferrari, de histórico esportivo impecável, só que não. Pelo menos, o resultado final não foi tão ruim. Alonso terminou em segundo e Massa ficou em quarto. O Angustiado das Astúrias, aliás, andou reclamando bastante de seu bólido, que seria ruim como beterraba podre. Palavras, diria Shakespeare…

RED BULL7 – Para quem não é torcedor de carteirinha da trupe dos energéticos e sonha com uma Fórmula 1 mais democrática, o fracasso dos rubrotaurinos na corrida foi um grande alívio. Sebastian Vettel mandou e desmandou nos treinos e fez a pole-position, mas não ganhou porque seu carro gastou pneu demais e também devido aos golpes estratégicos de Kimi Räikkönen e Fernando Alonso. Pelo menos, bebeu champanhe ao lado deles. Mark Webber fez o de sempre: cumpriu tabela nos treinos, largou mal pra caramba e terminou lá atrás devido a um monte de problemas, principalmente na centralina eletrônica e no KERS.

MERCEDES6 – Fim de semana de aprendizado. Para Lewis Hamilton, que ainda precisa se aclimatar melhor, e para a equipe técnica, que ainda funde a cachola tentando resolver os problemas de confiabilidade do carro. Ruim, ele não é. Ainda que não seja uma Brastemp, o W04 deve se garantir ao menos entre os quatro melhores bólidos do ano. Hamilton errou um monte nos treinos, mas largou em terceiro e suou a camisa para terminar em quinto, mesmo com os problemas nos pneus. Nico Rosberg não se abalou com a presença do inglês e foi bem, ainda que não tenha terminado a corrida por causa de um problema elétrico. Fique atento na dupla em Sepang.

FORCE INDIA7,5 – Foi, basicamente, a quinta melhor equipe do GP da Austrália, atrás apenas de Red Bull, Ferrari, Lotus e Mercedes. Os indianos, sempre afundados em problemas financeiros, parecem ter acertado a mão e construíram um carro que foi capaz de ficar sempre entre os dez primeiros em Melbourne. Adrian Sutil foi um dos bons destaques: andou bem nos treinos e compensou uma posição meia-boca no grid de largada com uma ótima estratégia de dois pit-stops. Terminou em sétimo, logo à frente do companheiro Paul di Resta, que teve atuação apenas morna. O escocês reclamou que não ficou em sétimo apenas por causa de ordens de equipe. Que tal caprichar um pouco mais na estratégia da próxima, Paul?

MCLAREN1,5 – Jenson Button já vinha advertindo desde a pré-temporada: o carro é podre, muita coisa precisa ser modificada, é melhor começar com o bólido de 1979 e por aí vai. O inglês, sempre muito educado e cordial, tinha razão. O MP4-28 é um troço de qualidade duvidosa que precisa urgentemente de atualizações. Button, de excelente histórico em Melbourne, teve um fim de semana discretíssimo e conseguiu levar apenas dois pontos para casa. Pior ainda foi o desempenho de Sergio Pérez, às raias do vexame. Em sua primeira corrida na casa de Woking, o mexicano ficou sempre no pelotão intermediário e terminou fora da zona de pontos. Enfim, tudo deu errado para a McLaren. Até mesmo a centralina eletrônica que ela vende à Red Bull falhou com Mark Webber…

TORO ROSSO3,5 – Entra ano, sai ano, fulana melhora, beltrana piora e a Toro Rosso está sempre na mesma. O STR8 é uma evolução apenas milimétrica em relação ao STR7 do ano passado. Jean-Éric Vergne e Daniel Ricciardo permaneceram no meio do pelotão durante todo o tempo e devem muitos agradecimentos aos desastres pessoais da Williams e de Esteban Gutiérrez. O francês ainda se deu um pouco melhor: largou à frente de Ricciardo e terminou a corrida tendo feito a segunda volta mais rápida da prova. O australiano abandonou com o escapamento quebrado.

SAUBER2,5 – Uma célula de gasolina perfurada foi a causa que impediu Nico Hülkenberg de participar do GP da Austrália. O piloto alemão, que fazia sua estreia na equipe suíça, largaria da 11ª posição, mas acabou sendo limado por “razões de segurança”. Seu companheiro, o novato Esteban Gutiérrez, foi o representante solitário da bandeira helvética na corrida. Não fez nada de mais e terminou apenas em 13º, o melhor resultado de um estreante na prova. O carro parece ser apenas mediano. Não é nenhum desastre da engenharia, mas também não fará a Sauber subir muitos patamares.

WILLIAMS1 – O que foi aquilo? A equipe que já venceu nove campeonatos de construtores teve, talvez, seu pior início de temporada desde que Frank Williams e Patrick Head estabeleceram uma sociedade. Pastor Maldonado e o novato Valtteri Bottas passaram a maior parte do tempo nas últimas posições, em muitos casos à frente apenas das paupérrimas Caterham e Marussia. O venezuelano sobrou no Q1 da qualificação e abandonou após rodar sozinho na curva 1. Bottas fez seu trabalho com alguma dignidade e chegou ao fim. Os dois não pareciam exatamente contentes com o FW35.

MARUSSIA6,5 – Seria esta a décima equipe da temporada 2013? Se depender dos resultados da pré-temporada e do GP da Austrália, a resposta é afirmativa. A equipe liderada por Nikolai Fomenko parece ter dado um notável salto de qualidade com seu bonito MR02. Podemos creditar parte do sucesso ao estreante Jules Bianchi, que foi um dos destaques da etapa de Melbourne. Protegido da Ferrari, Bianchi foi quase sempre o melhor piloto das equipes nanicas e terminou a prova em 15º. É uma pena que o outro carro seja ocupado por um bração como Max Chilton, que passou a maior parte do tempo trocando farpas com a sofredora dupla da Caterham. Mas o pai é um dos sócios, fazer o quê?

CATERHAM1 – É engraçado, mas parece que quanto mais experiência a equipe ganha, mais incompetente ela fica. Até aqui, foram pouquíssimas as vezes em que seus carros esverdeados superaram os rivais da Marussia. Em Melbourne, Charles Pic e Giedo van der Garde passaram a maior parte do tempo na lanterninha. Pic ainda conseguiu dar algum combate a Max Chilton, mas sua vida esteve longe de ser fácil. Van der Garde ficou em último durante quase todo o tempo. No Q1 da classificação, cada um dos pilotos arrebentou o bico no muro, para desespero do departamento financeiro da escuderia. Se nada mudar, até mesmo o futuro da Caterham poderá ficar ameaçado.

equidna

CORRIDARINGUE DE COMADRES – Corrida na Austrália, para mim, tem de ter lágrimas, suor e muito sangue. Geralmente, é a prova que tem mais acidentes, bizarrices e confusões. Via de regra, quando o GP é ruim, o restante da temporada acaba sendo uma tremenda chatice. Por isso, fiquei com um grande ponto de interrogação na cabeça. Não sei dizer se gostei da corrida. Ela teve um vencedor diferente, o tal do Kimi Räikkönen, boas disputas na pista e uma verdadeira guerra de estratégias nos boxes. Mas faltou aquele algo mais que nos faz pensar “puxa, essa vai ficar para a história”. Ao menos para mim, o Grande Prêmio da Austrália de 2013 não ficará na minha memória por muito mais tempo. No fundo, o que eu queria ter visto após tanto tempo de espera era um daqueles acidentes colossais típicos de Melbourne. Sim, sou um carniceiro.

TRANSMISSÃOPARA QUE ESTUDAR? – O ponto alto da transmissão oficial brasileira, sem dúvida alguma, foi a citação a Antoine Lavoisier, um daqueles caras que a gente ouvia falar à exaustão nas aulas de química do ensino médio. O comentarista, que completou o ensino médio já faz algum tempo, quis ilustrar uma de suas explicações com a referência ao químico. “Porque, parafraseando Lavoisier, nada se cria, tudo se repete”. Repete? “Não. Nada se cria, tudo se copia”. Também não é isso. Depois de alguns segundos confusos, alguém certamente apita no ponto algo como “caceta, é ‘nada se cria, tudo se TRANSFORMA’, porra!”. Mas compreendo a confusão, pois eu também não dava a mínima para as aulas de química. Da mesma forma, o narrador também deve ter matado algumas aulas. Ao perceber que ventava demais no circuito de Melbourne, ele tentou recorrer aos seus conhecimentos matemáticos e meteorológicos para explicar aos telespectadores o quão furioso estava o clima: “a velocidade do vento é de seis metros por segundo. Isso daí você multiplica por 60 e depois multiplica por 60 para saber qual é a velocidade em quilômetros por hora”. Então o vento era de 21.600km/h? Agora eu entendo o porquê de terem interrompido o treino oficial. Entendo também que jornalistas escolhem ser jornalistas pela dificuldade incorrigível com as ciências exatas.

tazmania

KIMI RÄIKKÖNEN9,5 – O finlandês mais mineiro do grid mineiramente venceu a primeira do ano. Pelo que mostrou nos treinos livres, não era exatamente um favorito franco à vitória, mas o show dominical se deu no campo da estratégia. Saindo da sétima posição, ele apostou numa tática de apenas dois pit-stops e um único stint de oito voltas com pneus supermacios. Com isso, economizou uma parada e saltou lá para a liderança definitiva na volta 43. Tinha um carro muito bom em mãos e ainda meteu uma ultrapassagem por fora sobre Lewis Hamilton lá no começo da prova. Vitória cerebral, “uma das mais fáceis da minha vida”. Além de tudo, esnoba.

FERNANDO ALONSO8 – Ganhou e perdeu na estratégia. Segundo colocado na corrida, o Corneteiro das Astúrias vociferou muito neste fim de semana, mas não pegou o caneco. Reclamou do carro, desdenhou da vitória de Räikkönen, comemorou o fracasso de Sebastian Vettel e, se bobear, deve até ter dito que o bigodinho de Hitler não era tão feio assim. Nos treinos, de fato, não teve a mais fácil das vidas. A corrida foi boa, mas sem estardalhaço. Uma boa largada, uma rasteira dada em Felipe Massa e Sebastian Vettel no segundo pit-stop e uma rasteira tomada de Kimi Räikkönen na parte final da prova. Destaco também o belo duelo com seu ex-parça Lewis Hamilton. Terminou a corrida no pódio, mas não estava feliz. Como sempre.

SEBASTIAN VETTEL8 – Era a aposta de 37 em cada dez pessoas para a vitória, mas acabou derrotado pela inesperada gula por pneus de seu carro. Liderou dois treinos livres, marcou uma pole-position tranquila e aparentava ser o cara que Roberto Carlos cantava naquela medonha canção. De forma surpreendente, a corrida foi difícil. Sofreu com a pressão de Felipe Massa no início da prova e ainda foi ultrapassado por Fernando Alonso (e Kimi Räikkönen) no pit-stop. Sem conseguir lidar bem com os compostos médios, o tricampeão ficou longe da vitória e teve de se contentar com o terceiro lugar. Mas ele estava contente. Como sempre.

FELIPE MASSA8,5 – Finalmente, uma boa atuação em Melbourne. Para ser honesto, o quarto lugar não fez jus ao seu excelente fim de semana, no qual esteve competitivo desde a sexta-feira. No treino oficial, dividido em dois dias, Felipe bateu forte no Q1 e deu muita sorte de não ter ficado com nada além de uma dorzinha no pescoço e do seu carro não ter ido para o ferro velho. De volta à ação, conseguiu um bom quarto lugar no grid, logo à frente de Fernando Alonso. No GP, a boa fase continuou. Felipe fez ótima largada, pulou para segundo e pressionou Sebastian Vettel durante um bom tempo. Poderia ter chegado ao pódio, mas foi vítima de uma estratégia para lá de duvidosa por parte da Ferrari e acabou ultrapassado por Alonso no pit-stop. Depois, ainda perdeu um tempinho atrás de Adrian Sutil. Mas os pontos vieram. Como é bom ver o língua-presa confiante e sentando a bota.

LEWIS HAMILTON7,5 – Seu primeiro fim de semana na nova casa foi tão atribulado que o quinto lugar foi até uma surpresa positiva. Ainda conhecendo o carro, Lewis sapateou para lá e para cá durante os treinos. Na classificação, bateu na primeira curva durante o Q1 e deu sorte de ter continuado, obtendo um ótimo terceiro lugar no grid. Difícil mesmo foi a corrida. Lewis teve problemas com os pneus médios e tomou ultrapassagens de um monte de gente, com destaque para as manobras de Kimi Räikkönen e Fernando Alonso. Bom piloto que é, ainda conseguiu terminar em quinto. O trabalho só está começando.

MARK WEBBER5,5 – Não dá sorte mesmo em casa. Enquanto Sebastian Vettel lidera os treinos e sempre dá algum jeito de obter um bom resultado, Mark Webber se fode com sua própria falta de ritmo e com os gremlins que costumam atacar seu carro. A corrida foi uma desgraça total. Segundo colocado no grid, Mark fez sua rotineira largada horrorosa e desapareceu da disputa pelas primeiras posições. Problemas no KERS, na telemetria e nos pneus (!) também não lhe ajudaram muito. Terminar em sexto não foi de todo ruim, mas cá entre nós: é mais prazeroso ficar em quinto andando de Minardi, não é?

ADRIAN SUTIL8 – Destaque dos treinos e sensação da corrida. Deu pau em Paul di Resta durante todo o tempo e só não foi melhor na qualificação porque bobeou com os pneus no Q2. Por não ter largado entre os dez primeiros, pôde mudar sua estratégia e decidiu ser um dos poucos a largar com pneus médios com a intenção de fazer apenas dois pit-stops. A tática funcionou parcialmente. Sutil conseguiu postergar ao máximo suas duas paradas, liderou onze voltas e esteve durante a maior parte do tempo entre os ponteiros. Surpreendentemente, andou rápido enquanto esteve com pneus médios. Com os supermacios, perdeu terreno e acabou terminando apenas em sétimo. De qualquer jeito, excelente reestreia.

PAUL DI RESTA6 – Se o resultado de Adrian Sutil parece ter sido pouco, o de Paul di Resta parece ter sido muito para sua atuação neste fim de semana. O escocês sentiu o baque e ficou atrás do colega alemão durante todo o tempo, conseguindo algo melhor apenas no Q3 da classificação, onde foi o nono. Praticamente não consegui acompanhá-lo durante a corrida. Sei que ele fez três pit-stops e que esteve misturado no meio do bolo durante todo o tempo. Que o cidadão agradeça pelo resultado que teve. E que dê uma melhorada de ânimo para as próximas etapas.

JENSON BUTTON2,5 – Para alguém que venceu três das últimas quatro corridas em Melbourne, um nono lugar nessa pista não pode ser considerado um resultado bom. Nem razoável. Fulo da vida com o carro durante todo o fim de semana, Jenson sofreu como um porco à beira do abate nos treinos e na corrida. Largou em décimo, não saiu do pelotão intermediário e só não ficou de fora da zona de pontos por detalhe. Quando estava de bom humor, disse que teria um bocado de trabalho para fazer. De mau humor, afirmou que a McLaren não ganhará nenhuma corrida nesse ano. Para a esposa, deve ter falado que até seu antigo Fórmula Ford era mais veloz.

ROMAIN GROSJEAN2 – Enquanto o companheiro vence a corrida, o suíço termina apenas em décimo. Uma tristeza, mas o cara admitiu que havia algo de errado no carro e que precisaria discutir com seus mecânicos, com o Papa e com o demônio para resolvê-los. Pelo menos, ele não bateu, o que é um avanço. E os resultados nos treinos, como a primeira posição no terceiro treino livre e a oitava no grid de largada, não foram de todo decepcionantes. Mas repito: com o mesmo carro, Kimi Räikkönen ganhou a corrida.

SERGIO PÉREZ1 – Estou aqui, torrando a cabeça, tentando me lembrar se algum piloto teve uma estreia tão ruim pela McLaren quanto o mexicano Pérez. Talvez Philippe Alliot em 1994? Isso pouco importa. O ex-piloto da Sauber mostrou que anda numa fase infernal e seu carro também não vem ajudando. Nos treinos, foi mal durante todo o tempo e não conseguiu nada melhor que um vergonhoso 15º lugar no grid. Na corrida, fez uma boa largada e só. Nem mesmo o fato de ter sido um dos poucos a largar com compostos médios lhe ajudou. Afundado com os problemas de desgaste de pneus, ficou fora da zona de pontuação pela sétima corrida seguida. Ay, caramba!

JEAN-ÉRIC VERGNE4 – Esteve anônimo durante quase todo o tempo, mas não dá para dizer que foi mal. Nos treinos, esteve pau a pau com Daniel Ricciardo e conseguiu superar o australiano quando realmente importava, a sessão classificatória. Durante a prova, chamou a atenção ao sair da pista na largada e ao conseguir marcar a segunda volta mais rápida da prova no final da corrida. Se tivesse um carro melhor, certamente teria marcado um ou outro pontinho.

ESTEBAN GUTIÉRREZ3 – Não será um ano fácil para os estreantes. Em Melbourne, o melhor deles foi o mexicano Gutiérrez, que é o que pilota o melhor carro. Mesmo assim, nem mesmo ele escapou das dificuldades. No Q1 da classificação, bateu sozinho e ficou um bom tempo sentado no carro, pensando na morte da bezerra. Largando lá de trás e apostando em três pit-stops, não tinha como esperar por muita coisa. Pelo menos, não cometeu nenhuma barbaridade durante a corrida e foi o único piloto da Sauber a chegar ao fim.

VALTTERI BOTTAS3 – Com um carro horrível como parece ser o da Williams, até que o finlandês fez bastante. Apanhou em todos os treinos e não ficou de fora do Q2 por muito pouco, mas ao menos fez uma corrida honesta e conseguiu ser o único de sua equipe a chegar ao fim. Erros aconteceram, mas nada de escandaloso. Pelo visto, não tem equipamento para tentar brigar com Esteban Gutiérrez pelo título informal de melhor estreante do ano.

JULES BIANCHI8 – Este, sim, foi um estreante que teve bons motivos para sorrir. Contratado de última hora para substituir Luiz Razia na Marussia, o francês teve apenas dois dias de pré-temporada para conhecer seu MR02. Mas foi o suficiente. Durante o fim de semana australiano, Jules não só meteu um chocolate no companheiro Max Chilton como também derrotou a dupla da Caterham com alguma facilidade. Na corrida, foi constantemente o melhor piloto das equipes nanicas. Se continuar assim nesse ano, vai roubar o emprego de Felipe Massa em 2014.

CHARLES PIC2,5 – Que encrenca, hein? Trocou a Marussia, que era uma merda total em 2012, pela Caterham, que parece ter virado uma merda total nesse ano. De forma inesperada, Pic teve problemas para enfrentar os pilotos da Marussia e perdeu até mesmo para o companheiro Giedo van der Garde no treino oficial. O acidente bobo no Q1 da classificação não lhe foi de grande ajuda. Durante a corrida, o francês se recuperou e deixou Van der Garde e Max Chilton para trás, mas não conseguiu superar Jules Bianchi. Prenúncio de um ano difícil.

MAX CHILTON3 – É realmente foda quando um cara desses, que nunca fez absolutamente nada no automobilismo de base, chega à Fórmula 1. O mais triste é ver que seu carro não parece ser tão ruim e poderia estar sendo ocupado por alguém bem melhor. Em todos os treinos, Chilton tomou quase um segundo do companheiro Jules Bianchi. Durante a corrida, teve um duelo com Giedo van der Garde e só. Não ficou em último em nenhuma das sessões unicamente porque seu MR02 não foi o pior carro do grid em Melbourne. Não dá para torcer por um cara desses.

GIEDO VAN DER GARDE2 – Quando você junta um piloto ruim e um carro pior ainda, o resultado não pode ser muito positivo. O holandês, contemporâneo de Lewis Hamilton e Nico Rosberg na Fórmula 3, ficou em último nos dois primeiros treinos livres e só não largou na última posição porque o companheiro Charles Pic bateu, ainda que ele mesmo também tivesse esbarrado os pneus no Q1. Na corrida, foi derrotado no deprimente duelo com Max Chilton e acabou fechando a lista dos 18 pilotos que chegaram até o fim. Também não dá para torcer por um cara desses.

DANIEL RICCIARDO2 – Os pilotos australianos só podem estar eternamente amaldiçoados no GP de seu país, não é possível. Em Melbourne, Daniel Ricciardo teve um fim de semana bem difícil. Normalmente muito mais veloz que o colega Jean-Éric Vergne nos treinos, o cara penou pra caramba e acabou ficando atrás do francês no grid de largada. A corrida foi outra merda. Daniel caiu para último na primeira volta graças a uma saída de pista e abandonou devido a uma falha no escapamento. Enquanto esteve na contenda, não fez nada de notável.

NICO ROSBERG5 – Como menção positiva, o fato de não ter levado aquela surra de Lewis Hamilton que muitos esperavam. O alemão manteve-se digno e foi a sensação tanto do Q1 como do Q2 da classificação. No Q3, ficou apenas em sexto, mas não desanimou. Durante a corrida, esteve sempre na cola de Lewis Hamilton e chegou a liderar uma voltinha. Poderia ter terminado tranquilamente entre os seis primeiros, mas um problema elétrico encerrou sua corrida prematuramente.

PASTOR MALDONADO0,5 – Em 2012, ele compensava sua absoluta falta de sensatez com velocidade, já que o carro permitia. Nesse ano, com a Williams cagando no desenvolvimento do FW35, o venezuelano deverá ter uma temporada complicada. Em Melbourne, absolutamente nada deu certo para ele. No treino oficial, teve de fazer companhia ao estreante Esteban Gutiérrez e às equipes nanicas na degola do Q1. Durante a prova, até se recuperou e ganhou algumas posições, mas colocou tudo a perder numa rodada tosca na volta 24.

NICO HÜLKENBERG1,5 – Outro que nunca dá sorte em Melbourne – ô lugar ingrato, heinhô? Nos dois últimos anos, ele não conseguiu completar uma volta. Nesse ano, ele se superou e sequer alinhou no grid graças a um problema no sistema de alimentação do seu carro. É bom que se diga que seu fim de semana não vinha sendo genial até ali. O C32 não é um grande bólido e Nico ficou entalado nas posições intermediárias durante todo o tempo. Pode não ser um bom sinal.

coala

GP DA AUSTRÁLIA: Mas olha só quem voltou! Lembra-se dela? A Fórmula 1, ela mesma! Nesse próximo fim de semana, todos nós sacrificaremos sono, balada ou sexo apenas pelo duvidoso prazer de acompanhar 22 homens correndo sem chegar a lugar algum. Cada um de nós tem seu motivo para se dar ao trabalho disso. Eu vejo corridas da mesma forma que assisto a uma briga entre barangas num terminal de ônibus: quero sangue, drama, acidentes, chuva, ultrapassagens estranhas e as coisas mais improváveis possível acontecendo. Se quisesse ver algo banal e corriqueiro, ficaria assistindo a uma fila do Banco do Brasil na hora do almoço. Há os que apenas acompanham seu ídolo, o tipo que desliga a TV na hora em que o Sebastian Vettel abandona ou o revolucionário Pastor Maldonado bate. Há os nerds que gostam de automobilismo por causa daqueles míseros detalhes técnicos que só eles entendem, como o tal do efeito Coandă. Esses daí chegam na mesa de bar e começam a debater sobre a diferença entre suspensão pullrod e pushrod ou o funcionamento do efeito solo, para desespero das pessoas normais que corretamente não ligam para isso. Há também o Pacheco, o eterno nacionalista que sempre torcerá para o compatriota, não importando se ele é o Senna ou o Fernandinho Beira Mar. Para esse, se não houver brasileiro no grid, é melhor ficar na cama até o meio-dia. E há o torcedor domingueiro, que só vê Fórmula 1 porque realmente não há nada melhor na televisão. Esse daí está apenas um nível acima daquele que diz que “o automobilismo morreu no primeiro de maio”. Não entende nada, não tem paciência para acompanhar tudo, mas ao menos é um simpatizante, o S do GLS. Todos esses, ou ao menos uma parte desses, ficarão babando na frente da televisão, ou da arquibancada, esperando pelo belo e doentio ronco dos motores. E obviamente não poderia haver pista melhor. Albert Park é basicamente um Ibirapuera com um gramado melhor cuidado. Inventaram de fazer corrida por lá e, desde então, o GP da Austrália virou um bom evento do mês do março. Ultrapassagens, acidentes e loucuras são sempre comuns por lá. A Austrália, em si, não é um país muito convencional. Não dá para levar a sério um lugar onde existem coalas. Vamos de Coandă, então.

GONZALEZ: Começo a quinta-feira com uma notícia muito triste: a Marussia anunciou a contratação do venezuelano Rodolfo Gonzalez, 26 anos, para a vaga de piloto-reserva. Gonzalez terá o direito de pilotar o MR02 em algumas sessões de sexta-feira nesse ano e também poderá assumir o lugar de Max Chilton ou Jules Bianchi quando necessário. Portanto, oremos. Oremos para que Chilton e Bianchi permaneçam intactos até o final da temporada. Se o boyzinho inglês é meia-boca e o francês andou decepcionando nos últimos anos, Rodolfo Gonzalez é realmente um tapa na cara do mortal que faz o pai vender casa e carro para financiar sua profícua carreira no automobilismo. Sua carreira nos monopostos completará dez anos em 2013 e o cara só venceu uma única vez na vida, uma corrida da Euro 3000 em Zolder na temporada de 2009. Naquele mesmo ano, ele fez sua estreia na GP2, onde disputou 63 corridas até o ano passado e marcou um total de apenas dez pontos. Em resumo, o piloto venezuelano é ruim de chorar, mas seu passe é disputado à tapa por várias equipes porque seu patrocinador é a mesma PDVSA de Pastor Maldonado. Ou seja, sua falta absoluta de qualquer capacidade para pilotar um carro é amplamente compensada pelos milhões de dólares que a petrolífera bolivariana depositará na conta corrente. Eu, sinceramente, não sei como Gonzalez conseguiu esse acordo de última hora mesmo após a morte de seu grande mecenas, o iconoclasta Hugo Chavez. Mas já que conseguiu, que aproveite bem. Só não destrua muitos carros. E procure ficar longe da GP2.

BOLA DE CRISTAL: O que será que vai acontecer na Austrália? Pai Verde está aqui, comendo batatas fritas Pringles, coçando a cabeça, apertando alguns plásticos-bolha e mentalizando sobre o futuro. Podem cobrar de mim, pois é isso mesmo que acontecerá. Nos treinos, que certamente serão realizados com solzão alternando com precipitações de granizo do tamanho de um ovo de ornitorrinco, os pilotos se digladiarão na pista apenas para ver Sebastian Vettel liderando todas as sessões, inclusive o treino oficial. Felipe Massa largará em sexto. Lewis Hamilton, palhaço do fim de semana, rodará umas vinte vezes, brigará com uns três retardatários e ainda conseguirá um mágico quarto lugar no grid. Na animada disputa dos losers, Jules Bianchi baterá no carro de Giedo van der Garde duas vezes nos treinos. O genro holandês descerá do carro e irá chorar nos braços do sogrão, que lhe comprará um Rolls Royce para acalmá-lo. A corrida terá três largadas. A primeira será abortada porque Kimi Räikkönen adormeceu durante o acendimento das luzes vermelhas e ficou parado no grid. A segunda será paralisada após Romain Grosjean tirar sete colegas da pista na primeira curva. Na terceira, Mark Webber assume a ponta e animará o público local liderando as primeiras voltas, mas Sebastian Vettel o ultrapassará no 28ª giro. Depois, o alemão ainda confessará que ultrapassou Webber mesmo com o câmbio quebrado, o radiador furado e o zíper do macacão enroscado num pentelho do saco. Para surpresa de todos, Vettel abandonará após ser fechado por Charles Pic. Fernando Alonso assume a liderança, mas perde a ponta após Jenson Button ultrapassá-lo. Button vence e faz todo mundo acreditar que a McLaren blefou a pré-temporada inteira. E o coitado do Webber ainda é atingido pelo nosso querido Lewis Hamilton na última volta. Ao lado de Button no pódio, Alonso e Sergio Pérez. Felipe Massa terminará em sexto. Este é Pai Verde, de Ulan Bator. Câmbio final.

HAMILTON: Então, agora, o cara quer grandeza… Em entrevista ao diário britânico Daily Telegraph, Lewis Hamilton da Silva afirmou que quer ter a mesma grandeza de seu grande ídolo, Ayrton Senna. “Quando falo de grandeza, só penso nas histórias sobre Ayrton Senna, a maneira que ele entrava numa sala, a aura que ele tinha, como ele levava a vida, como ele pilotava e inspirava as pessoas, uma nação inteira – isso é grandeza”, afirmou Hamilton, completando que “quer ter essa mesma grandeza”. O que eu tenho para dizer sobre isso? Primeiro, que ele tem o direito de falar o que quiser. Segundo, que eu tenho o direito de dar meus pitacos sobre isso, que em nada afetarão a vida de Lewis. É bacana que o cara tome Senna como uma referência, uma meta a ser alcançada, mas não sei… Ayrton era um cara completamente obcecado com a vitória, com o trabalho, o andamento de sua carreira. Jamais deixaria se afetar por uma namorada assim ou um papai assado. Lewis, que é um excepcional piloto, precisa se concentrar um pouco mais em seu trabalho e menos em bobeiras como o fato dos espectadores gostarem dele ou não, assunto mencionado na mesma entrevista ao Daily Telegraph. Pelo menos, a princípio, sua atual equipe acertou a mão. Lewis fez uma aposta de risco ao largar o empreguinho estável da McLaren para mergulhar no caldeirão de estrelas cadentes que a Mercedes vinha sendo até há pouco tempo. Pelo visto, é bem possível que ele colha alguns frutos já. Mas como Pai Verde disse lá em cima, não será em Melbourne: ele vai errar um monte nos treinos e vai bater no Webber na última volta da corrida.

SAUBER: Essa daqui está circulando no paddock em Melbourne e ainda não li em nenhum veículo de imprensa brasileiro. No Twitter, o jornalista Dimitris Papadopoulos afirmou que dois investidores deixaram a Sauber nos últimos dias e a equipe estaria à venda. Sem entrar em maiores detalhes, Papadopoulos afirma apenas que o magnata mexicano Carlos Slim não está entre eles e o casamento entre Sauber e Telmex segue firme e forte. O fato é que a equipe atualmente gerenciada por Monisha Kaltenborn perdeu parceiros e está ameaçada. Triste situação, pois nós acreditávamos que a escuderia, ainda que sem ser de ponta, era uma das mais sólidas do grid. Tudo bem, reconheço que o belo carro estava meio pobre de decalques, mas o senso comum dizia que a grana mexicana, que justificou as presenças de Sergio Pérez e Esteban Gutierrez na equipe nos últimos tempos, fazia tudo funcionar sem tropeços. Nos próximos dias, é bem possível que mais informações venham à tona. E a Fórmula 1 segue, sem mover uma sobrancelha, observando suas equipes do meio e do final do pelotão agonizando. Até mesmo a Lotus, que é competente e tem patrocinadores, ainda corre riscos e não tem seu futuro garantido. A Force India, apesar de tudo, ainda está garantida para mais um ano, mas 2014 ainda é uma incógnita. E a Marussia teve de correr atrás de Rodolfo Gonzalez para fechar seu orçamento aos 45 do segundo tempo. É a marolinha que não acaba nunca no automobilismo.

ADVANCE AUSTRALIA FAIR? Exatamente. Este é o nome do hino nacional australiano. Como minha criatividade acabou para o nome desta coluna, as demais deste ano terão como título o nome das musiquinhas oficiais de cada país. Para conhecer o hino, haz click acá!

andreamontermini

Andrea Montermini e o FG01 no Trofeo Indoor de Bolonha, realizado no fim de 1995. Um epílogo triste para um ano difícil

Sophomore

Acabou a temporada de 1995, a primeira da Forti-Corse na Fórmula 1. Um árduo ano de estreia. Muito aprendizado. Um ou outro acerto. Trocentos erros. Um carro feio, pesado e antiquado. Um piloto limitado, mas endinheirado. Um piloto ótimo, mas pobre. Carteira sempre cheia. Um sétimo lugar em Adelaide. A equipe de Guido Forti não teve grandes motivos para celebrar ao fim da temporada. Talvez apenas a chegada de um novo ano.

Se dependesse da Forti-Corse, Pedro Paulo Diniz e Roberto Pupo Moreno permaneceriam como seus pilotos em 1996. Diniz tinha a grana e Moreno tinha a experiência necessária e a admiração da cúpula. No entanto, o primeiro acertou sua ida para a Ligier ainda no final de 1995, levando na bagagem a maioria dos patrocínios brasileiros, e o segundo meio que largou mão da Fórmula 1 e foi tentar ser feliz nos Estados Unidos. Sem a grana e os pilotos, a equipe ítalo-brasileira perdeu boa parte de sua alma “brasiliana”.

Naquela época, testes e eventos com o carro da temporada corrente eram totalmente liberados. Só não testava quem não tinha dinheiro algum. No caso da Forti-Corse, esse ainda não era um grande problema. O próprio Moreno foi convidado para participar de um evento de demonstração com o FG01 no recém-inaugurado circuito de Sentul, na Indonésia, no início de dezembro. Andar com o carro podia. Mas quem seriam os agraciados com o privilégio?

A Forti-Corse conversava com vários pilotos. No topo da preferência, brasileiros e italianos. Mas como escolher? Por via das dúvidas, o ideal era colocar na pista aqueles que pareciam mais interessantes e fazer uma comparação. Mas como? Bem, existia uma forma.

Nos anos 90, havia um evento que costumava reunir algumas equipes de Fórmula 1, geralmente italianas, para uma disputa de corridas eliminatórias num pequeno traçado improvisado no Bologna Motor Show. Alguns de vocês já devem ter ouvido falar do “Formula 1 Trofeo Indoor”, que costumava ocorrer sempre no mês de dezembro. Muita gente se reunia em Bolonha para acompanhar as disputas tête-à-tête entre carros que não costumavam disputar as primeiras posições. Era um espetáculo.

O esquema era simples. Os pilotos inscritos disputavam uma espécie de fase classificatória, os piores iam para o raio que o parta e os melhores eram alocados em duelos. Em cada duelo, dois pilotos faziam uma espécie de minicorrida e o vencedor passava para a próxima fase, onde faria novo duelo contra outro vencedor da fase anterior e assim sucessivamente. É como se fosse uma Copa do Mundo. Sagrava-se campeão o cara que vencia todos os duelos até a final.

Em 1995, apenas a Minardi e a Forti-Corse deram as caras no Trofeo Indoor, cada uma com três pilotos. A escuderia de Giancarlo Minardi, com muito mais experiência, era a franca favorita. Seu trio de pilotos era composto pelo experiente Pierluigi Martini, pelo consolidado Luca Badoer e pelo novato Giancarlo Fisichella, uma turma do barulho. Enquanto isso, a coitada da Forti contava com o eterno sofredor Andrea Montermini e os deploráveis Giovanni Lavaggi e Vittorio Zoboli.

O carro que a Forti-Corse utilizaria nas primeiras corridas de 1996

O carro que a Forti-Corse utilizaria nas primeiras corridas de 1996

Montermini não pertencia a esse trio, verdade seja dita. Era um piloto muito bom que nunca teve dinheiro para arranjar uma vaga realmente decente. Se a Fórmula 1 fosse justa, ele teria feito uma carreira longa e profícua. Já os seus dois colegas de Bolonha não eram dignos de muitos elogios. Lavaggi havia feito algumas corridas terríveis pela Pacific em 1995 e Zoboli foi o cara que conseguiu, com um carro da Jordan, andar mais lento do que o Simtek de David Brabham num teste no Estoril em 1994.

Como esperado, Lavaggi e Zoboli não conseguiram passar da primeira fase do Trofeo Indoor. Montermini o único da Forti-Corse que avançou para as semifinais, onde duelaria contra o Minardi de Luca Badoer. O resultado foi pífio: Andrea bateu seu carro amarelado nos pneus e entregou a vitória tranquila a Badoer, que foi para a final do torneio.

Ainda assim, Montermini havia agradado o suficiente para ser convidado para correr na Forti-Corse em 1996. Seria sua terceira equipe na Fórmula 1: antes dela, o piloto já tinha corrido pela Simtek e pela Pacific. É um Roberto Moreno romanesco, pode-se dizer. Ainda em dezembro, Andrea fez seus primeiros testes oficiais com a escuderia amarela. Ou melhor, não muito. Em sua primeira sessão em Barcelona, o câmbio do FG01 quebrou após apenas quatro voltas…

O segundo piloto demorou um pouco mais para ser anunciado. Estavam na lista os brasileiros Ricardo Rosset e Tarso Marques, o japonês Hideki Noda e o francês Franck Lagorce, além de outros aparentemente menos cotados. Tudo dependia de dinheiro, papeis fiduciários que Rosset e Noda tinham aos montes. Vale dizer que nenhum dos pilotos de Pindorama estava muito disposto a arriscar sua reputação na carroça amarelada: Rosset estava mais interessado na Tyrrell e na Footwork e Tarso negociava com a Minardi.

Quem lê tudo isso pode até imaginar que a equipe estava trabalhando tranquilamente e a escolha do segundo piloto era apenas uma formalidade. Nada disso. O orçamento da equipe estava apertadíssimo, ainda mais após a saída de Pedro Paulo Diniz e a aquisição dos motores Ford Zetec. Na verdade, a Forti-Corse não tinha garantia nenhuma de que continuaria na Fórmula 1 em 1996. Tudo ainda funcionava, mas ninguém sabia nada sobre o dia de amanhã.

Na área gerencial, comentava-se que a equipe queria convidar o velho Cesare Fiorio, ex-Ferrari, para trabalhar como consultor durante a primeira metade do ano. Ele seria trazido para dar um jeito na bagunça da Forti-Corse, contratar as pessoas corretas e fazer daquele apanhado de italianos aloprados uma coisa séria. Pouco antes do GP do Brasil, Fiorio foi oficialmente anunciado como diretor da equipe até a etapa de Magny-Cours.

O novo carro estava sendo desenvolvido pelo engenheiro Chris Radage, ex-Brabham. O mais complicado é que a falta de recursos refletia-se em atrasos no cronograma e falta de testes. Até o fim de fevereiro, a Forti-Corse era a única equipe que não havia levado um bólido ano 1996 à pista. Mesmo antes da temporada começar, a equipe iniciava o campeonato como candidata isolada à condição de lanterninha.

O HORRENDO FG01B sendo pilotado por Luca Badoer em Melbourne

O HORRENDO FG01B sendo pilotado por Luca Badoer em Melbourne

Curiosamente, Radage começou os trabalhos, mas não os terminou. O novo bólido, cujo nome seria FG03, seria finalizado pelo italiano Riccardo de Marco, um novato nesse negócio de automobilismo. Entretanto, as previsões mais otimistas diziam que o FG03 ficaria pronto apenas no fim de abril, quando começaria a temporada europeia. Isso significava que a Forti-Corse teria de utilizar o velho FG01 rebatizado como FG01B pelo menos nas três primeiras corridas, realizadas na Austrália e na América do Sul. A única novidade do FG01B seria o motor Ford Zetec, que seria encaixado de qualquer jeito no chassi antigo.

E o segundo piloto? Dessa vez, não teve muita novela. Havia vários candidatos, mas poucos deles tinham condições de pagar os zilhões de libras exigidos para penar num carro amarelado. No fim das contas, de forma surpreendente, a Forti-Corse anunciou no fim de fevereiro que o companheiro de Andrea Montermini seria outro sofredor de equipes pequenas, o compatriota Luca Badoer, ex-piloto da Minardi e da Scuderia Italia.

A surpresa se dava porque Badoer estava longe de ser o cara mais rico do paddock. Ele tinha um razoável apoio da filial italiana da Marlboro em 1995, mas a empresa decidiu enfiar todo o seu dinheiro no jovem Giancarlo Fisichella no ano seguinte. Sei lá eu a razão de sua contratação. Luca sempre foi um bom piloto, mas nada que convencesse alguém a dispensar um chauffeur de milhões de dólares. Talvez o brilho de seus olhos tenha seduzido alguém. Nunca se sabe, não é?

O fato é que a Forti-Corse iniciava o campeonato com dois carros antiquados equipados com motores de 1994, dois italianos infelizes ao volante, poucos patrocinadores e quase nada de dinheiro. Quais eram as expectativas? Para as primeiras corridas, quase nenhuma. 1996 foi o primeiro ano em que passou a vigorar o famigerado limite dos 107%: quem não conseguisse fazer uma volta abaixo desse limite no treino classificatório (que passaria a ser um só, realizado no sábado) estaria impedido de largar na corrida. Não adiantaria espernear ou mandar cartinha mal-educada a Herbie Blash. Era assim mesmo e acabou.

A primeira corrida da temporada de 1996 foi o GP da Austrália, realizado no dia 10 de março. A Forti-Corse apareceu com dois carros horríveis, com pintura totalmente desarmônica e uma profusão de patrocínios irrelevantes. Era um negócio realmente porco, digno de uma equipe nanica à beira da falência.

O desempenho na nova pista de Albert Park, Melbourne, foi tão bonito quanto o carro. Andrea Montermini deu um total de apenas 30 voltas nos quatro treinos dos quais participou (a sessão de familiarização da quinta-feira, dois treinos livres e a classificação), estourou dois motores e ficou a quase dez segundos do tempo do pole Jacques Villeneuve na sessão de definição do grid de largada. Para ele, largar no GP da Austrália soava quase como algo utópico.

Luca Badoer não teve um fim de semana tão horrível assim, mas também não tomou parte do GP da Austrália. Ele conseguiu fazer bem mais quilometragem e até marcou uma volta razoável na sessão classificatória, com o tempo de 1m39s202. O problema é que esse tempo era apenas quatro décimos mais lento do que o limite de 107%, que estava em torno de 1m38s8. Por quatro estúpidos décimos, Badoer não pode largar na corrida australiana. Quatro décimos é mais ou menos o tempo que você toma para piscar. Maldita piscadela!

Andrea Montermini também se ferrou bastante

Andrea Montermini também se ferrou bastante

OK, bola para frente, que a boa fortuna apareça em Interlagos, palco da segunda corrida. Naquele momento, a Forti-Corse já estava sob gestão de Cesare Fiorio, que até implantou um manual de procedimentos administrativos da equipe. Fiorio conseguiu demonstrar a Carlo Gancia e Guido Forti que comandar uma escuderia de Fórmula 1 não era como operar uma quitanda ou uma equipe de Fórmula 3000. Organização, seriedade e frescura são atributos indispensáveis para qualquer um que queira participar da maior categoria do planeta.

A chegada de Fiorio deu resultados imediatos. Para começo de conversa, os dois FG01B apareceram em São Paulo com um grande e reluzente adesivo nos sidepods. A rede de postos Hudson (lembra-se?) decidiu injetar uma graninha nos cofres forticorseanos em troca de um pouco de publicidade nos GPs do Brasil e da Argentina. Ao menos nessas duas etapas, a Forti-Corse teria um patrocinador legal assim como qualquer outra equipe normal do grid naqueles dias.

Na pista, por incrível que pareça, as coisas também melhoraram. Montermini e Badoer continuaram sofrendo com a lentidão e os problemas crônicos do FG01B, mas a diferença para as outras equipes caiu bastante. No treino oficial, o milagre: ambos conseguiram se qualificar para a corrida. Badoer passou com facilidade, até: ficou a 3s3 do tempo do pole Damon Hill e a apenas 2s4 de Rubens Barrichello, o segundo colocado no grid. Montermini teve um pouco mais de dificuldades, pois ficou a 5s3 da pole e por muito pouco não foi limado pela malha dos 107%. Mas ambos chegaram lá.

Só que o sucesso do sábado não significou que o domingo seria fácil e feliz. Tanto Montermini como Badoer tiveram problemas no warm-up e ambos tiveram de fazer grandes modificações em seus carros para conseguir largar na corrida. Andrea foi obrigado a partir dos boxes por causa de um problema de óleo, ficou para trás rapidamente e abandonou a prova após rodar duas vezes na mesma volta.

Luca Badoer também teve seus pequenos dramas. Após o problema de motor no warm-up, a Forti-Corse foi obrigada a instalar um novo Ford Zetec V8 em seu carro, o que tomou um bom tempo e esforço de todos. Pelo menos em seu caso, deu para largar normalmente, junto aos demais pilotos. No meio da corrida, o câmbio (sempre ele) começou a apresentar problemas, mas o jovem piloto conseguiu seguir em frente. Apesar da ruindade de seu carro e do clima horroroso, Badoer conseguiu terminar a corrida em 11º. Para uma equipe que achava que sequer trabalharia aos domingos, obter um resultado final tão bom assim foi quase como um título mundial.

A terceira etapa da temporada foi o GP da Argentina, realizado no dia 7 de abril. Sem novidades, a Forti-Corse esperava apenas que algum milagre voltasse a acontecer, assim como em Interlagos.

Nos treinos, Badoer e Montermini permaneceram sempre andando nas duas últimas posições. Não dava para competir sequer com Minardi, Footwork e Tyrrell, que tinham carros mais novos e bem menos tétricos. Mesmo assim, os dois heróis italianos conseguiram se qualificar novamente. Luca ficou em 21º, a 4s4 do pole Damon Hill. Andrea foi o último colocado com um tempo 5s3 acima da pole-position. Desde o início, explicitava-se a superioridade de Badoer sobre Montermini na Forti-Corse.

Tá ruim aí embaixo, Badoer?

Tá ruim aí embaixo, Badoer?

A corrida foi ótima para um e assustadora para outro. Comecemos por Montermini, que finalmente teve um fim de semana razoável em 1996. O cara largou em último, conseguiu andar à frente de um problemático Mika Salo durante um bom tempo, não cometeu erros e terminou numa excepcional décima posição. Se fosse hoje em dia, ele teria feito um pontinho feliz. Foi sua melhor atuação naquela temporada.

Luca Badoer foi um dos destaques da corrida, mas pelo lado negativo. Na volta 24, Pedro Paulo Diniz se aproximava para colocar uma volta no piloto italiano, que não abriu espaço e fechou a porta. Os dois carros acabaram se tocando e o Forti de Badoer saiu capotando em direção ao gramado do autódromo Oscar Galvez. O FG01B terminou de cabeça para baixo e todos que acompanhavam a corrida ficaram assustados. Será que o cara ralou os chifres no chão?

Felizmente, não. Badoer saiu do carro com alguma dificuldade, mas sem nenhum ferimento. E não deve ter sido legal para a Hudson aparecer de ponta-cabeça para milhões de pessoas ao redor do planeta.

Depois do GP da Argentina, a Fórmula 1 retornou à Europa. Finalmente! Para a Forti-Corse, o início da temporada europeia era o momento propício para a estreia de seu carro novo, o FG03. Só que os planos não correram como esperado. A pequena esquadra italiana não conseguiu deixar seu novíssimo bólido pronto a tempo e foi obrigada a se contentar com o imprestável FG01B para o GP da Europa, a ser realizado em Nürburgring em 28 de abril.

Havia, na verdade, um FG03 a ser preparado para Luca Badoer, mas os poucos mecânicos não conseguiram montar o carro a tempo. Dessa forma, tanto ele como Andrea Montermini teriam de tentar alguma proeza com o carro velho. Mas é lógico que as coisas não funcionam assim na Fórmula 1.

Badoer e Montermini conseguiram fazer várias voltas nos treinos sem nenhum problema muito grande. O problema é que nenhum deles conseguiu andar bem em momento algum. No treino classificatório, ambos falharam ao tentar superar a barreira dos 107%. Andrea ficou a 6s1 da pole-position e Luca ainda foi sete décimos mais lento que o colega. A Forti-Corse até mandou uma cartinha requisitando piedosamente uma permissão especial para largar, mas a FIA indeferiu o pedido e mandou a italianada para casa mais cedo. E foi assim que terminou o último fim de semana do FG01B. A partir da etapa seguinte, o GP de San Marino, a Forti-Corse teria o tão esperado FG03 à disposição.

Ah, agora sim. Finalmente a temporada vai começar para nós, pensaram os caras. Mas será que as boas expectativas se cumpriram? O último capítulo dessa série contará como foi o restante da temporada de 1996 para a pobre, mas corajosa, Forti-Corse.

MCLAREN10 – Vixe, será que a McLaren fez o certo? Muita gente ficou intrigada com a opção da equipe inglesa pelo bico sem degrau, contrariando a tendência que assolou o grid deste ano. Ao menos em Melbourne, a decisão parece ter sido a mais correta. Lewis Hamilton e Jenson Button estiveram constantemente entre os mais rápidos e monopolizaram a primeira fila, confirmando o enorme favoritismo. Infelizmente para Hamilton, sua largada não foi tão boa e o safety-car ainda entregou o segundo lugar a Sebastian Vettel. Button, por outro lado, venceu no maior estilo. Foi a melhor equipe do fim de semana e certamente dará um trabalho daqueles à Red Bull.

RED BULL8 – Começou o fim de semana sem seu “Enzo Ferrari”, o tailandês Chaleo Yoovidhya, falecido no sábado aos 89 anos. O camarada aí havia criado o tal energético que virou febre em todo o planeta a partir dos anos 90. Pelo visto, a morte trouxe ares pesados à equipe, que não conseguiu ser a protagonista em momento nenhum. No último treino livre, viu Sebastian Vettel rodar sozinho na curva 6. Na classificação, colocou seus dois carros apenas na terceira fila. No domingo, até foi bem e celebrou o segundo lugar de Vettel, mas o resultado final foi bastante insuficiente para uma equipe que fez o que quis em 2011.

FERRARI3 – Existe clichê mais antigo, e melhor, do que rossa, ma di vergogna? Esta frase comumente utilizada nos semanários italianos nos maus dias da Ferrari do jejum de 21 anos sem título pode ser perfeitamente aplicada neste início de 2012. O F2012 é um carro tão veloz quanto bonito, o que é um evidente mau sinal. Pelo menos, Fernando Alonso está lá. O espanhol rodou sozinho no sábado e comprometeu sua posição no grid, mas fez uma ótima corrida de recuperação e terminou em quinto. Felipe Massa rodou na sexta, estacionou no Q2 do treino oficial e não fez muita coisa além de muitas paradas de pit-stop e um acidente desnecessário com Bruno Senna no final. A indignada Autosprint pediu Jarno Trulli em seu lugar. Os italianos não são campeões de paciência.

SAUBER7,5 – Parece ter um carro eficiente e certamente tem uma dupla do barulho. Falta apenas resolver os pequenos problemas que sempre a atrapalham. Não fosse por um problema no câmbio no sábado e pelo acidente com Nico Rosberg na última volta da corrida, Sergio Pérez poderia ter se dado muitíssimo bem. O mexicano parou apenas uma vez, comprovando o baixíssimo consumo de pneus proporcionado pelo C31, e marcou pontos após ter largado da última posição. O companheiro Kamui Kobayashi bateu em um ali e aprontou outra acolá, mas deu uma sorte tremenda na última volta e ficou em sexto. Um início de temporada muito animador para a turma de Peter Sauber.

LOTUS8 – Tem um carrão e poderia ter saído de Melbourne com muitos pontos no bolso, mas seus dois pilotos tiveram aborrecimentos em momentos distintos do fim de semana. O campeão Kimi Räikkönen se embolou todo no Q1 e sequer conseguiu passar para a próxima fase. No dia seguinte, andou direitinho, sobreviveu a Kobayashi e terminou em oitavo. Romain Grosjean foi a sensação do treino oficial ao marcar o terceiro tempo, mas abandonou na segunda prova após Pastor Maldonado ter lhe dado uma porrada em uma das rodas. Mas o carro é bom e a dupla é ótima. Fiquemos de olho.

TORO ROSSO6,5 – O STR7 é um carro bastante correto e seus dois pilotos são da turma dos bons. O resultado no treino oficial, com Daniel Ricciardo em décimo e Jean-Eric Vergne logo atrás, foi mais promissor que o da corrida, mas ninguém ficou muito chateado. O australiano bateu em Bruno Senna na largada e teve de trocar o bico, mas não desanimou e fez uma excelente corrida de recuperação, abocanhando o nono lugar. Vergne fez uma corrida de aprendizado, conservadora e cautelosa. Não pegou um pontinho por alguns malditos metros. É outra equipe para ficarmos de olho – a contenda lá dentro vai ser pesada.

FORCE INDIA4 – Esta, de certa forma, decepcionou. O bom desempenho da pré-temporada não se repetiu em terras oceânicas, mas Paul di Resta ainda anotou um pontinho graças às loucuras das últimas curvas. O escocês é tipo o Nico Rosberg tocando gaita de foles, eficiente e muito, mas muito discreto. Já Nico Hülkenberg andou melhor no treino oficial, mas sua corrida acabou ainda na primeira volta. O carro não começou bem, mas o mesmo aconteceu no ano passado e a equipe acabou melhorando muito. Talvez seja a Force India que não goste tanto assim do reino dos coalas.

MERCEDES8 – Poderia e merecia ter ganhado nota bem maior, mas não dá para ser muito benevolente com uma equipe grande que termina o fim de semana sem pontos. O W03 é um carro promissor e Michael Schumacher demonstrou suas qualidades com o primeiro tempo no segundo treino livre e o quarto lugar no grid de largada. Ele vinha andando num confortável terceiro lugar quando o câmbio quebrou, um problema duro de engolir numa Fórmula 1 de peças inquebráveis. Nico Rosberg, menos exuberante, apareceu bem com uma ótima largada e uma corrida que se desenvolveu bem até o safety-car. No fim, nem deu para ficar entre os dez primeiros. Vamos considerar que o GP australiano foi um ponto fora da reta de uma equipe que tem tudo para ganhar a primeira neste ano.

WILLIAMS5 – É foda, rapaz. No fim de semana em que a equipe parecia estar pronta para marcar mais pontos do que em 2011 inteiro, seus dois pilotos decidiram não colaborar. Muita gente pode achar que estou sendo duro demais com Pastor Maldonado, que fez um ótimo treino oficial e uma corrida melhor ainda, mas temos de ser pragmáticos: ele jogou um sexto lugar no lixo por culpa inteiramente sua. Para uma Williams que precisa de cada ponto, foi uma tremenda duma cagada. Bruno Senna pode ao menos alegar que foi atingido por Daniel Ricciardo e Felipe Massa, mas seu confesso conservadorismo não pegou bem. Esperamos mais colaboração por parte da dupla, pois o carro se comportou muito bem em Melbourne e promete estar num nível acima ao lamentável FW33 do ano passado.

MARUSSIA6 – Única equipe das nanicas que conseguiu terminar a corrida, e ainda por cima com seus dois carros. Mesmo sem ter feito uma pré-temporada completa com seu carro novo, Timo Glock e Charles Pic conseguiram andar razoavelmente bem durante todo o fim de semana, não tiveram problemas e o alemão ainda andou à frente de carros melhores na primeira volta da corrida. Os dois chegaram ao fim e demonstraram que, sim, dá para ter uma participação digna sem ter feito um teste decente anteriormente. Não é, HRT?

CATERHAM2,5 – Cadê aquele avanço que tanto foi prometido? Pelo visto, a esquadra de Tony Fernandes permanecerá monopolizando a 10ª fila dos grids de largada pelo terceiro ano consecutivo. Heikki Kovalainen e Vitaly Petrov ainda tiveram a desagradável experiência de andar atrás de uma Marussia durante algumas voltas. Os dois abandonaram mais ou menos no mesmo momento, um por problemas na suspensão e o outro por contingências soviéticas. Ser a única equipe das que largaram a não completar a corrida não foi das coisas mais agradáveis.

HRT0 – Dessa vez, fica difícil defender. Não digo nem por causa dos atrasos, já que a novela é a mesma desde 2010. O problema é ter feito, no treino oficial, um tempo ainda pior do que na edição de 2011, na qual a equipe também não conseguiu se dar bem. Pedro de la Rosa e Narain Karthikeyan nem sonharam em repetir o 1m32s9 marcado por Vitantonio Liuzzi no ano passado. O espanhol só conheceu o novo carro no fim de semana e penou um bocado. Dono da grana, Narain andou um pouco mais, mas foi triste vê-lo parar na sua primeira volta no primeiro treino de sexta-feira. Pressinto que as dificuldades serão ainda maiores do que nas duas primeiras temporadas. Espero estar errado.

TRANSMISSÃOVICK VAPORUB – Cof, cof! O que foi aquilo? O narrador oficial da transmissão brasileira estava com catarro ou cimento na garganta? Nas últimas dez voltas, sua dificuldade para pronunciar seis ou sete palavras consecutivas era dramática – talvez ele já tenha chegado ao limite extremo de suas cordas vocais, certamente afetadas por antigos hábitos tabagistas. Fora isso, seu companheiro não precisava estragar a surpresa do primeiro carro de corrida no Brasil, que seria apresentado num programa qualquer. “Um Alfa Romeo”. Puxa vida, e eu esperando assistir ao programa e dar de cara com um Hyundai ou um EFFA. Não prestei muita atenção em outras bobagens, pois acompanhar minúcias as três da manhã é coisa de zumbi.

CORRIDAZICAS – Sabe, eu torço para alguns pilotos. Pastor Maldonado, Romain Grosjean, Michael Schumacher, Kamui Kobayashi, Lewis Hamilton e Fernando Alonso. Pode perceber que, sim, me aborreci um pouco. Quem foi bem no sábado se deu mal no domingo e vice-versa. Dei um soco no colchão onde estava deitado quando vi aquela anta do venezuelano batendo na última volta. Para quem torce pra Jenson Button, por outro lado, foi uma madrugada divertida. Não houve tantos acidentes ou horrores que sempre acontecem em Melbourne, mas também não bocejamos tanto. Foi uma corrida honesta para quem se dispôs a ficar acordado até altas horas da madrugada.

JENSON BUTTON10 – Nunca torça contra Jenson Button, pois não funcionará em hipótese nenhuma. O campeão de 2009 iniciou a temporada da melhor maneira possível, vencendo sem dar chance aos rivais. Liderou o primeiro treino livre da temporada e não teve dificuldades para largar na segunda posição, mas dia bom mesmo foi o domingo. Logo na largada, deixou Lewis Hamilton para trás e só deixou a liderança momentaneamente nos dois pit-stops. Mesmo com o safety-car juntando todos os carros, nunca foi ameaçado. Obteve seu terceiro trunfo na Austrália. Filho da mãe.

SEBASTIAN VETTEL9 – Não tinha o melhor carro e sabia disso, mas fez uma grande corrida. O atual bicampeão foi discreto nos treinos, mas compensou com uma atuação de gala na corrida. Houve até ultrapassagem por fora, feita sobre Nico Rosberg. Deu-se muito bem com o safety-car, que entrou na pista quando os dois McLaren haviam acabado de fazer seu pit-stop. O alemão entrou nos boxes na hora certa e conseguiu tomar a segunda posição de Lewis Hamilton no retorno.

LEWIS HAMILTON8 – Era o grande favorito para a vitória, pois tinha o melhor carro e mais velocidade que o companheiro de equipe. No sábado, fez a pole-position sem dificuldades. Mas a primazia evaporou logo na largada, quando Jenson Button conseguiu tomar a liderança metros antes da primeira curva. O segundo lugar parecia um porto seguro, mas o safety-car permitiu que o oportunista Sebastian Vettel o ultrapassasse. Nas últimas voltas, ainda sofreu pressão de Mark Webber e quase perdeu o pódio. Começar atrás do iluminado companheiro não estava nos planos.

MARK WEBBER6,5 – As diferenças entre ele e Sebastian Vettel continuaram evidentes mesmo em um carro que ainda está longe da perfeição. Embora tenha batido o companheiro no treino oficial, o piloto da casa levou um chocolate dos mais amargos na corrida. Como de costume, largou mal e se viu envolvido na lambança que quase virou o carro de Bruno Senna de ponta-cabeça. Teria terminado a corrida mais para trás, mas se deu muito bem com o safety-car, que acabou o colocando na quarta posição e com enormes chances de tomar a terceira de Lewis Hamilton. Não conseguiu, mas assegurou os doze pontos.

FERNANDO ALONSO8,5 – Excelente corrida, considerando a tristeza de carro que dirige. No sábado, rodou artisticamente e acabou ficando no Q2, sem esperança ou futuro algum na vida. A sorte mudou já na largada, com uma negada à sua frente tendo problemas e ficando para trás. Pouco depois, Maldonado e Grosjean se estranharam e o espanhol herdou mais algumas posições. No primeiro pit-stop, ele acabou deixando Nico Rosberg para trás. No final, Pastor Maldonado até ameaçou tomar sua posição, mas bateu sozinho e o deixou em paz. Milagres existem e Alonso operou um.

KAMUI KOBAYASHI6 – Deu a maior sorte da Oceania ao cruzar a linha de chegada na sexta posição. O feito só foi possível porque Pastor Maldonado bateu na última volta e quem veio atrás se embolou todo. No fim, o japa terminou sorridente uma corrida apenas discreta. Sempre no meio do pelotão, chamou a atenção por algumas manobras agressivas e toques na lateral de adversários como Kimi Räikkönen, com quem duelou durante boa parte do tempo. Diria que seu companheiro Sergio Pérez merecia muito mais o resultado, mas o destino não concordou e premiou Kamui.

KIMI RÄIKKÖNEN6,5 – É um cagado do caralho, com o perdão da expressão altamente ofensiva. Largou lá da milésima oitava posição e terminou em sétimo sem mover uma sobrancelha. O péssimo resultado no treino classificatório se deveu a um erro em sua volta rápida, reforçado pelo azar total de não conseguir abrir mais uma volta nos últimos segundos. As coisas melhoraram drasticamente no domingo, com uma largada limpa, o azar dos adversários e a estratégia de parar o mais tarde possível. Foi um dos felizardos com a entrada do safety-car e foi ainda mais felizardo com o acidente de Maldonado no final. O papa-léguas do dia.

SERGIO PÉREZ8,5 – Foi muito melhor que o companheiro de equipe, mas terminou atrás porque deu azar. As adversidades começaram antes da corrida, quando foi obrigado a largar em último por ter de trocar a caixa de câmbio. Largou maravilhosamente bem e ainda arriscou a estratégia de apenas um pit-stop, o que o permitiu andar na segunda posição por algumas voltas. Nas últimas voltas, estava em sétimo e poderia ter se dado muitíssimo bem com o acidente de Maldonado, mas bateu com Rosberg nas últimas curvas e acabou perdendo duas posições. Se continuar nesta forma, toma tranquilamente o lugar de Felipe Massa na Ferrari.

DANIEL RICCIARDO8,5 – Na sua primeira corrida de verdade na Fórmula 1, fez o que tinha de ser feito com um carro médio de uma equipe que cobra tanto quanto a Ferrari: ficou entre os dez primeiros na classificação e pontuou. Andou bem nos treinos e nem esquentou a cabeça no Q3 da classificação, preferindo largar em décimo e poupar um pouco seus pneus. Largou e teve problemas na primeira curva, envolvendo-se num acidente com Bruno Senna. Caiu pro fim do grid e se viu obrigado a fazer uma bela corrida de recuperação. No final, estava disputando posição com o companheiro Jean-Eric Vergne e se deu bem nos acontecimentos da última volta, ficando à frente dele. Dane-se quem discorda, mas estamos diante do melhor piloto australiano da Fórmula 1 atualmente.

PAUL DI RESTA5 – Fez uma corrida com a sua cara: discreta pacas. Levou um caminhão de tempo do companheiro Nico Hülkenberg no treino oficial e só conseguiu largar em 15º. Na primeira volta, chegou a ficar atrás da Marussia de Timo Glock. Até o final, fez sua corridinha e estava bastante distante dos pontos. Com todas as coisas que aconteceram na última volta, ganhou um monte de posições até a bandeirada de chegada e assegurou o último ponto da corrida. Mas ficou devendo.

JEAN-ERIC VERGNE6 – Este é alguém que merecia ter terminado mais à frente. Fazendo seu primeiro fim de semana como piloto oficial, o francês não cometeu grandes erros e poderia ter feito pontos tranquilamente. No treino oficial, não foi para o Q3 por muito pouco, mas não poderia reclamar do 11º lugar no grid. A largada, sim, foi problemática e ele passou reto na primeira curva tentando evitar o acidente de Bruno Senna. Tendo sobrevivido, Vergne fez sua corrida sem problemas e até sonhou em marcar pontos na última volta, mas foi ultrapassado por Paul di Resta na linha de chegada e ficou na vontade.

NICO ROSBERG5,5 – Terminou o domingo num prejuízo danado. E sem merecer. Perdeu para Michael Schumacher no primeiro treino oficial do ano, mas se recuperou com uma bela largada que o colocou em quarto na primeira volta. Embora tenha levado duas ultrapassagens de Vettel (uma por fora), perdido uma posição para Alonso no primeiro pit-stop e se ferrado com a entrada do safety-car no final, Nico vinha rumo aos pontos sem dificuldades. Mas tudo escapou pelo dedos na última volta, quando ele bateu em Sergio Pérez e acabou perdendo desempenho nas curvas finais, deixando escapar várias posições. Foi para casa zerado.

PASTOR MALDONADO7,5 – Foi talvez a grande atração da corrida, e certamente um dos melhores pilotos na pista. Mas precisa urgentemente parar de ser burro. O socialista extraiu o máximo de seu belo Williams e emplacou um ótimo oitavo lugar no grid de largada. No dia seguinte, alternou momentos de genialidade e demência grave. Logo na segunda volta, atropelou a roda dianteira de Grosjean e o tirou da prova. No decorrer da prova, apareceu bem e peitou pilotos mais gabaritados. No final, passou um tempão ameaçando a quinta posição de Fernando Alonso. Para desespero dos seus fiéis militantes, errou sozinho na última volta e estourou o carro no muro, deixando Simon Bolívar trêmulo na catacumba.

TIMO GLOCK7 – É um excelente piloto e não tinha de estar mofando no final do grid. Com um carro tão virgem quanto os antecessores, o alemão até conseguiu fazer algumas pequenas obras de arte, como o 12º lugar em um dos treinos livres. Na corrida, ganhou uma baciada de posições na largada e conseguiu a proeza de andar à frente da dupla da Caterham por algumas boas voltas. Retornando às últimas posições, ele conseguiu sobreviver às típicas ocorrências australianas e terminou a prova em 14º, sua melhor posição desde há muito tempo.

CHARLES PIC5 – Muito difícil avaliar. Ele nunca foi brilhante nas categorias menores, mas também está longe de ser um mau piloto. Na Marussia, enfrenta a barra de pilotar um carro lento e virgem ao lado de um companheiro experiente e gabaritado. Mesmo assim, fez seu trabalho. Ficou a apenas sete décimos de Timo Glock no treino classificatório e quase chegou ao final da corrida. Não conseguiu por causa de um problema na bomba de óleo. Mesmo assim, está na lista dos classificados – missão cumprida.

BRUNO SENNA2 – Enquanto seu companheiro peitava o céu e o inferno, o brasileiro preferiu ficar confortavelmente instalado no conservadorismo e na mediocridade. Resultado: nunca foi nem rápido ou constante. Nos treinos livres, andou sempre atrás de Maldonado. No treino oficial, ficou no Q2 e nunca esteve perto dos dez primeiros. Na corrida, foi tocado logo na primeira curva, quase capotou e retornou à pista lá atrás. Depois, só foi visto nas últimas voltas, quando se envolveu em um constrangedor toque com Felipe Massa. Talvez seu pior fim de semana na Fórmula 1.

FELIPE MASSA1 – Triste. Se continuar assim, não dá para deixar de imaginar que a Ferrari o substitua ainda nesta temporada. Apanhou do carro, do companheiro e de todo o resto durante todo o fim de semana. Ficou em 18º em dois dos três treinos livres. No oficial, não sobrou no Q1 por muito pouco, inimaginável em se tratando de um piloto da Ferrari. Na corrida, sofreu muito com o desgaste dos pneus traseiros e fez três trocas de pneus. Com este problema, perdeu muito terreno e passou boa parte da prova em 13º. Na volta 46, sofreu um acidente tão improvável quanto imbecil com Bruno Senna e teve de abandonar. Talvez seu pior fim de semana na Fórmula 1. Talvez o pior fim de semana do Brasil na Fórmula 1.

HEIKKI KOVALAINEN3,5 – Apareceu bem no segundo treino de sexta, quando ficou em oitavo, e só. Seu carro não melhorou muito, ao contrário do que muita gente imaginava. Ainda andou atrás da Marussia de Timo Glock nas primeiras voltas e teve trabalho com Vitaly Petrov em alguns momentos. Abandonou com problemas na suspensão. Já teve fins de semana mais interessantes. E o próximo também não deverá ser fácil: por ter feito ultrapassagem antes da linha do safety-car, ele perderá cinco posições no grid do GP da Malásia.

VITALY PETROV3 – Terá dias difíceis na Caterham após dois anos sossegados na Renault. Ficou atrás de Kovalainen durante todo o fim de semana, mas é bom que se diga que também não passou vergonha. Durante a corrida, parou mais tarde que a maioria dos seus rivais e chegou a ocupar a 11ª posição por algumas voltas. Na volta 35, abandonou em plena reta dos boxes e trouxe o safety-car que mudaria a vida de bastante gente na prova.

MICHAEL SCHUMACHER8 – Começou o ano a mil, liderando um treino livre e fazendo um excelente quarto tempo no treino oficial, melhor posição obtida desde que retornou à Fórmula 1. Na largada, deu-se bem com a péssima saída de Grosjean e assumiu a terceira posição. Tinha grandes chances de pódio, mas o câmbio de seu W03 falhou e o resultado foi uma saída de pista na primeira curva. Pouco depois, Michael viu que não dava para continuar e abandonou a prova. Uma pena.

ROMAIN GROSJEAN7 – Se não tivesse feito aquelas corridas vexaminosas em 2009, estaria sendo aclamado como o futuro Alain Prost. Apareceu de maneira espetacular no treino oficial, quando ficou em terceiro no Q1, segundo no Q2 e novamente terceiro no Q3, milhões de posições à frente do badalado companheiro Räikkönen. Infelizmente, sua corrida durou pouco e foi ruim. Largou muito mal e ocupava a sexta posição quando foi basicamente atropelado por Maldonado. Com a roda dianteira direita quebrada, teve de encostar e chorar.

NICO HÜLKENBERG5,5 – Não tem sorte em Melbourne. Há dois anos, foi envolvido em uma colisão daquelas com Kobayashi e Sébastien Buemi. Neste ano, a história se repetiu. O novo contratado da Force India foi acertado por sei lá quem e teve de abandonar ainda na primeira volta com pneu furado e suspensão arregaçada. Chato, pois tinha tudo para ser o melhor representante indiano da prova, a começar pelo ótimo desempenho no treino oficial.

PEDRO DE LA ROSA4 – Impossível fazer uma avaliação justa. Parecia claro que o quarentão espanhol viajou a Melbourne apenas para tirar fotos com os cangurus, pois seu carro sequer ficou pronto para o primeiro treino livre. Nas três sessões em que participou, deu um total de 19 voltas e nunca conseguiu fazer um tempo abaixo de 1m33s. Com esta marca, era impossível largar. Pelo menos, deixou o companheiro Narain Karthikeyan para trás mesmo tendo menos quilometragem.

NARAIN KARTHIKEYAN3 – Nem sei o porquê de ter dado nota mais baixa a ele. Talvez por ter feito um total de 38 voltas em todas as sessões: era de se esperar que o indiano ao menos terminasse o Q1 da classificação à frente do companheiro, o que não aconteceu. Se não dá para deixar de responsabilizar o carro, também é verdade que Narain Karthikeyan não é o piloto dos sonhos de casta nenhuma. Mas as rúpias são sempre bem-vindas.

GP DA AUSTRÁLIA: Bonobos, a Fórmula 1 voltou. Hoje à noite, os brasileiros e as brasileiras que gostam de acompanhar carros correndo ao redor de nada poderão matar a vontade de rever aqueles troços coloridos e com degraus circulando por aí a mais de 300 por hora. E Albert Park será o palco do início da 63ª temporada da categoria mais veloz da Europa. O circuito localizado em Melbourne é um dos melhores do campeonato: exigente, de acerto difícil, variado e muito bonito. O sol está sempre presente e os pilotos adoram tirar fotos com os coalas e passar as noites com as australianas. E as corridas são repletas de ultrapassagens e acidentes, não nesta ordem. Por causa disso, beira o absurdo quando Bernie Ecclestone prefere começar o ano com uma etapa naquela droga de Bahrein, onde ninguém bebe e as moças usam burca. Mas Bernie, que é um tremendo de um empata-foda, já deixou claro que a Austrália cai fora do calendário se não realizar sua prova à noite. Vocês sabem, ele não gosta de sol e odeia ver gente satisfeita.

FAVORITOS: Sebastian Vettel, Sebastian Vettel e Sebastian Vettel. Não sejamos inocentes ou excessivamente otimistas. Adrian Newey gripado, sem um braço e bêbado ainda consegue desenvolver um carro melhor que qualquer outro. Como Newey estava em perfeitas condições quando desenhou o RB8, é improvável que o título saia do mundo Red Bull. Diz a lenda que o tal degrau do carro da Red Bull é um duto frontal disfarçado, que conduz o fluxo de ar diretamente ao difusor. Se for isso, não só é genial como também chega a ser constrangedor que nenhuma outra equipe tenha pensado nisso. De qualquer jeito, com ou sem duto, Vettel ainda é o favorito. Correndo por fora, os dois pilotos da McLaren e Mark Webber, que precisará resgatar a dignidade perdida no ano passado. Não acredito na Mercedes e a Ferrari nas mãos de latinos é uma coisa digna de pena.

ESTREANTES: Teoricamente, são apenas dois. Ambos franceses. O mais promissor deles é Jean-Eric Vergne, que ganhou um título na Fórmula 3 britânica com 13 vitórias e que quase abocanhou o troféu da World Series by Renault logo em sua primeira temporada. Ele dividirá a Toro Rosso com Daniel Ricciardo, que também fará sua primeira temporada completa. A maior experiência do australiano, que já disputou algumas provas no ano passado pela HRT, o ajudou a andar à frente de Vergne na maior parte dos treinos da pré-temporada. Digo e assino que o francês irá sofrer um pouco nestas primeiras etapas. O outro é Charles Pic, que foi condenado a um ano de reclusão na Marussia. Sem conhecer o carro novo ou a pista, ele só estará na Austrália para tentar largar e terminar. Pelo menos, a cabeleira dos tempos da GP2 já foi aparada, provavelmente para se adequar aos padrões mauricinhos da Fórmula 1. São só estes dois. Romain Grosjean e Daniel Ricciardo não contam.

INTERMEDIÁRIOS: Partindo do pressuposto de que a Ferrari não conseguirá ser ainda mais sem-vergonha do que nos últimos anos e a Mercedes seguirá na rabiola dos grandes, o objeto de análise aqui compreende todo mundo que vai ficar naquela de pontuar de vez em quando e não ser sequer tocado pelas equipes pequenas. A Lotus, que era a Renault, é a melhor delas: liderou quatro testes de pré-temporada, está em lua de mel com Kimi Räikkönen e Romain Grosjean é um nome que definitivamente renasceu das cinzas. Se bobear, poderá peitar Ferrari e Mercedes sem grandes problemas. Sauber e Force India parecem ter carros bons, principalmente a primeira, mas não deverão sair muito do patamar atual. A Toro Rosso também, mas sua dupla de pilotos é mais empolgante do que a dos últimos anos. E a Williams, coitada, só acertou na pintura do carro. Liderar um teste com Pastor Maldonado não quer dizer absolutamente nada, talvez apenas que não será dessa vez que ela se juntará às equipes minúsculas.

NANICAS: Os últimos não serão os primeiros. O fundão continua desorganizado e sem futuro assim como nas duas últimas temporadas. A Caterham é um caso engraçado. Ex-Lotus, a equipe de Tony Fernandes melhorou muito de 2011 para 2012. Assim como melhorou muito de 2010 para 2011. Assim como evoluiu bastante durante o ano de 2010. Resultado: continuará um segundo atrás da Williams, que é a pior das equipes do meio. Ela terá de “melhorar muito” por mais quantos anos até começar a, enfim, marcar pontos? Mas esta, ao menos, parece ter a sobrevivência mais ou menos garantida a longo prazo. Suas companheiras de sofrimento, que ainda apostam no motor Cosworth, não têm muita coisa além de dois carros miseráveis, dois pilotos desiludidos e uma trevosa névoa pela frente. A Marussia ainda terá um carro de design invocado, mas o degrau no bico não está lá, o que não é um bom sinal. A HRT só pode contar com uma pintura bonita, pois o chassi é basicamente aquele velho Dallara montado às pressas no início de 2010. Narain Karthikeyan está lá. De dalits, ele entende.

Aos poucos, os vestígios da existência de uma suposta década de 90 começam a esvair na Fórmula 1. Depois de Rubens Barrichello, foi a vez do italiano Jarno Trulli se encontrar sem espaço na categoria. Há algumas horas, a Caterham anunciou, em uma manobra não muito surpreendente, a substituição do veterano Trulli, 37 anos e 252 largadas, pelo russo Vitaly Petrov. Último piloto anunciado para a temporada 2012, Petrov tomou a vaga de Jarno por questões de “mercado econômico mundial”, segundo o chefão Tony Fernandes. Ele quis dizer que a calorosa Itália é uma fria e a gélida Rússia é quente.

Não foram muitos os que lamentaram, verdade seja dita. O único incômodo para mim é que Trulli era um dos raros pilotos que não corriam em uma das quatro equipes grandes, mas recebiam salário. O fato de Jarno ter sido dispensado em favor de um cara que carrega a torcida e os rublos dos agentes sanguinários da KGB e das prostitutas de 1m95 indica que até mesmo a simpática Caterham não está imune aos encantos do dinheiro vil e calculista. Fora isso, a dispensa do italiano soa positiva, pois ele não vinha fazendo nada de relevante faz um bom tempo. O Jarno dos últimos anos era um sujeito envelhecido, ranzinza e desanimado. Nem mesmo o poder antioxidante dos seus vinhos Podere Castorani o revitalizava.

Eu torci por Jarno Trulli durante quase dez anos. Torcia mesmo, de ter ficado feliz pra caralho quando ele venceu aquele Grande Prêmio de Mônaco de 2004 de forma brilhante. Em 1999, ficava genuinamente infeliz quando ele perdia pontos valiosos devido às constantes quebras de seu deslumbrante Prost AP02. Nos dois anos seguintes, Trulli encontrou sua casa perfeita: a Jordan, tão azarada quanto ele. Juntos, piloto e equipe me deram alguns dos maiores desgostos que um torcedor poderia ter. E as coisas não melhoraram muito na Renault e na Toyota.

O Top Cinq de hoje fala sobre algumas das desilusões causadas por este cabeludo nascido em Pescara. Assim como torcer para a Portuguesa, apoiar Jarno Trulli era um exercício dos mais inglórios. Você precisava estar sempre preparado para não comemorar um bom resultado no domingo mesmo com a pole-position no sábado, não se embriagar com uma daquelas superlargadas que o colocavam na liderança e tomar ciência de que, mais cedo ou mais tarde, ele terminaria a corrida em oitavo ou nono segurando a duras penas uma inquieta fila indiana. Isso se ele não abandonasse, o que era bem provável. Rememore algumas das corridas que mais irritaram:

5- INGLATERRA/2003

Após seis anos de carreira na Fórmula 1, já não eram muitos os que achavam que Jarno Trulli seria o grande nome que faria a Itália ganhar seu primeiro título de pilotos desde Alberto Ascari nos anos 50. Para piorar as coisas, 2003 foi o ano em que Fernando Alonso apareceu ao mundo. Dividindo a equipe Renault com ele, Trulli teria de ralar bastante e entregar resultados se quisesse desfrutar dos mesmos holofotes. Não foi o que aconteceu.

Em Silverstone, o treino de classificação foi uma doideira só. Aquele sistema de uma única volta lançada na classificação era uma droga, mas tinha a vantagem de poder bagunçar as coisas de vez em quando. No meio disso, Trulli surpreendeu a todos obtendo o segundo tempo. Apenas Rubens Barrichello ficou à sua frente, e por menos de dois décimos. Enquanto isso, nomes como Michael Schumacher se embananaram em erros e decepções e tiveram um sábado dos piores.

Naquele ano da graça, a carta da manga da Renault era seu sistema de largada, projetado por marcianos com a supervisão da NASA. Graças a ele, o carro azul e amarelo disparava nos primeiros metros da largada e engolia umas quatro ou cinco posições na maior tranquilidade. Pois Trulli partiu como um raio e deixou o pole Barrichello chupando o dedo na primeira curva. Tomou a liderança e seguiu em frente. Se tudo desse certo, daria para conversar sobre vitória.

Mas uma corrida do Trulli sem problemas não é uma corrida do Trulli. Logo na quinta volta, um pedaço de carro de David Coulthard caiu no meio da pista e trouxe o safety-car por algumas voltas. Alguns pilotos entraram nos pits e anteciparam seu primeiro pit-stop. Não muito depois, um padre retardado invadiu a pista e trouxe o safety-car à pista pela segunda vez. Nesse caso, todo mundo que não havia parado antes fez seu pit-stop. E aqueles que haviam feito o pit-stop no primeiro safety-car, como era o caso da dupla da Toyota, não precisou parar de novo. Com isso, essa gente pulou lá para frente.

Trulli acabou caindo para a quinta posição. Não muito após a segunda relargada, o italiano acabou perdendo duas posições para Barrichello e Juan Pablo Montoya, caindo para a sétima posição. Para piorar as coisas, o Renault começou a perder cada vez mais aderência, o que deixou as coisas muito difíceis. No fim da corrida, o sujeito que havia assumido a ponta de maneira sensacional terminou o GP da Inglaterra de 2003 lá na judiação da sexta posição.

4- BÉLGICA/2004

A primeira pole-position de Jarno Trulli foi no GP de Mônaco de 2004. No domingo, nem mesmo ele conseguiu estragar tudo e o resultado foi a primeira e última vitória da carreira. Alguns meses depois, Jarno fez sua segunda pole, dessa vez no magistral circuito de Spa-Francorchamps. Havia chovido um bocadinho, como sempre acontece em terras valônicas, e ele escolheu fazer sua volta com pneus intermediários. Deu certo e ele terminou o dia como rei.

Mas ninguém achava que um pole-position totalmente imprevisível como Jarno Trulli venceria uma corrida onde absolutamente qualquer coisa poderia acontecer. Ainda mais sabendo que largaria ao seu lado Michael Schumacher, que pilotava o carro mais veloz da história da Fórmula 1, o F2004. Em condições normais de temperatura e pressão, o alemão venceria e ganharia seu centésimo título mundial. Em condições excepcionais, até mesmo o Zsolt Baumgartner venceria. Mas nunca o Trulli.

Ele manteve a ponta, porque era impossível largar mal com a Renault naquela época. Mas a corrida começou com um fuzuê desgraçado. Logo na largada, uns quatro se eliminaram em uma carambola na Radillon. Outros tiveram de fazer um pit-stop prematuro, como Rubens Barrichello. Enquanto isso, Jarno seguiu na ponta, mas somente por algumas voltas. Seu carro tinha um problema no assoalho e ele perdeu desempenho rapidamente.

Na volta 10, Trulli entrou nos pits para tentar consertar o carro, mas as coisas só pioraram a partir daí. Ele caiu para o meio do pelotão e chegou a andar um tempo em 12º, uma péssima posição para uma corrida que só teve vinte participantes e que perdeu vários deles logo no começo. Após uma tarde tentando fazer o carro andar dentro da pista, Trulli terminou na nona posição. Em tese, ele chegou em último: Ricardo Zonta e Nick Heidfeld, que ficaram atrás dele na classificação oficial, tinham tido problemas de motor e nem contavam. De primeiro a último em apenas duas horas. Boa, Jarno.

3- AUSTRÁLIA/2002

Após dois anos aborrecidos naquela Jordan amarela e mequetrefe, Jarno Trulli achava que reencontraria sua curva ascendente na nova equipe Renault. Que de nova, não tinha nem absolutamente nada: a Renault retornava como equipe oficial à Fórmula 1 após 17 anos e ela ainda utilizava a estrutura da antiga Benetton. Logo, era uma equipe tão nova quanto a Minardi ou a Williams. Mas o fato é que era nova para Trulli, que precisava de ares mais frescos do que os turbulentos ambientes de suas equipes antigas.

Em seu primeiro ano, a Renault fez muito bem: mandou tacar fogo em tudo o que fosse relacionado ao lamentável Benetton B201 e construiu um modelo do zero. Um modelo simples e eficiente. Sendo o bom piloto que era, Jarno Trulli não teria problemas para trazer alguns bons resultados. Bastava apenas não ser azarado e não estragar tudo naquelas duas horas dominicais. Mas isso é pedir demais para o italiano.

Como sempre, Jarno Trulli andou bem pra caramba no treino oficial e fez o sétimo tempo, deixando seu companheiro Jenson Button quatro distantes posições atrás. Quem viu, sorriu. O ex-campeão mundial de kart finalmente estava podendo mostrar seu talento com um carro à altura. A Renault fez bem em lhe dar uma oportunidade. Vocês todos vão ver, especialmente aqueles que riram de suas bandanas amareladas que ele costumava usar nos tempos da Prost.

A corrida prometia ser ainda melhor. Logo na largada, Ralf Schumacher quis decolar seu avião sobre a cabeça de Rubens Barrichello. O que Ralf se esqueceu é que ele não pilotava um avião, mas sim um Williams FW24 e passar sobre o carro do brasileiro só poderia resultar em um acidente daqueles. Alguns pilotos invejosos quiseram participar da festa e o resultado foi uma lista de oito abandonos logo na primeira volta. Não foram muitos os que sobreviveram incólumes, mas alguns dos que restaram se deram muito bem. Este foi o caso de Trulli, que pulou da sétima para uma incrível segunda posição. Que começo de ano!

O safety-car entrou na pista e ficou por lá durante algum tempo. Na relargada, enquanto o líder David Coulthard desaparecia na liderança, Trulli tentava manter sua segunda posição frente aos ataques de Michael Schumacher, que se embananou na primeira curva e perdeu algumas posições. Schumacher é casca-grossa tentando ultrapassar, mas Jarno é pior ainda quando defende uma posição: você pode tentar ultrapassá-lo com um FW14B e uma bazuca que ainda passará por maus bocados. Apenas um sujeito pode derrotar Jarno Trulli: o próprio.

Na volta nove, logo após completar a primeira curva, Trulli tentou acelerar um pouco antes do tempo e as rodas traseiras patinaram. O Renault R202 acabou rodando e bateu de lado no muro. Fim de prova para o italiano. Uma bela maneira de estrear em uma equipe, sem dúvida.

2- BRASIL/2008

Ih, olha lá o Trulli na segunda posição! Quem de nós que estava acompanhando o treino oficial do GP do Brasil de 2008 não se assustou quando viu que o Toyota do italiano havia assumido a segunda posição faltando apenas alguns segundos para o fim da sessão? Enquanto todo mundo acompanhava apenas os aspirantes ao título Felipe Massa e Lewis Hamilton, Jarno metia seu carro lá no meio da turma da frente. Para os brasileiros, era uma intromissão muito bem-vinda: como Felipe ocupava a pole-position e dependia de uma combinação de resultados para ser campeão, quanto mais gente entre ele e Hamilton, melhor.

Trulli contrariou sua natureza e expressou enorme felicidade e surpresa, já que ele estava gripado e não imaginava que poderia andar bem em Interlagos. Mas a corrida, última da temporada, foi uma tristeza nietzschiana. Tão ruim que se eu tiver de culpar algum piloto da Toyota pela perda do título de Massa, não seria Timo Glock o escolhido.

Jarno largou bem e manteve o segundo lugar. Estava com pneus intermediários. A pista estava secando. Ele precisou ir aos pits na volta 12 para colocar a borracha árida. A partir daí, a corrida começou a ganhar contornos de Trulli. Ele saiu dos boxes e voltou à pista exatamente atrás do Force India de Giancarlo Fisichella, que ainda não havia parado. Naqueles dias, a Force India tinha o carro mais lento do grid e Fisichella estava segurando um pelotão razoavelmente populoso.

Mas Trulli não pode culpar apenas o azar por ter ficado atrás de uma carroça. Na volta 13, ele perdeu a freada do S do Senna e foi ultrapassado por Hamilton. Ao voltar para o traçado, ele ainda continuou sapateando no gelo e quase rodou na Curva do Sol. Nesta demonstração de arrancar aplausos de Fred Astaire, Trulli acabou perdendo mais duas posições. Sua chance de pódio acabou aí.

Daí para frente, Jarno desapareceu no meio do pelotão. Melhorou em alguns momentos, piorou em outros e não conseguiu dar aquela força que Felipe Massa precisava. No fim da corrida, começou a chover. Exibindo seus dotes meteorológicos, a Toyota preferiu manter seus dois pilotos com pneus para pista seca e o resultado foi uma segunda sessão de sapateado no gelo protagonizada tanto por Trulli como por Glock. Nosso herói italiano terminou em oitavo. Se tivesse terminado à frente de Hamilton, tarefa não muito difícil para alguém que largou em segundo, Felipe Massa teria sido campeão do mundo. Ufanos, matem o Trulli!

1- BAHREIN/2009

No início de 2009, os funcionários da filial alemã da Toyota receberam um fax lá da soturna matriz nipônica: vitória ou rua. Se a milionária equipe vermelha e branca não ganhasse uma mísera corrida na Fórmula 1 naquele ano, os cabeças da montadora fechariam a torneira e acabariam com a brincadeira. Jarno Trulli, Timo Glock e companhia iniciaram o ano com a dura missão de conquistar o primeiro trunfo para os japoneses. Eles sabiam que centenas de empregos estavam em jogo.

Para esta temporada decisiva, a Toyota precisava construir um carro bom. Conseguiu. O TF109 era um dos poucos bólidos que iniciaram a temporada com aquele tal difusor duplo que tanta dor de cabeça deu às rivais que não o tinham. Tudo bem que a Brawn tinha difusor e andava mais. Tudo bem que a Red Bull não tinha difusor e também andava mais. O fato é que 2009 era uma temporada estranha o suficiente para permitir que eternos coitados como Nick Heidfeld e Toyota pudessem ganhar ao menos uma.

No Bahrein, era a vez a Toyota. Tinha de ter sido, pelo menos. O carro era perfeito para aquela pista. Mais do que qualquer outro. No terceiro treino livre, Timo Glock conseguiu ser o mais rápido. Trulli, que dó, só conseguiu ser terceiro colocado no segundo treino livre. Estava aí a prova de que o TF109 estava funcionando perfeitamente bem em Sakhir, aquela kartódromo crescido, empapado de areia e envolto no calor mais infernal possível.

Treino oficial. A Toyota confirmou todas as expectativas e emplacou Jarno Trulli na primeira posição e Timo Glock na segunda. Porra, não é possível. Tendo o melhor carro e dominando a primeira fila, vencer era apenas obrigação. Mesmo que Trulli fosse um especialista notório em desperdiçar boas oportunidades e Glock só soubesse ganhar corridas na GP2. Finalmente, chegará o dia. Após sete anos e bilhões de dólares jogados no lixo, a marca criada pelo honorável Toyoda-san ganharia um Grande Prêmio de Fórmula 1. Sim, Toyoda com D.

Mas não deu. Para Trulli, as coisas começaram a dar errado logo na primeira curva, quando Glock tomou de suas mãos a liderança. Jarno permaneceu grudado atrás do companheiro nas primeiras voltas. Ele estava de pneus macios e tinha chances de tomar a liderança de Glock, mas não o fez. É o trenzinho do Trulli se voltando contra o próprio.

Graças à baixa durabilidade dos compostos macios, Trulli teve de fazer sua primeira parada mais cedo. Voltou para a pista com pneus duros e teve de ficar com eles durante várias voltas. Com isso, perdeu tempo e, ao fazer sua segunda parada, acabou perdendo a segunda posição para Sebastian Vettel. A partir daí, apenas levou o carro até o fim e terminou em terceiro. Para alguém que sempre passa mal com o calor, chegar ao pódio em uma corrida onde os termômetros ultrapassaram os 40°C na sombra parece um grande feito, não é?

Não. Jarno Trulli tinha o melhor carro, a pole-position e a primazia na sua equipe. Tinha tudo para vencer. Não venceu. Depois disso, parei de torcer por ele. Sofrimento tem limites.

RED BULL9 – O carro é bonzão, a equipe trabalha direitinho e o primeiro piloto é um moleque abusado que felizmente evolui a cada dia que passa. O problema é que o segundo piloto, um australiano experiente e turrão, fez um fim de semana de merda e só terminou em quinto. Fica claro o porquê de Christian Horner e companhia amarem Sebastian Vettel, o grande vencedor.

MCLAREN8 – Mandou um belo salve a todos aqueles que duvidaram de sua capacidade para esta corrida, incluindo aí este palpiteiro. Jenson Button pode até não ter feito a melhor das corridas, mas a punição realmente atrapalhou sua vida. Já Lewis Hamilton colocou seu carro em um notável segundo lugar, o que mostra que o MP4-26 pode trazer alguns bons frutos, sim.

RENAULT 7,5 – Quando todos esperavam ver Nick Heidfeld surrando o russo Vitaly Petrov, o alinhamento dos astros permitiu que o contrário acontecesse. Petrov fez talvez a melhor apresentação entre todos os pilotos no grid e pegou um belo pódio. Já Heidfeld não fez nada e só ficou lá atrás. O carro é bom e a equipe é toda coesa. Só as cores que não apareceram bem na telinha.

FERRARI6,5 – Essa 150th aí, sei não, hein… Na pré-temporada, apareceu como o carro a desafiar a supremacia da Red Bull. Mas foi só colocar as rodinhas na pista de Melbourne para que a realidade se mostrasse bem menos rósea. Nem Fernando Alonso e nem Felipe Massa puderam brigar diretamente pela vitória. O espanhol, ao menos, quase pegou um pódio. E Felipe, bem… 2008 parece ter realmente ficado para trás, né?

TORO ROSSO6 – Para quem esperava ver a priminha pobre da Red Bull andando lá nas cabeças, certa decepção. O carro não é vergonhoso, mas também não é muito melhor do que o do ano passado. E ao contrário do que muitos apostavam, quem mostrou mais na Austrália foi Sébastien Buemi, que andou bem e terminou em sétimo. Jaime Alguersuari largou mais atrás e bateu em um mundo de gente na primeira volta.

FORCE INDIA6 – Para um carro que não parece ser a oitava maravilha da Índia, marcar pontos com os dois pilotos soa algo bastante positivo. Discretos nos treinos, Adrian Sutil e Paul di Resta se beneficiaram dos abandonos e da desclassificação da Sauber para finalizar entre os dez primeiros. E o novato não andou muito longe do experiente alemão, o que não é ruim.

LOTUS3,5 – Pelo visto, as coisas não mudaram lá pelos lados da Malásia. O T128 não vai empurrar a equipe lá para o pelotão do meio e a vida seguirá difícil se as coisas não melhorarem muito em relação ao que vimos em Melbourne. Heikki Kovalainen liderou a equipe, mas quebrou. Jarno Trulli foi quem viu a bandeira quadriculada.

VIRGIN2,5 – Se a Lotus não parece ter subido de patamar, a Virgin parece até ter piorado em relação ao ano passado. Na sexta-feira, nem Timo Glock e nem Jerôme D’Ambrosio pareciam estar garantidos na corrida. No dia seguinte, os dois conseguiram, mas só o belga terminou a corrida. Só não é a pior equipe da Fórmula 1 porque a Hispania existe.

WILLIAMS4 – O carro nem é tão ruim e Rubens Barrichello mostrou isso no primeiro treino de sexta-feira. O problema dos dois carros, na Austrália, parece ter sido naquela peça entre o banco e o volante. Barrichello cometeu inúmeros erros nos treinos e na corrida, culminando com o toque infantil no Mercedes de Nico Rosberg. E a estreia de Pastor Maldonado foi bem discreta.

MERCEDES 4,5 – Não teve sorte e nem carro na primeira etapa da temporada. O MGP W02 não é lento, mas também não parece ser muito melhor que o carro do ano passado, tanto que Nico Rosberg e Michael Schumacher largaram em posições análogas àquelas obtidas em 2010. Os dois pilotos tiveram problemas com toques – Schumacher levou uma pancada de Alguersuari, Rosberg levou outra de Barrichello – e nenhum deles chegou ao fim.

SAUBER0 – Foi de dar raiva. A equipe fez um carro competitivo e sem maiores problemas e arranjou uma dupla de pilotos jovem, ousada e explosiva. Kamui Kobayashi e Sergio Perez andam razoavelmente bem nos treinos e mandam ver na corrida, com o mexicano conseguindo completar a corrida tendo feito apenas uma parada. Os dois pontuam. Aí, os comissários da FIA descobrem que as asas traseiras dos dois carros flexionam um pouco menos que o normal, coisa de milímetros. E os dois são desclassificados. Um fim de semana inteiro jogado no lixo porque um estagiário não soube usar direito a régua. É pra chorar.

HISPANIA0 – Assim não dá, né? Tudo bem que ela é pequena, pobre e desorganizada, mas só conseguir deixar um carro pronto na segunda sessão de treinos da sexta é amadorismo demais. O outro carro só conseguiu andar dignamente no sábado. Nenhum dos dois pilotos passou perto de superar a barreira dos 107%. Desse jeito, por mais que eu defenda, será difícil vislumbrar qualquer futuro para ela.

CORRIDAENTRA ANO, SAI ANO… – … e as expectativas não são cumpridas. Tudo bem que a corrida de Melbourne geralmente não representa lá um padrão muito confiável, mas se as ultrapassagens não foram facilitadas com o KERS, a asa móvel e as idiossincrasias do pneu na sempre divertida pista australiana, como poderemos esperar um panorama melhor em lugares como Silverstone ou Barcelona? Sem os acidentes e as confusões, a prova foi meia-boca, com menos ultrapassagens do que o esperado. Os erros também não foram muitos, apesar de alguns terem sido bem gritantes (né, Rubens?). Vettel e Hamilton não tiveram problema para disparar nas duas primeiras posições. No fim, as maiores atrações foram as performances individuais de sujeitos com Vitaly Petrov e Sergio Perez.

TRANSMISSÃOGRANDE PILOTO, O SUTIL – Acompanhei o primeiro treino de sexta-feira pelo SporTV, o treino oficial e a corrida pela Globo. No canal pago, ri com Lito Cavalcanti perdendo a paciência com um espectador que duvidou de sua informação sobre o caráter ecológico do KERS. Na Fórmula 1, ri ainda mais quando Reginaldo Leme elogiou Adrian Sutil no treino classificatório – para, no segundo seguinte, ele rodopiar miseravelmente na reta dos boxes. É candidato forte ao Prêmio Leandro Verde de Pé Frio e Mau Agouro. E o Luis Roberto é muito chato, pelamor. Além de sua falsa empolgação, a desinformação assusta. Achar que todo mundo é o Rosberg e não conseguir identificar quem eram os novatos são dois de seus inúmeros pecados. Aliás, alguém me explica o “é o Dambrosiô, o Dambrósio”?

SEBASTIAN VETTEL10 – Parecia ser ele contra um restante de Fuscas. O atual campeão fez o que quis nos treinos livres, marcou uma pole-position humilhante e disparou na corrida. Não cometeu erros e não teve o menor trabalho para se manter à frente de Hamilton, que vinha inspirado. Vitória estupidamente fácil.

LEWIS HAMILTON9 – Quem diria que a McLaren, que estava sofrendo para acertar o MP4-26 emplacaria um piloto na segunda posição? Hamilton apareceu bem em todos os treinos, tomou a primeira fila de Mark Webber e também seguiu isolado na corrida, atrás de Vettel e à frente do resto. Chegou a se aproximar do alemão em determinados momentos, mas não brigou pela ponta. De qualquer jeito, ótimo segundo lugar.

VITALY PETROV10 – Não tive como dar outra nota a um piloto que teve fim de semana de gênio. Bateu Nick Heidfeld na maioria dos treinos, fez um excelente sexto lugar no grid de largada e partiu como uma bala logo após as luzes vermelhas, ganhando duas posições na primeira curva. Depois, soube ficar à frente de adversários com um carro melhor, parou nas horas certas e ainda teve cabeça fria para se manter à frente de um Alonso que se aproximava perigosamente nas últimas voltas. Pódio merecidíssimo, o primeiro obtido por um “comunista” na Fórmula 1.

FERNANDO ALONSO8 – Quando não ganha, faz para chamar a atenção. Em Melbourne, ele nunca esteve próximo da vitória, mas fez das tripas coração para brigar ao máximo por uma boa posição. Largou mal, ultrapassou, torrou os pneus, fez três paradas, segurou Mark Webber por alguns instantes e ainda ameaçou tomar o pódio de Petrov no finalzinho. Corrida animada, como vem sendo o costume.

MARK WEBBER3,5 – Inexplicável. Nos treinos, ele até fazia um tempo que deixava o povo boquiaberto. Instantes depois, no entanto, vinha o tal do Vettel e solapava o tempo do australiano. Perder a primeira fila, com o carro que tinha, foi um desastre. A corrida, então, foi pior ainda. Webber estragava os pneus mais rapidamente do que seus adversários e era obrigado a parar antes deles, sendo um dos poucos a fazer três paradas. Quando teve a chance de ultrapassar, como aconteceu quando teve Alonso imediatamente à frente, não o fez. Quinto lugar mixuruca. E em casa, ainda por cima. Pegou mal.

JENSON BUTTON6,5 – Poderia ter obtido um resultado bem melhor se não tivesse sido punido (corretamente, aliás) por ter ultrapassado Felipe Massa de maneira ilegal no início da prova. Posteriormente, Button conseguiu ultrapassar o brasileiro novamente, dessa vez sem cortar qualquer curva. No mais, esteve correto nos treinos e fez uma prova tipicamente sua, sem erros ou surpresas.

FELIPE MASSA 4 – Não esteve bem em momento algum, algo rotineiro para ele na Austrália. Discreto e errático nos treinos, Felipe obteve uma medíocre nona posição no grid. Na corrida, largou bem (como de costume) e chegou a andar em quinto nas primeiras voltas, mas estava com um carro lento e com problemas nos pneus e tomou ultrapassagens de Button (ilegal) e Alonso. Depois, não apareceu mais, padecendo com os tais pneus e com a falta de um ritmo mais constante do carro. Tomou mais uma do Button, mas passou Buemi no final. E ainda fez a volta mais rápida. Seu nono lugar evoluiu para sétimo com a desclassificação dos dois carros da Sauber. Resultado até positivo para seu desempenho.

SÉBASTIEN BUEMI7 – Apesar do carro não ter andado tão bem quanto se esperava, esteve bem durante todo o fim de semana.  Conseguiu passar para o Q3 no treino classificatório, andou razoavelmente bem e só não esteve mais à frente devido a um toque com o companheiro Alguersuari na primeira volta. Ainda assim, apareceu mais quando foi ultrapassado por Massa no final da corrida.  

ADRIAN SUTIL5,5 – Começou mal ao largar duas posições atrás de seu companheiro estreante, mas se recuperou, se saiu bem em algumas boas disputas e terminou em 11º. Com a exclusão dos carros da Sauber, subiu para nono e levou dois pontos para casa. Ainda assim, já teve fins de semanas melhores.

PAUL DI RESTA6 – Entre os novatos, chamou a atenção no treino oficial por ter sido o único a bater o companheiro de equipe na pista (Maldonado não conta). Na corrida, não chamou a atenção, mas também esteve longe de passar vergonha e fez seu trabalho direitinho. Premiado com um ponto, torna-se o 59º piloto a marcar pontos em sua estreia.

JAIME ALGUERSUARI3 – Mau início para o jovem espanhol. Ao contrário do que vinha acontecendo no segundo semestre do ano passado, perdeu para o companheiro Buemi na maior parte do tempo. Largando em 12º, causou enorme confusão na primeira volta ao se envolver em toques com vários pilotos. Após isso, precisou trocar o bico e ficou lá no fim do grid durante a maior parte do tempo. Com o passar do tempo, subiu de posições, mas não conseguiu pontuar.

NICK HEIDFELD1,5 – Uma lástima. Não que andar bem em treinos livres seja tão necessário, mas precisava ir tão mal? No treino que valia de verdade, demorou demais para ir à pista, pegou tráfego e acabou sobrando no Q1, algo patético para um piloto da Renault. Na corrida, até largou bem, mas foi atingido por alguém na primeira volta e teve um dos sidepods destruído. Depois, só se arrastou. Não teve muita sorte, mas esteve longe de merecê-la. Se fizer mais umas duas ou três corridas tão ruins quanto, perde a vaga.

JARNO TRULLI3,5 – Já saiu no lucro por ter terminado a corrida, algo que não era tão comum no ano passado. Em termos de desempenho, esteve bem atrás do companheiro Kovalainen na maior parte do tempo. Ainda está devendo uma corrida minimamente aceitável na Lotus.

JERÔME D’AMBROSIO5 – Como avaliá-lo? Na sexta-feira não eram muitos os que acreditavam que ele conseguiria superar a barreira dos 107%. No sábado, conseguiu a classificação. Na corrida, chegou a andar na frente de Timo Glock durante algum tempo. No fim, foi o único piloto da equipe a terminar. Estreia minimamente notável.

TIMO GLOCK2,5 – Pouco apareceu no fim de semana, assim como sua equipe. No início, temeu-se a possibilidade dele também não conseguir se classificar para a corrida. Após obter êxito, Timo foi para uma corrida cheia de problemas. No fim, abandonou com o carro vibrando como um liquidificador.

RUBENS BARRICHELLO3 – Seu melhor momento foi ter terminado entre os seis primeiros no primeiro treino de sexta. Na classificação, rodou sozinho no Q2 e teve de largar em 17º. Na corrida, aprontou de tudo: tocado por Perez na primeira volta, escapou e caiu para último. Depois, como um moleque esfomeado, ultrapassou vários e vinha até fazendo razoável corrida de recuperação. Mas colocou tudo a perder com uma estúpida tentativa de ultrapassagem sobre Nico Rosberg, que resultou em um toque entre os dois. Depois, andou mais um pouco até abandonar com o câmbio quebrado.

NICO ROSBERG 5,5 – Não vinha fazendo a melhor corrida do mundo, mas não merecia ter sido atingido por um desastrado Barrichello, acidente este que destruiu o radiador de seu carro e causou seu abandono. Até ali, Rosberg havia tido desempenho apenas normal e estava correndo apenas para pontuar.

HEIKKI KOVALAINEN5 – Naquele campeonato particular das equipes novatas do ano passado, o finlandês ainda ponteia. Em Melbourne, Heikki largou à frente dos adversários mais próximos, largou bem e andou à frente deles enquanto esteve na pista. Para sua infelicidade, o Lotus começou a verter água e aí, já era.

MICHAEL SCHUMACHER3,5 – Do ano passado para cá, as coisas parecem não ter mudado muito para o heptacampeão. Schumacher ficou no Q2 do treino classificatório e foi atingido por Alguersuari na primeira volta, o que fez arrebentar uma de suas rodas e o assoalho de seu Mercedes. Após parar para os devidos reparos, ele voltou à pista para se arrastar e abandonar algum tempo depois.

PASTOR MALDONADO3,5 – Dos estreantes, o mais discreto em Melbourne. Nos treinos, nunca andou próximo de Barrichello. Só largou à frente do brasileiro devido à rodada no Q2. Na corrida, ficou lá no meio do pelotão e chegou a ser ultrapassado pelo companheiro, que tinha uma boa desvantagem após a primeira volta. Depois, só fez quilometragem até abandonar por problema desconhecido.

SERGIO PEREZ 9 – Olha, fazia tempo que eu não via uma estreia tão boa de um piloto do meio do pelotão. “Checo” foi apenas razoável nos treinos e nem esteve tão bem no início da corrida, mas começou a recuperar posições e fez apenas uma única parada. No fim da corrida, havia ganho um monte de posições e terminou em sétimo, fruto de uma pilotagem sensata e de uma arriscada estratégia de apenas uma parada. Mas, infelizmente, a Sauber pôs tudo a perder ao errar na medida de flexão da asa traseira ou algo assim.

KAMUI KOBAYASHI8 – Nos treinos, era o que acionava a tal asa móvel mais cedo, e um dos que mais arriscavam na tomada das curvas. Como recompensa, um nono lugar no grid. Na corrida, o ritmo não foi tão agressivo e ele chegou a ser ultrapassado facilmente por Alonso, Barrichello e Button, o que contrasta com sua imagem de rei das ultrapassagens. Ainda assim, terminou em um bom oitavo lugar. Mas eis que seu carro, assim como o de Perez, também está irregular, e aí…

VITANTONIO LIUZZI 4 – Difícil dar nota a alguém que não consegue se classificar para a corrida devido à falta absoluta de competitividade do carro. Ainda assim, dou uma canja pelo esforço de ter tentado correr mesmo sem quilometragem e sem conhecer o novo carro. E por ter ficado a 1s7 da classificação, o que é notável levando em conta as condições que o cercavam.

NARAIN KARTHIKEYAN1- Chega a ser cruel ter de dar uma nota a ele. Mas é a vida, fazer o quê? Narain estava completamente distante de qualquer possibilidade de classificação e não conseguiu sequer andar próximo de Liuzzi. Sua participação só aconteceria por piedade da organização. E como os cabeças da Fórmula 1 não costumam prezar pelo altruísmo, o indiano ficou de fora.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 893 outros seguidores